Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro cai com atenções voltadas para Congresso e balanços de empresas financeiras

Temporada de resultados e ISM de serviços nos EUA também são alguns dos temas de maior destaque nesta segunda-feira

Felipe Moreira

B3 (Germano Lüders/InfoMoney)

Publicidade

O Ibovespa Futuro opera com baixa nesta segunda-feira (5), em sessão marcada pelo retorno das atividades do Congresso Nacional, enquanto balanços de empresas do setor financeiro entram em foco: Itaú (ITUB4) e Cielo (CIEL3) divulgam seus números após o fechamento.

A abertura do ano legislativo está marcada para hoje, às 15 horas, em sessão solene do Congresso Nacional. Na ocasião, ocorrerá a leitura de mensagem a ser enviada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os temas e projetos considerados prioritários pelo governo para este ano.

Mais cedo, o BTG Pactual (BPAC11) registrou aumento de 61% no lucro líquido ajustado do quarto trimestre, enquanto BB Seguridade (BBSE3) viu seu lucro líquido crescer 13,7% na base anual.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O balanço de pagamentos do Brasil mostrou um déficit de transações correntes de US$ 5,8 bilhões em dezembro de 2023, inferior ao saldo negativo de US$ 7,5 bilhões observado em dezembro de 2022, informou o Banco Central nesta segunda-feira (5).

Às 9h11 (horário de Brasília), o índice futuro com vencimento em fevereiro operava com baixa de 0,14%, aos 127.405 pontos.

Em Wall Street, índices futuros dos EUA operam em baixa, depois que o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, frustrou as esperanças dos investidores de cortes nas taxas de juros no curto prazo. Em entrevista à rede de TV CBS, no domingo (4), Powell disse que o Fed provavelmente agirá em um ritmo consideravelmente mais lento do que o mercado espera.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro recuava 0,04%, S&P Futuro caía 0,18% e Nasdaq Futuro registrava desvalorização de 0,16%.

Dólar e mercado externo

O dólar comercial opera com alta de 0,17%, cotado a R$ 4,977 na compra e na venda. Já o dólar futuro (DOLFUT) subia 0,01%, indo aos 4,984 pontos. Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com alta de 0,32%, a 104,25 pontos.

No mercado de juros, os contratos futuros operam com forte alta. O DIF25 avançava 0,02 pp, a 9,98%; DIF26, +0,05 pp, a 9,73%; a DIF27, +0,06 pp, a 9,90%; DIF28, +0,05 pp, a 10,15%; DIF29 +0,05 pp, a 10,33%.

O preço do petróleo opera no vermelho, após quedas acentuadas na semana passada, em meio a tentativas contínuas de alcançar um cessar-fogo em Gaza, mesmo quando os EUA planeavam novos ataques contra grupos apoiados pelo Irã.

As cotações do minério de ferro na China fecharam com baixa, em meio à cautela persistente devido ao aumento dos estoques portuários e às preocupações persistentes com a China.

Já as bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta segunda-feira, com as chinesas estendendo o mau humor da semana passada, apesar de dados apontarem expansão no setor de serviços.

Os mercados da Europa operam sem direção única na manhã desta segunda-feira, enquanto investidores digerem balanços e dados econômicos locais, assim como comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell. Em Milão, a ação do UniCredit dispara após o banco italiano anunciar um forte aumento na distribuição de capital para acionistas.