Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro sobe com investidores digerindo aprovação da reforma tributária às vésperas da ata do Copom

Em Wall Street, os índices futuros dos Estados Unidos também operavam com alta

Felipe Moreira

(Shutterstock)

Publicidade

O Ibovespa Futuro abriu com alta nos primeiros negócios desta segunda-feira (18), com investidores repercutindo a aprovação pela Câmara dos Deputados da reforma tributária em dois turnos e com placar folgado, enquanto no exterior a expectativa gira em torna da inflação PCE nos Estados Unidos.

Os investidores também esperam que a ata do Copom, que será divulgada amanhã (19), traga mais indicações sobre o cenário que o BC considera para os próximos passos da política monetária brasileira.

Às 9h13, o índice futuro com vencimento em fevereiro de 2024 operava com ganho de 0,28%, aos 132.685 pontos.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em Wall Street, os índices futuros dos Estados Unidos também operavam com alta, depois que os três principais índices registraram sete semanas consecutivas de ganhos.

A sequência de ganhos do S&P 500 marcou a mais longa sequência de alta semanais desde 2017. O índice subiu 3,3% no mês, enquanto o Dow Jones e o Nasdaq subiram 3,8% e 4,1%, respectivamente.

O sentimento dos investidores mudou positivamente na semana passada, depois que o Federal Reserve indicou que três cortes nas taxas de juros são esperados em 2024 em meio ao arrefecimento da inflação.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro subia 0,12%, S&P Futuro avançava 0,13% e Nasdaq Futuro registrava alta de 0,01%.

Dólar hoje

O dólar comercial operava com alta de 0,12%, cotado a R$ 4,942 na compra e R$ 4,943 na venda.

O dólar futuro (DOLF24) para janeiro subia 0,01%, indo aos 4,939 pontos.

Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com queda de 0,01%, a 102,54 pontos.

No mercado de juros, os contratos operavam com baixa. O DIF25 opera com baixa de 0,01 pp, a 10,08%; DIF27, -0,02 pp, a 9,78%; DIF29, -0,02 pp, a 10,19%; DIF31 -0,02 pp, a 10,46%.

Exterior

Os mercados europeus operam com baixa em sua maioria, revertendo parte dos ganhos registrados na véspera, quando foram impulsionados pela indicação de cortes de juros nos EUA ao longo de 2024.

Além disso, dois membros votantes do Banco Central Europeu — Isabel Schnabel e Philip Lane — devem fazer discursos nesta segunda-feira.

O BCE manteve as taxas na semana passada, ao revisar em baixa suas previsões de crescimento e inflação e anunciar planos para acelerar a redução de seu balanço patrimonial. A presidente Christine Lagarde também resistiu às expectativas do mercado de cortes substanciais nas taxas em 2024.

Ásia

Os mercados acionários da Ásia não registraram sinal único, nesta segunda-feira, mas o tom negativo prevaleceu. Xangai e Tóquio estiveram entre as baixas, enquanto Seul foi exceção, com ganhos modestos.

A Bolsa de Xangai teve queda de 0,40%, para 2.930,80 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, caiu 1,25%, a 1.805,44 pontos. Papéis de semicondutores e empresas de telecomunicação pesaram, com LONGi Green Energy Technology em queda de 2,4% e Will Semiconductor, de 2,05%. Wingtech Technology caiu 2,3% e China Spacesat, 1,1%.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em queda de 0,64%, em 32.758,98 pontos. A realização de lucros influiu, após um rali de ganhos visto nas últimas sessões. Ações ligadas ao consumo e do setor financeiro pegaram hoje, com Sony em baixa de 2,2%, Marubeni de 0,6% e Mitsui, de 0,8%. SMFG caiu 1,8% e Mizuho Financial, 1,3%. Já entre montadoras Toyota Motor avançou 0,7% e Nissan Motor, 1,5%. Investidores aguardavam decisão de política monetária do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), nesta terça-feira.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng registrou queda de 0,97%, a 16.629,23 pontos. O setor de semicondutores e papéis ligados ao consumo pesaram nesse mercado, com investidores à espera de mais estímulos de Pequim, em meio ao sentimento fraco sobre a perspectiva para a segunda economia global. Xinyi Solar liderou as perdas, em queda de 5,95%. Haidilao International e China Mengniu Dairy caíram 3,7% e 3,5%, respectivamente. Entre os poucos papéis que subiram, Orient Overseas (International) avançou 4,2% e Techtronic Industries, 3,6%, enquanto Alibaba ganhou 0,6%.

Na Bolsa de Seul, o índice Kospi registrou alta de 0,13%, em 2.566,86 pontos. Ações de varejistas e a entrada de capital de investidores estrangeiros sustentaram os ganhos, no mercado sul-coreano, mas o quadro geral foi misto. Posco subiu 2,0% e LG Chem, 1,0%, porém Samsung Electronics caiu 0,55% eKB Financial Group, 1,3%.

Commodities

Os preços do petróleo operam com perdas após abertura positiva, com investidores de olho na redução das exportações da Rússia e porque os ataques dos Houthis a navios no Mar Vermelho levantaram preocupações sobre a interrupção do fornecimento de petróleo.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em baixa, ampliaram as perdas da véspera, com o índice de referência chinês em seu nível mais baixo em mais de um ano, à medida que alguns investidores liquidavam posições longas em meio a dados persistentemente fracos e menos esperanças de mais estímulos na China, principal consumidor.

O minério de ferro de referência para janeiro SZZFF4 na Bolsa de Cingapura caiu 1,71%, para US$ 131,6 a tonelada, o nível mais baixo desde 7 de dezembro.