Bolsa

Ibovespa Futuro abre em queda com novo ato da “tragédia grega”; dados dos EUA no radar

Índice estende perdas da sexta depois de novo fracasso nas negociações da Grécia com os seus credores; por aqui o relatório Focus mostra que economistas já preveem a inflação perto de 9% em 2015

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre em baixa nesta segunda-feira (15) refletindo o mau humor internacional com o aumento das possibilidades de um default da Grécia com os seus credores. No domingo bastaram 45 minutos para que as conversas com os gregos fossem dadas como fracassadas. Lá fora os investidores ainda esperam por dados da produção industrial nos Estados Unidos em uma semana que será marcada pela reunião do Fomc (Federal Open Market Comittee). Por aqui ficam no radar as discussões sobre o ajuste fiscal e o Relatótio Focus.

Às 9h17 (horário de Brasília), o contrato futuro do índice para junho, que vence na quarta-feira (17) caía 0,48%, a 53.095 pontos. Enquanto isso, o dólar futuro para julho operava perto da estabilidade, com leve variação positiva de 0,02%, a R$ 3,143.

Também tinha algum peso por aqui o Relatório Focus, com a mediana das projeções de diversos economistas, casas de análise e instituições financeiras para os principais indicadores macroeconômicos. A previsão para o PIB (Produto Interno Bruto) em 2015 oscilou de uma retração de 1,3% para uma de 1,35%. Já no caso do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que é o medidor oficial de inflação utilizado pelo governo, as projeções foram de um avanço de 8,46% para um maior, de 8,79% este ano.

Aprenda a investir na bolsa

Entre os destaques corporativos está a Petrobras (PETR3;PETR4). Em comunicado, a companhia informou ter recebido em 12 de junho US$ 1,5 bilhão do financiamento assinado em 20 de maio com o Banco de Desenvolvimento da China. Além disso, destaque para a notícia do jornal O Globo de que a petrolífera tem perda bilionária com atraso para atracar em porto de Macaé. De acordo com fontes técnicas, a falta de espaço para atracar as embarcações de apoio à exploração de petróleo estaria provocando, em média, uma fila de espera de um dia, com pelo menos 12 barcos. Em 12 meses, os gastos estimados, diz uma fonte ouvida pelo jornal, ficam entre US$ 400 milhões e US$ 500 milhões, ou R$ 1,5 bilhão.

Outras perdas ganham destaque: as subsidiárias da Petrobras perdem R$ 280 milhões com corrupção, conforme destaca reportagem da Folha. 

Grécia gera preocupação
As possibilidades de a Grécia entrar em default pela falta de acordo com seus credores mexem com o humor do mercado nesta segunda-feira (15). Na Ásia, o pregão foi de queda para todos os principais índices acionários, com o benchmark de Xangai fechando com perdas na casa dos 2%, a 5.063 pontos. 

Uma venda generalizada nas ações chinesas piorou ainda mais o humor, com investidores reagindo às notícias recentes de mais endurecimento no financiamento de margens e também por uma onda gigante de IPOs (ofertas públicas iniciais, na sigla em inglês). 

Autoridades da União Europeia culparam Atenas pelo colapso da última rodada de conversas sobre a dívida da Grécia, que segundo as autoridades não ofereceu quaisquer novas concessões para assegurar os recursos de que precisa para pagar 1,6 bilhão de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) até o fim deste mês.

“Dado que a Alemanha não vai aprovar nada parecido com alívio de dívida a este ponto, provavelmente vamos ver uma continuação deste jogo político de ‘gato e rato’ durante a reunião de ministros das Finanças do Eurogrupo na quinta-feira, e para além disso até o fim do mês”, disse o analista-chefe de mercados da CMC Markets UK, Michael Hewson, em nota para clientes.

PUBLICIDADE

“Isso nos leva a perguntar o porquê de não podermos pôr um fim nesta charada que sugere que um acordo é possível, e acelerar o tempo até o momento no final do mês quando o default acontece e podemos passar para a próxima etapa do processo”, disse Hewson.

O Ibovespa Futuro é um bom termômetro de como será o pregão, mas nem sempre prevê adequadamente movimentos na Bolsa a partir do sino de abertura.