Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro acompanha NY e opera com baixa após ataques a houthis no Iêmen e antes de PPI nos EUA

Preços do petróleo saltam 4% após EUA e Grã-Bretanha atacarem Houthis apoiados pelo Irã

Felipe Moreira

Publicidade

Em dia de agenda doméstica esvaziada, o Ibovespa Futuro opera em queda, seguindo os mercados norte-americanos, em meio a escalada das tensões na região do Mar Vermelho e antes da divulgação de dados da inflação ao produtor (PPI) e de balanços dos maiores bancos americanos.

Os preços do petróleo operam com fortes ganhos, depois que o Reino Unido e os Estados Unidos realizaram ataques militares contra alvos em áreas do Iêmen controladas pelos Houthi,  em resposta aos ataques do grupo a navios no Mar Vermelho.

Às 9h13, (horário de Brasília) o índice futuro com vencimento em fevereiro operava com baixa de 0,09%, aos 131.575 pontos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em Wall Street, índices futuros operavam em baixa, com as atenções voltadas para a inflação ao produtor (PPI) de dezembro, um dia depois da inflação ao consumidor ter vindo acima do esperado. O consenso LSEG prevê alta mensal de 0,1% e de 1,3% na base anual. Os investidores também estarão atentos ao início da temporada de balanços com resultados dos grandes bancos Bank of America, Citigroup, JPMorgan e Wells Fargo.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro caía 0,66%, S&P Futuro recuava 0,45% e Nasdaq Futuro registrava baixa de 0,49%.

Dólar e mercado externo

O dólar comercial operava com baixa de 0,14%, cotado a R$ 4,884 na compra e R$ 4,884 na venda. Já o dólar futuro (DOLFUT) subia 0,09%, indo aos 4.887 pontos. Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com alta de 0,19%, a 102,48 pontos.

No mercado de juros, os contratos sobem em bloco. O DIF26 +0,03 pp, a 9,76%; DIF27, +0,03 pp, a 9,88%; DIF28, +0,03 pp, a 10,10%; DIF29 +0,03 pp, a 10,24%.

Os mercados europeus operam no azul, à medida que investidores digerem novos dados econômicos do Reino Unido e aguardam pelo relatório de inflação ao produtor dos EUA. A economia do Reino Unido voltou a crescer em novembro, com o produto interno bruto (PIB) superando as projeções ao expandir 0,3%.

Já as bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa, em meio a preocupações renovadas sobre a tendência deflacionária na China. A exceção foi o mercado japonês, que driblou o mau humor da região e deu continuidade a um recente rali. O índice de preços ao consumidor (CPI) da China recuou 0,3% na comparação anual de dezembro, em sua terceira queda consecutiva, enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) registrou baixa de 2,7% no mesmo período, estendendo o declínio para o 15º mês seguido.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em baixa, à medida que as exportações anuais da China caíram pela primeira vez em sete anos.