Conteúdo editorial apoiado por

Ibovespa Futuro cai forte com atenções divididas entre Petrobras e inflação nos EUA

Presidente Lula demitiu na noite de ontem Jean Paul Prates do cargo de CEO da Petrobras

Felipe Moreira

B3 Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo (Germano Lüders/InfoMoney)

Publicidade

O Ibovespa Futuro opera em forte queda nos primeiros negócios desta quarta-feira (15), na contramão do exterior, com a decisão do presidente Lula de demitir na véspera Jean Paul Prates do cargo de CEO da Petrobras (PETR4 PETR3) pesando sobre o índice. O Ministério de Minas e Energia (MME) indicou Magda Chambriard para exercer o cargo de Presidente da estatal.

Na agenda do dia, o destaque fica por conta da divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI) de abril nos Estados Unidos, com XP projetando uma alta de 0,4% no comparativo mensal, e 3,4% no anual para o índice principal e de 0,3% para o núcleo na comparação mensal e 3,6% no anual. Em segundo plano, o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) caiu 0,34% em março, pior que o esperado pelo consenso LSEG de analistas, que previa uma retração de 0,25%.

Já o presidente do BC, Roberto Campos Neto, discursa em evento da própria autarquia, enquanto Gabriel Galípolo, diretor de Política Monetária, participa de evento em Nova York. As falas deles vêm um dia depois de o BC divulgar a ata da última reunião do Copom, mostrando que todos os diretores defenderam uma política monetária mais contracionista, cautelosa e sem indicação futura sobre os juros.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Às 9h16, o índice futuro com vencimento em junho caia 1,30%, aos 128.035 pontos.

Em Wall Street, índices futuros operam mistos, enquanto investidores se preparam os números da inflação ao consumidor (CPI), que costumam ter forte influência nas apostas para a trajetória dos juros básicos americanos. Além dos dados de inflação, Wall Street aguarda dados do varejo de abril e do índice Empire State de atividade industrial.

Continua depois da publicidade

Nesta manhã, Dow Jones Futuro subia 0,43%, S&P500 avançava 0,21% e Nasdaq Futuro tinha baixa de 0,09%.

Ibovespa, dólar e mercado externo


O dólar à vista opera com alta de 0,63%, cotado a R$ 5,163 na compra e R$ 5,163 na venda. Já dólar futuro (DOLFUT), subia 0,60%, indo aos 5.164 pontos.

No mercado de juros, os contratos futuros operam com forte alta. O DIF26 subia 0,04 pp, a 10,58%; DIF27, +0,07 pp, a 10,94%; DIF29 +0,09 pp, a 11,45%; DIF31, +0,09 pp, a 11,67%.

Continua depois da publicidade

As cotações do petróleo operam em baixa após abertura positiva, enquanto a divulgação de dados de inflação ao consumidor americano pode apontar para uma perspectiva económica mais favorável.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em baixa. Na quarta-feira, o volume total negociado de 12 contratos futuros de minério de ferro listados na bolsa foi de 465.161 lotes, com um faturamento de cerca de 39,85 bilhões de yuans.

Os mercados asiáticos fecharam sem direção única nesta quarta-feira, com investidores à espera de novos dados da inflação dos EUA, que podem influenciar a trajetória dos juros da maior economia do mundo.

Continua depois da publicidade

Os mercados europeus operam mistos, com investidores globais esperando os últimos dados da inflação nos EUA.