Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa fecha em queda de 0,62%, pressionado por exterior; dólar recua 0,38%, a R$ 5,34

Mercados internacionais se posicionam com cautela após Walmart diminuir seu guidance e na espera pela publicação do Fomc nesta quarta

Vitor Azevedo

B3 Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo (Germano Lüders/InfoMoney)

Publicidade

O Ibovespa fechou em queda de 0,62% nesta terça-feira (26), ficando em 99.646 pontos. O principal índice da Bolsa brasileira acompanhou, majoritariamente, a movimentação das bolsas internacionais.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones foi o benchmark que menos recuou, caindo 0,72%. S&P 500 e Nasdaq, por sua vez, tiveram baixas de, respectivamente, 1,16% e 1,87%.

“Hoje tivemos um pregão mais pesado. Nos Estados Unidos, as bolsas foram puxadas para baixo pelo setor de varejo, após o Walmart diminuir sua projeção para o segundo trimestre”, comenta Naio Ino, gestor de renda variável da Western Asset. “Além disso, tivemos por lá dados de venda de casas novas mais fracos. Tudo isso não ajuda”, completa.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A perspectiva de menor crescimento econômico chegou a dar algum espaço para uma queda dos treasuries yields no longo prazo – o título com vencimento em dez anos teve sua taxa caindo 1,3 ponto-base. Na ponta curta, porém, o título para dois anos viu sua taxa avançar 2,6 pontos, para 3,061%.

“O mercado de juros ameaçou melhorar pela manhã no cenário internacional. Tivemos fechamento de taxa de juros nos EUA e na Europa, com dados mais fracos de crescimento e também pela questão do gás natural no Velho Continente, que ameaça o crescimento econômico”, diz Dan Kawa, gestor da TAG Investimentos. “Acabou, no entanto, que as taxas lá fora começaram a abrir de novo durante a tarde, com posição de cautela pelo Federal Reserve”.

Amanhã, o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) decide a nova fed funds – com o mercado, majoritariamente, esperando uma alta de 0,75 ponto percentual.

Segundo Kawa, a curva de juros do Brasil acompanhou em parte a movimentação vista no exterior mas, também, foi influenciada pela análise do IPCA-15, após uma análise mais estruturada. “O número cheio veio abaixo das expectativas, mas no qualitativo foi negativo. Os núcleos vieram ainda altos, bem como a difusão e a inflação de serviços. Isso, em um nível de taxa de juros como estamos, preocupa”, explica.

A curva de juros brasileira também fechou mista. Na ponta curta, os DIs para 2023 e 2025 tiveram suas taxas subindo cinco pontos-base e um ponto-base, respectivamente, para 13,89% e 13,20%. Na ponta longa, os DIs para 2029 e 2031 viram seus rendimentos recuarem um ponto-base, ambos, para 13,28% e 13,29%.

Entre as maiores quedas do Brasil, ficaram também companhias ligadas ao varejo e ao mercado interno. As ações ordinárias da Qualicorp (QUAL3) recuaram 8,10%, as da Magazine Luiza (MGLU3), 6,45%, e as da Via (VIIA3), 6,35%.

“O Ibovespa caiu sofrendo, na linha do exterior, com as piores quedas ligadas também a consumo e à tech. É difícil fazer uma associação direta, mas são nomes que andaram bem na semana passada e que estão voláteis. Acho, porém, que pode ter algum impacto lá de fora”, diz o gestor da Western.

No câmbio, porém, a movimentação no Brasil foi diferente – enquanto o dólar ganhou força frente a seus pares internacionais, com o DXY subindo 0,70%, ele recuou 0,38% frente o real, a R$ 5,349 na compra e na venda.

As maiores altas do índice ficaram para os papéis ordinários da JBS (JBSS3), com mais 2,97%, do IRB (IRBR3), com ganhos de 1,59% e da Petrobras (PETR3), que subiu 1,44%.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.