Bolsa

Ibovespa fecha estável e continua sem subir há 8 pregões; DIs caem

Mercado se afasta da maré de quedas recente, acompanhando exterior e mostrando expectativa positiva para a série de anúncios do governo

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou estável após perder força de forma gradual ao longo de todo o pregão desde que atingiu sua máxima do dia por volta das 10h30 (horário de Brasília), quando bateu os 50.002 pontos. A partir daí, o índice foi se distanciando deste patamar até atingir os 49.330 pontos em sua mínima, uma queda de 1,34%. O índice teve leve alta de 0,03%, aos 49.345 pontos. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 5,188 bilhões. Com isso, a bolsa brasileira se descola dos índices internacionais, que seguiram em alta de mais de 1% até o fechamento. 

Analistas destacam que, apesar do cenário externo bastante favorável, as incertezas sobre a votação da nova meta fiscal ajuda a pesar no ambiente da Bovespa. Por duas vezes, a CMO (Comissão Mista de Orçamento) não votou a meta por falta de quórum e o pleito no plenário do Congresso deve se estender pela madrugada.   

Além disso, as medidas anunciadas por Michel Temer também trouxeram dúvidas sobre seus impactos, o que deixa alguns ativos sem rumo definido nesta sessão, caso da Petrobras e dos bancos, que alternam entre perdas e ganhos. Vale destacar ainda a 30ª fase da Operação Lava Jato, denominada Vício, que expediu dois pedidos de prisão preventiva e 28 mandados de busca e apreensão.

O dólar comercial registrou leves perdas de 0,19% a R$ 3,5745 na compra e a R$ 3,5755 na venda, enquanto o dólar futuro para junho tem leve alta de 0,04% a R$ 3,582. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 operava em baixa de 2 pontos-base a 13,68%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 recuava 4 pontos-base a 12,59%. 

Temer anuncia medidas
O presidente interino Michel Temer realizou anúncio de teto para os gastos do governo, incluindo gastos obrigatórios, após uma segunda-feira turbulenta em meio à exoneração do ministro do Planejamento Romero Jucá. A medida é considerada central pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para permitir o controle de gastos também quando houver uma recuperação do PIB.

A primeira medida anunciada por Temer é de que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) irá devolver aos cofres públicos pelo menos R$ 100 bilhões dos recursos repassados pelo Tesouro Nacional nos últimos anos, que somaram mais de R$ 500 bilhões nos últimos anos. A ideia é de que sejam retornados ao Tesouro Nacional R$ 40 bilhões neste momento, e o restante no futuro.

Michel Temer anunciou que o governo vai propor uma emenda constitucional que propõe a limitação do gasto público destacando que, nos últimos anos, houve um crescimento do gasto acima da inflação. Ele ainda afirmou que as despesas do setor público se encontram “em uma trajetória insustentável.” Ele afirmou que a proposta limitará o crescimento da despesa primária total; o limite de crescimento será equivalente à inflação do ano anterior e que a proposta estará completa até semana que vem. 

O presidente interino afirmou ainda que há fundo soberano de R$ 2 bilhões e que está sendo proposto talvez a extinção deste e o uso desse dinheiro para cobrir o rombo do setor público. “Há um fundo soberano do pré-sal que visava constituir um fundo significativo. Mas hoje o patrimônio é de R$ 2 bilhões e está paralisado”. 

Temer ainda afirmou que priorizará alguns projetos no Congresso e um deles é sobre a governança dos fundos de pensão e das estatais, instituindo critérios rígidos para indicar dirigentes de fundos com funcionamento da meritocracia.  Temer afirmou que os ministros irão explicitar as fórmulas que permitirão a redução do risco-País e aumentar a confiança para a redução das taxas de juros e permitindo o crescimento. 

