Pré-market

Ibovespa Futuro registra alta após Datafolha mostrar Marina à frente de Dilma

ADRs da Petrobras sobem 1,2% na Bolsa de NY; No Brasil, mercado segue de olho na pesquisa eleitoral, que mostrou Marina com 47% de apoio, ante 43% de Dilma, na simulação de 2° turno

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro registra alta na sessão desta segunda-feira, de olho mais uma vez no cenário eleitoral. Às 9h35 (horário de Brasília), o contrato futuro com vencimento em outubro registrava alta de 0,53%, a 58.310 pontos. O dia promete ser positivo também para a Petrobras. Após as ações subirem cerca de 8% na sexta após as indicações de que Marina Silva fosse candidata, os ADRs (American Depositary Receipts) da companhia sobem cerca de 3% na Bolsa de Nova York.

Conforme aponta o Datafolha, Marina Silva, a provável substituta de Eduardo Campos como presidenciável do PSB, estaria numericamente à frente da presidente Dilma Rousseff (PT) na disputa de um segundo turno, de acordo com pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha. Este é o primeiro levantamento que foi realizado após a morte do ex-governador de Pernambuco após um trágico acidente aéreo.

No primeiro turno, a ex-senadora soma 21% de apoio, tecnicamente empatada com o candidato à presidência pelo PSDB, Aécio Neves, que possui 20% da intenções de voto. Dilma manteve a dianteira com 36%. Com a leitura, a possibilidade da petista ser reeleita no primeiro turno está cada vez mais distante.

Na simulação de um segundo turno, Marina, que deve ser apresentada oficialmente como presidenciável do PSB na quarta-feira, está numericamente à frente da presidente, com 47% de apoio, ante 43% de Dilma. Ainda que a diferença seja de quatro pontos porcentuais, as duas estão tecnicamente empatadas nos limites máximos da margem de erro de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo. 

Além do cenário político, o mercado ficará de olho no Focus. A expectativa de expansão do PIB (Produto Interno Bruto) em 2014 diminuiu para 0,79%, ante 0,81% da semana anterior – esta é a 12ª semana consecutiva que os economistas diminuem as estimativas para o crescimento da atividade econômica brasileira. Em relação à inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2014, os economistas diminuíram a projeção para 6,25%, ante 6,26%, e continuou abaixo do teto da meta.

O cenário internacional também é positivo. Os principais índices acionários do mundo iniciaram a segunda-feira em alta, após um alívio nas tensões geopolíticas. Além disso, as bolsas asiáticas seguem o movimento positivo dos benchmarks norte-americanos e atingiram seu maior nível em 8 meses, ofuscando dados de moradias abaixo do esperado.