Bolsa

Ibovespa opera entre perdas e ganhos com alta de bancos ofuscada por blue chips de commodities; dólar sobe a R$ 5,79

Mercado demonstra apreensão com ressurgimento do vírus na Coreia do Sul e aceleração dos casos na Alemanha após flexibilização da quarentena

Ações Bolsa
(Carl Court/Getty Images)

SÃO PAULO – O Ibovespa opera entre perdas e ganhos com bastante volatilidade nesta segunda-feira (11) em meio a uma alta das ações de bancos – que correspondem a quase 20% da composição da carteira teórica do índice – ofuscada pela queda de Vale (-1,39%) e Petrobras (-0,65%). A petroleira chegou a registrar ganhos durante boa parte do pregão, mas virou para o negativo junto com o petróleo.

A commodity subiu pela manhã com notícia de que a Arábia Saudita irá promover cortes adicionais na produção para impedir uma desvalorização maior nos preços. Neste momento, o barril do Brent recua 3,33% a US$ 29,94 e o barril do WTI tem queda de 1,37% a US$ 24,40.

Lá fora, ações do setor de tecnologia ajudam o índice S&P 500 a reverter as perdas do início da sessão e subir 0,15%. Mais cedo, as bolsas americanas caíam em meio a preocupações de que o coronavírus ressurja em países como a Coreia do Sul, algo que prejudica os planos de reabertura econômica mesmo dos países que já passaram pelo pico da pandemia. Na Alemanha, a disseminação da Covid-19 voltou a se acelerar e ontem foram registrados 667 novos casos.

PUBLICIDADE

Não obstante, na Grã-Bretanha, funcionários que não podem trabalhar em home office foram instruídos a voltar hoje às empresas, mas evitando, se possível, o transporte público. As viagens de carro passaram a ser permitidas entre cidades. As escolas só reabrirão em 1º de junho. Na França, as medidas de reabertura são mais ousadas, com a maioria do comércio e dos serviços, como as barbearias, reabrindo hoje, informa a CNBC.

Por aqui, o mercado aguarda a confirmação do veto presidencial à ampliação das categorias de servidores públicos que continuarão a receber reajustes de salários apesar da crise. A medida foi aprovada no Congresso como contrapartida à ajuda do governo aos estados.

Às 13h47 (horário de Brasília) o Ibovespa tinha leve alta de 0,07% a 80.322 pontos. Já o dólar futuro para junho registra ganhos de 0,83% a R$ 5,798. O dólar comercial sobe 0,92%, a R$ 5,7911 na compra e R$ 5,7926 na venda.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 sobe cinco pontos-base a 3,29%, o DI para janeiro de 2023 avança sete pontos-base a 4,48% e o DI para janeiro de 2025 tem alta de sete pontos-base a 6,47%.

Entre os indicadores, o Relatório Focus do Banco Central mostrou que os economistas do mercado financeiro agora esperam uma contração de 4,11% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020. Na semana passada, a projeção era de uma queda de 3,76%. Já para 2021, as expectativas foram mantidas em crescimento de 3,2%.

A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), por sua vez, foi reduzida de 1,97% para 1,76% em 2020 e cortada também de 3,3% para 3,25% em 2021.

PUBLICIDADE

Também destaca-se no Focus a manutenção das estimativas para o dólar em R$ 5,00 para 2020 e elevação de R$ 4,75 para R$ 4,83 para 2021. Por fim, a expectativa para a taxa básica de juros, Selic, caiu de 2,75% para 2,50% ao ano em 2020 e de 3,75% para 3,50% ao ano em 2021.

Ainda no radar, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que se houver uma depressão econômica, o governo irá “chuveirar dinheiro na economia inteira. “Segundo o ministro, o Banco Central “está em transição, fazendo experimento, saindo do cercadinho convencional daqui até o fim do ano” e, por isso, governo pediu, na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do orçamento de guerra, para aumentar as possibilidade de atuação do BC.

“Se a recessão virar depressão pelo menos já estamos no meio do caminho”, afirmou Guedes, que disse não vislumbrar aumento de impostos após matéria do Globo citar que há estudo para volta da CPMF.

Política

A semana será decisiva para que a Procuradoria Geral da República defina se denunciará ou não o presidente Jair Bolsonaro por corrupção passiva privilegiada, obstrução da Justiça e advocacia administrativa, informa o jornal Folha de S. Paulo. O presidente é investigado por tentativa de interferência na autonomia da Polícia Federal.

O inquérito que investiga as acusações do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, tomará depoimentos de Alexandre Ramagem, que Bolsonaro tentou levar para o comando da PF; três ministros de Estado; seis delegados; e uma deputada federal que trocou mensagens de aplicativo com Moro. Além disto, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) pode decidir pela divulgação de um vídeo polêmico de uma reunião ministerial, na qual o presidente teria ameaçado Moro de demissão se o então ministro não trocasse a cúpula da Polícia Federal.

Em caso de denúncia formal pela PGR, a Câmara dos Deputados deverá votar pelo prosseguimento ou não das investigações. Se votar pelo prosseguimento, o presidente deve ser afastado do cargo por até 180 dias. Questionado ontem sobre um possível, embora ainda improvável, impeachment, o presidente disse que só sairá do cargo em 1º de janeiro de 2027.

Atenção ainda para a expectativa pela possível confirmação do veto presidencial à ampliação das categorias de servidores isentos da proibição de reajustes como contrapartida à ajuda aos estados, que pode sair hoje segundo os jornais.

Pandemia 

Em São Paulo, começa nesta segunda-feira um rodízio de veículos, no qual em dias ímpares, só podem circular automóveis com placas ímpares, e nos dias pares, só carros com chapas pares. A medida do prefeito Bruno Covas (PSDB) é mais uma tentativa para aumentar o isolamento social e conter o alastramento da epidemia da Covid-19.

PUBLICIDADE

No Rio de Janeiro, estudo mostrou que o coronavírus já chegou a 93% dos municípios do Estado, muito acima da média de São Paulo (62%) e Minas Gerais (25%), informa o jornal O Globo. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recomenda o lockdown para o Estado. Na manhã de hoje, o Brasil tinha 162.699 casos confirmados e 11.123 mortes pela Covid-19.

Noticiário corporativo 

A BRF informou que teve prejuízo de R$ 38 milhões no 1º trimestre deste ano. A empresa pagou R$ 204 milhões para encerrar uma ação judicial nos Estados Unidos e sofreu os efeitos da variação cambial no período, o que afetou a lucratividade. Mesmo com os efeitos adversos, a empresa teve expansão de 21% na receita líquida, para R$ 8,9 bilhões. Apesar da epidemia da Covid-19, a BRF aumentou as exportações de carnes de aves para a China e a Turquia. Enquanto isso, a M.Dias Branco lucrou R$ 137 milhões no primeiro trimestre de 2020.

Já o Grupo Notre Dame Intermédica (GNDI) comunicou que encerrou seu programa de recompra de ações, após ter comprado na B3 pouco mais de 3,3 milhões de ações ordinárias. A Centauro, por sua vez, prepara follow-on de cerca de R$ 500 milhões, segundo o Valor.

(Com Agência Brasil e Agência Estado)

Quer viver do mercado financeiro ou ter renda extra? Experimente de graça o curso do Wilson Neto, um dos melhores scalpers do Brasil