Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro acompanha otimismo externo e opera com alta; votação da reforma tributária está no radar

Produção industrial dos EUA e mudanças nos subsídios de ICMS no Brasil em destaque

Felipe Moreira

B3 Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo (Germano Lüders/InfoMoney)

Publicidade

Depois do índice a vista renovar a máxima histórica na véspera, o Ibovespa Futuro abriu com alta nos primeiros negócios desta sexta-feira (15), acompanhando o otimismo externo, enquanto as expectativas de cortes de juros nos Estados Unidos seguem pautando o cenário internacional.

No Brasil, a pauta econômica no Congresso deve ficar no radar dos investidores, com destaque para a reforma tributária. Um acordo do governo com o Congresso deve assegurar a apreciação do restante da pauta econômica até a semana que vem, em troca da derrubada de um veto do arcabouço fiscal que limita o pagamento das emendas orçamentárias de comissão, disseram à Reuters duas fontes governistas.

Diante disso, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a reforma tributária deverá ser votada nesta sexta-feira na Casa.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Após o Congresso derrubar o veto à renovação da desoneração da folha de 17 setores da economia, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que o governo vai questionar a decisão na Justiça. Mas também que irá propor uma solução alternativa para evitar prejuízos a empresas, em iniciativa que será acompanhada de ação compensatória para evitar perda orçamentária.

Por outro lado, ele celebrou a aprovação por Comissão mista do Congresso Nacional da medida provisória que regulamenta subvenções, estimando que deve ser mantida a previsão de 35 bilhões de reais em ganhos com a nova norma no ano que vem.

Às 9h16, o índice futuro com vencimento em fevereiro de 2024 operava com ganho de 0,27%, aos 133.255 pontos.

Em Wall Street, os índices futuros dos Estados Unidos operam em alta, depois que o Dow Jones atingiu um novo recorde, rumo à sua melhor sequência de vitórias semanais desde 2019.

As ações subiram esta semana depois que o Fed apontou na quarta-feira que seus esforços para conter a inflação estão se consolidando e indicou que três cortes nas taxas de juros ocorrerão em 2024, estimulando o otimismo dos investidores.

Os dados de vendas no varejo de novembro, que foram mais fortes do que o esperado na quinta-feira, após as leituras de inflação mais fracas desta semana, somaram-se às esperanças de que o BC americana possa navegar por uma aterrissagem suave da economia.

Já os rendimentos do Tesouro despencaram esta semana. O rendimento do Tesouro de 10 anos caiu para menos de 4%, apesar de ter atingido 5% em outubro.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro subia 0,28%, S&P Futuro avançava 0,26% e Nasdaq Futuro registrava alta de 0,32%.

Dólar hoje

O dólar comercial operava com alta de 0,19%, cotado a R$ 4,923 na compra e R$ 4,924 na venda.

O dólar futuro (DOLF24) para janeiro subia 0,22%, indo aos 4,928 pontos.

Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com alta de 0,05%, a 102,01 pontos.

No mercado de juros, os contratos operavam com baixa, um dia depois do Copom reduzir os juros novamente. O DIF24 opera com baixa de 0,03 pp, a 11,65%; DIF27, -0,03 pp, a 9,67%; DIF29, -0,03 pp, a 10,16%; DIF31 -0,03 pp, a 10,45%.

Exterior

Os mercados europeus operam no terreno positivo e caminham para encerrar a semana no azul após várias de decisões política monetária dos principais bancos centrais.

Na quinta-feira, o Banco da Inglaterra e o Banco Central Europeu mantiveram suas as respectivas taxas de juros inalteradas, mas os primeiros reagiram contra as expectativas do mercado, mantendo a sua orientação agressiva de que a política monetária provavelmente precisará ser restritiva por um longo período de tempo.

Paralelamente à sua decisão, o BCE revisou suas previsões de crescimento e inflação para a área do euro e anunciou planos para acelerar a redução do seu balanço.

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam com ganhos em sua maioria, liderados por Hong Kong, enquanto Wall Street continuava a subir depois que o Fed manteve as taxas e traçou um roteiro para cortes em 2024.

A China divulgou dados de novembro sobre o crescimento da produção industrial, vendas no varejo, preços de imóveis e investimento urbano. Mais notavelmente, registrou em novembro a maior expansão da produção industrial desde fevereiro de 2022, embora o crescimento das vendas no varejo tenha ficado abaixo das expectativas.

A produção industrial cresceu 6,6% em novembro em relação ao ano anterior, superando as expectativas de 5,6% em uma pesquisa da Reuters.

As vendas no varejo aumentaram 10,1% em novembro em relação ao ano anterior, o ritmo de crescimento mais rápido desde maio. Os analistas esperavam um aumento de 12,5% após uma base baixa em 2022. As vendas no varejo aumentaram 7,6% em outubro.

Commodities 

Os preços do petróleo operam com alta e caminham para atingir seu primeiro aumento semanal em dois meses, depois de se beneficiarem de uma previsão otimista da Agência Internacional de Energia sobre a demanda por petróleo para o próximo ano e de um dólar mais fraco.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em baixa nesta sexta-feira, à medida que diminuíam a demanda e a expectativa de falta de estímulo vigoroso em 2024 no principal consumidor, a China, pesaram sobre o sentimento.

O minério de ferro de referência para janeiro SZZFF4 na Bolsa de Cingapura tem um dia pouco movimentado e opera a US$ 134 a tonelada.