Meirelles discursa
O anúncio da devolução de R$ 100 bilhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para o Tesouro Nacional e da limitação da expansão de despesas do governo à inflação do ano anterior representa “uma boa gestão das contas públicas”. Essa é a narrativa do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. “O programa do BNDES está muito bem equacionado para os próximos anos”, afirmou. Segundo ele, a estrutura vigente nos últimos anos estariam provocando ociosidade e custos desnecessários ao Tesouro.

CMO não vota meta
A reunião da CMO (Comissão Mista de Orçamento) foi encerrada nesta terça-feira sem votação por falta de quórum. Os partidos que apoiam o presidente interino Michel Temer tentaram votar o projeto que altera a meta fiscal deste ano (PLN 1/16) para permitir um deficit primário de R$ 170,5 bilhões. A senadora Gleisi Hoffman (PT-PR) afirmou que a reunião começou depois do limite de meia hora determinado pelo regimento. “A sessão começou fora do horário regimental”, disse. 

Rio de Janeiro atrapalha ajuste fiscal
Com grandes dificuldades para honrar até despesas essenciais, como a folha de salários, o Estado do Rio não pagou a parcela da dívida com a União no último mês e se prepara agora para dar o calote em todas as suas operações externas. Isso cria um problema extra para Meirelles, já que como o Tesouro Nacional é garantidor dessas operações, ele terá de honrar as dívidas. A primeira parcela é de R$ 8 milhões de um dos empréstimos do estado com instituições internacionais.

Nova ministra do Planejamento?
Diário Oficial desta terça mostra que Romero Jucá foi exonerado por Temer, de modo que já começam as especulações sobre um novo nome para a pasta. Segundo o Estado de S. Paulo, a senadora Simone Tebet (PMDB-MS) é a principal cotada para o Planejamento. Já o jornal O Globo, noticia que um ministro teria sugerido Maria Silvia Bastos Marques, atual presidente do BNDES para ocupar o cargo. 

Ações em destaque
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 11,09, +0,45%; PETR4, R$ 8,53, +0,35%), fecharam em leve alta, mas bem longe do desempenho dos preços do petróleo. O barril do WTI (West Texas Intermediate) sobe 1,48% a US$ 48,79, ao mesmo tempo em que o barril do Brent tinha ganhos de 0,86% a US$ 49,35. No radar da estatal, o seu Conselho de Administração se reuniu ontem extraordinariamente para apreciar a indicação do executivo Pedro Parente para a presidência da companhia, mas não tomou nenhuma decisão. 

 Além do comando da estatal, Parente também foi indicado pelo presidente interino Michel Temer para presidir o Conselho de Administração. Em nota ao mercado divulgada após a reunião, a Petrobras anunciou apenas que o Comitê de Remuneração e Sucessão informou ao Conselho de Administração que está em andamento uma “avaliação dos requisitos necessários para a investidura nos cargos indicados, bem como, sobre todos os demais procedimentos de governança corporativa, conformidade e integridade necessários ao processo sucessório”. Segundo o Valor Econômico, o Conselho voltará a deliberar sobre o assunto no próximo dia 30. 

PUBLICIDADE

Além disso, o JPMorgan elevou a recomendação para as ações da Petrobras de underweight (exposição abaixo da média) para neutra; o preço-alvo das ações foi elevado de R$ 12,00 para R$ 15,00 e dos ADRs (American Depositary Receipts) foi elevado de US$ 5,80 para US$ 7,40.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 BRKM5 BRASKEM PNA20,68+4,23-20,83
 RUMO3 RUMO LOG ON4,07+3,83-34,78
 KROT3 KROTON ON ED11,32+3,28+19,26
 PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN41,71+2,03-0,33
 BBSE3 BBSEGURIDADEON27,28+1,98+15,99

 

Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes recuaram, com exceção do Bradesco. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 30,15, -0,10%), Bradesco (BBDC3, R$ 26,07, +0,73%; BBDC4, R$ 24,52, +0,29%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 15,98, -5,32%) terminaram o dia em direções diferentes. Juntas, as quatro ações respondem por pouco mais de 20% da participação na carteira teórica do nosso benchmark.

