Ataque conjunto de EUA e Reino Unido contra houthis no Iêmen recebe críticas e apoios

Ataque atingiu atingiu mais de 60 alvos estratégicos, em 16 locais no Iêmen; Joe Biden foi critica dentro do Partido Democrata por não ter pedido autorização do Congresso

Roberto de Lira

O presidente do Estados Unidos, Joe Biden (Reuters/Jonathan Ernst/Pool)

Publicidade

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de lançar na noite de quinta-feira (11) um ataque aéreo conjunto com o Reino Unido contra alvos ligados aos rebeldes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen recebeu críticas dentro do Partido Democrata e elogios dos republicanos, que no entanto disseram que a ação demorou para ser realizada.

O comando da Força Aérea dos EUA no Oriente Médio disse que atingiu mais de 60 alvos, em 16 locais no Iêmen, incluindo pontos “de comando e controle, depósitos de munições, sistemas de lançamento, instalações de produção e sistemas de radar de defesa aérea”.

Foi a primeira vez que ataques foram lançados contra o grupo desde que ele começou a atacar a navegação internacional no Mar Vermelho no final do ano passado. Os houthis têm atacado essas rotas marítimas para demonstrar seu apoio ao Hamas, que está em guerra com Israel.

Continua depois da publicidade

Segundo a Associated Press, os ataques mataram pelo menos cinco pessoas e feriram seis, conforme fontes dos houthis, que não detalharam os alvos atingidos. Ontem, o líder dos houthis disse que qualquer ataque dos EUA ao grupo não ficaria sem resposta.
A Casa Branca justificou os ataques, apoiados por Holanda, Canadá, Bahrein e Austrália, como conduzidos “de acordo com o direito inerente de autodefesa individual e coletiva, consistente com a Carta da ONU”.

Mas a repercussão política interna da medida adotada pela administração Biden tem sido forte. Segundo o site Politico, alguns congressistas argumentaram que a medida viola o artigo 1º da Constituição, que exige que uma ação militar seja autorizada pelo Congresso e que Biden notificou o Congresso, mas não solicitou sua aprovação.

“Esta é uma violação inaceitável da Constituição”, escreveu nas redes sociais a deputada Pramila Jayapal (Washington), que preside a bancada progressista dos democratas.

Mas alguns republicanos elogiaram os ataques, embora com ressalvas. O líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, disse em um comunicado que saudava a decisão, mas que o uso da força estava “atrasado”.

“Espero que essas operações marquem uma mudança duradoura na abordagem do governo Biden em relação ao Irã e seus representantes. Para restaurar a dissuasão e mudar o cálculo do Irã, os próprios líderes iranianos devem acreditar que pagarão um preço significativo, a menos que abandonem sua campanha mundial de terror”, afirmou.

(Com Reuters)