Ibovespa inicia fevereiro em alta leve, com NY e petróleo, após perdas em janeiro

Ontem, apesar de ter fechado com elevação - a uma taxa módica de 0,28% -, o Índice Bovespa encerrou janeiro com desvalorização de 4,79%, a mais intensa desde 2016

Estadão Conteúdo

Publicidade

A indicação de recuperação de parte da queda recente das bolsas em Nova York e a alta do petróleo espelham no Ibovespa. A alta é moderada, dada a agenda esvaziada interna e as incertezas globais, após sinais de que o juro norte-americano não vai cair no mês que vem.

Ontem, apesar de ter fechado com elevação – a uma taxa módica de 0,28% -, o Índice Bovespa encerrou janeiro com desvalorização de 4,79%, a mais intensa desde 2016. Às 11h17, o Ibovespa subia 0,25%, aos 128.069,43 pontos, após avançar 0,37%, na máxima aos 128.230,80 pontos, ante mínima aos 127.752,28 pontos, com variação zero.

No geral, as bolsas operam com sinais moderados. “É natural essa moderação lá fora, após ganhos fortes, e é até importante para se ter uma consolidação saudável. A expectativa é que o Ibovespa em fevereiro seja influenciado mais pelo exterior que por questões domésticas”, estima Luís Otávio, trader da mesa de renda variável e Estruturados no Grupo SWM.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O próximo indicador com chance de influenciar os ativos será o payroll, amanhã, e os outros dados que sairá até a reunião de março do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Segundo Otávio, o presidente do Fed, Jerome Powell, ontem foi bastante enfático de que as chances de queda dos juros em março são baixas e que o objetivo do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) é levar a inflação para a meta 2%. “Em contrapartida, o comunicado adotou uma postura mais neutra ante as anteriores. O fato é que os juros vão cair”, avalia o trader do Grupo SWM.

Agora, fica no radar a divulgação de relatório oficial de emprego americano, o chamado payroll, de janeiro, amanhã, além de balanços de empresas de tecnologias (Apple, Amazon e Meta) após o fechamento dos mercados.

Continua depois da publicidade

Conforme Beto Saadia, diretor de investimentos da Nomos, a alta dos índices de ações em Nova York, e que reflete no Ibovespa, é um ajuste à véspera, quando o mercado respondeu mal às afirmações de Powell. “A queda dos juros americanos é improvável, segundo o Powell, que veio com um comunicado mais duro. Todos os índices econômicos vieram bons indicando força do emprego e inflação resiliente”, analisa.

Internamente, o recuo de meio ponto porcentual da Selic anunciado na quarta-feira pelo Comitê de Política Monetária (Copom), dentro do previsto, e o comunicado visto sem novidades por analistas podem ter pouco efeito em ações sensíveis ao ciclo de juros na B3.

“A decisão do Copom de reduzir a taxa Selic para 11,25% ante 11,75% e de sinalizar com novos cortes para suas próximas duas reuniões já estava precificada. Investidores devem aguardar a ata para tentar inferir a extensão do atual ciclo”, cita em nota a MCM Consultores.

Para Saadia, a única mudança no texto do Copom foi o reconhecimento de que há desinflação global, e que foi visto como ponto muito favorável. “Tirando isso, e alguns detalhes pequenos, é verdade que foi igual ao anterior”, diz diretor de investimentos da Nomos.

Na Europa, a maioria das bolsas cai após alguns balanços empresariais decepcionarem, além de indicadores fracos de atividade. Há pouco, o Banco da Inglaterra manteve sua taxa de juros em 5,25%, como o esperado. O presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na singla em inglês), Andrew Bailey, disse hoje que ainda não chegou o momento de cortar juros, visto que o BC inglês precisa estar mais confiante de que a inflação chegará à meta oficial de 2% e permanecerá nesse nível, embora os preços estejam “caminhando na direção certa”.

Às 11h18, as ações da Petrobrás subiam acima de 2,00%, na esteira do petróleo, enquanto Vale ON caía 0,22%, em dia de queda de 0,36% do minério de ferro em Dalian, na China.

Tópicos relacionados