As ações do BB afundaram após Michel Temer falar em extinção do Fundo Soberano e foram para a mínima do dia. Entre o conjunto de medidas para reequilibrar as contas públicas, o presidente interino adiantou que o governo vai sacar os recursos existentes no Fundo Soberano. Esse dinheiro voltará ao Tesouro para também reduzir o endividamento público. 

“Outra coisa que vamos fazer é que há um Fundo Soberano criado na época do pré-sal e que visava a constituir um fundo muito significativo. Em fato das mais variadas circunstâncias, hoje o patrimônio do fundo está paralisado em R$ 2 bilhões. Vamos extinguir e trazer esses R$ 2 bilhões para cobrir o endividamento público”, disse Temer (confira aqui as outras medidas anunciadas nessa manhã). Poucos minutos depois, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que a venda de ações do BB no Fundo será feita de maneira cuidadosa. 

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 BBAS3BRASIL ON EJ15,98-5,37+9,06
 CSNA3SID NACIONALON6,85-5,26+71,25
 FIBR3FIBRIA ON30,39-4,58-40,40
 GGBR4GERDAU PN5,69-3,23+22,37
 CPLE6COPEL PNB23,37-2,99+0,41

 

 

A Vale (VALE3, R$ 14,02, -2,91%; VALE5, R$ 11,35, -1,30%) terminou em queda apesar da alta do minério de ferro. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve alta de 0,27% a US$ 51,36.

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1
 BBAS3BRASIL ON EJ15,98-5,37447,05M
 PETR4PETROBRAS PN8,53+0,35384,33M
 VALE5VALE PNA11,35-1,30229,85M
 ITUB4ITAUUNIBANCOPN30,15-0,10207,69M
 BBDC4BRADESCO PN24,52+0,29148,06M
 CIEL3CIELO ON31,56+0,51147,03M
 BBSE3BBSEGURIDADEON27,28+1,98141,58M
 BRFS3BRF SA ON45,50+1,34138,46M
 ABEV3AMBEV S/A ON18,69+1,36130,90M
 PETR3PETROBRAS ON11,09+0,45107,91M

* – Lote de mil ações 
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
 

 Operação Lava Jato
O dia mais uma vez contou com nova fase da Lava Jato, chamada Vício. A Operação conta com a participação de cerca de 50 policiais federais e dez servidores da Receita, que cumprem 28 mandados de busca e apreensão, dois de prisão preventiva e nove de condução coercitiva nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo. As investigações estão relacionadas ao esquema de corrupção e lavagem de ativos decorrentes de contratos firmados com a Petrobras. “Trata-se da apreciação de vários contratos e correspondentes repasses de valores não devidos entre empresas contratantes da Petrobras, funcionários da estatal e agentes públicos e políticos”, diz nota divulgada pela PF.

PIB da Alemanha
O forte consumo privado e maiores investimentos em construção levaram a uma alta de 0,7% no Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha no primeiro trimestre, mais do que compensando os efeitos do comércio externo mais fraco, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira. Os gastos maiores do governo alemão com refugiados e as taxas de juros muito baixas do Banco Central Europeu (BCE) estão entre os fatores destacados por analistas para explicar a maior expansão trimestral em dois anos da maior economia da Europa. Confirmando a leitura preliminar, a Agência Federal de Estatísticas informou que os gastos do consumidor e o investimento em construção contribuíram cada um com 0,2 ponto percentual para o PIB no período entre janeiro e março.

PUBLICIDADE

Conta corrente
O balanço da conta corrente do Brasil em abril foi de um superávit de US$ 412 milhões contra uma expectativa mediana dos economistas de um déficit de US$ 900 milhões. Em 2016 até abril o balanço das contas brasileiras está em um déficit de US$ 7,2 bilhões, contra o déficit de US$ 31,9 bilhões registrado no mesmo período do ano passado. 

PUBLICIDADE