Bolsa

Ibovespa engata queda pressionado por blue chips e perde os 108 mil pontos

Mercado opera em compasso de espera antes das decisões de juros do Federal Reserve e do Copom na "super-quarta"

(Divulgação)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa engata queda após um início de pregão de estabilidade nesta terça-feira (29). A queda de 2% do petróleo lá fora impacta a Petrobras, que vê suas ações se desvalorizarem perto de 1%.

Outro destaque é a nova derrota do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em convocar novas eleições.

Por outro lado, nem tudo é negativo, já que existe a possibilidade de que os Estados Unidos estendam a isenção tarifária sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses, prevista para acabar em dezembro.

Aprenda a investir na bolsa

Por aqui, o ministro da Economia, Paulo Guedes, prepara um plano em cinco frentes como pauta pós-Previdência: reforma administrativa, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, PEC DDD – que pretende desindexar, desvincular e desobrigar gastos do orçamento – Pacto Federativo e programa de ajuda aos Estados.

Às 10h23 (horário de Brasília) o principal índice da B3 tinha baixa de 0,57% a 107.571 pontos. O dólar comercial registra leve variação positiva de 0,05% a R$ 3,9914 na compra e a R$ 3,9937 na venda. O dólar futuro para novembro tem leve alta de 0,03% a R$ 3,9925.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 recua três pontos-base a 4,38% e o DI para janeiro de 2023 tem baixa também de três pontos-base a 5,36%.

Hoje começam as reuniões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) nos EUA e do Comitê de Política Monetária (Copom) aqui no Brasil. Espera-se que ambos reduzam as taxas de juros amanhã.

Na agenda, lá fora, saem dados de vendas de imóveis nos EUA e confiança do consumidor, enquanto por aqui saem sondagem da indústria e relatório da dívida pública.

No Corporativo, no exterior, serão divulgados os balanços de General Motors, Mastercard, Kellogg, Merck e Pfizer. No Brasil, destaque para Magazine Luiza, Cielo e Duratex.

Noticiário Corporativo

PUBLICIDADE

O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara dos Deputados que investiga a tragédia em Brumadinho (MG) propôs no parecer o indiciamento das empresas Vale (VALE3), TÜV SÜD e de mais 22 pessoas. Hoje, está prevista sessão que vai discutir o parecer.

A CCR (CCRO3) teve lucro líquido de R$ 340,2 milhões no terceiro trimestre, montante 6,9% inferior que o reportado um ano antes. A empresa informou que, em bases comparáveis, o lucro atingiu R$ 352,1 milhões, retração de 3%.

A B2W (BTOW3), controladora de sites como Americanas.com, Submarino e Shoptime, fechou parceria com a Centauro para lançar uma plataforma de venda online de artigos esportivos. Em comunicado, a B2W afirma que vai vender artigos oferecidos pela Centauro em suas páginas na categoria Esportes.

A partir de terça (29), as companhias vão lançar o site Centauro by Americanas.com, que vai contar, segundo a B2W, como marcas e produtos que antes só eram encontrados em sites especializados. O consumidor poderá comprar os artigos e retirar nas lojas físicas da Centauro. E para os endereços próximos das lojas físicas, haverá a opção de entrega expressa.

A BRF (BRFS3) informou que irá investir US$ 120 milhões em uma unidade de processamento de produtos de frango na Arábia Saudita. Segundo comunicado ao mercado, um Memorando de Entendimentos (MOU) foi assinado com a Saudi Arabian General Investment Authority (SAGIA), em caráter não-vinculante, contemplando a construção e operação, pela BRF, da planta.

A companhia destacou que o investimento irá possibilitar a expansão e a consolidação no mercado saudita. “O portfólio de produtos da nova fábrica incluirá empanados, marinados, hambúrgueres e outros. Os produtos serão destinados majoritariamente ao mercado saudita, mas também poderão ser exportados para outros países na região”, afirmou a BRF.

(Com Agência Estado, Agência Brasil, e Bloomberg)

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

PUBLICIDADE