Bolsa

Ibovespa cai com decisão do STF ofuscando delação de Odebrecht; DIs caem com IPCA

Mercado registra perdas seguindo o movimento da última terça, mostrando perda de força compradora após rali recente

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa abre em queda nesta quarta-feira (23) seguindo as perdas do último pregão em meio à indefinição política. No radar, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Teori Zavascki, decidiu que o processo sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva saia das mãos de Sérgio Moro e retorne à nossa corte constitucional e tribunal de última instância. A delação premiada de executivos da Odebrecht também deve fazer preço no mercado. Lá fora, as bolsas europeias e os futuros dos índices norte-americanos operam em leves altas.

Às 10h22 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira caía 1,31%, a 50.340 pontos. Já o dólar comercial tem alta de 0,90% a R$ 3,6331 na venda, enquanto o dólar futuro para abril sobe 1,60% a R$ 3,644. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 tem queda de 4 pontos-base a 13,68%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 registrou alta de 13 pontos-base a 13,75%.

Ações em destaque
Em meio à queda do preço do petróleo à espera dos dados de estoque dos EUA, as ações da Petrobras (PETR3, R$ 10,20, -2,67%; PETR4, R$ 7,92, -2,34%) registram baixa. O WTI (West Texas Intermediate) registrava baixa de 1,91%, a US$ 40,66 o barril, enquanto o brent tinha queda de 1,53%, a US$ 41,86. Destaque ainda para o noticiário da estatal: a companhia informou que negocia com CCEE para regularizar passivos. Destaque ainda para a notícia do Valor de que a BR Distribuidora só interessa a investidor se Petrobras vender controle.

Por fim, a estatal decidiu recorrer ao STF contra duas leis criadas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro, em dezembro. As leis ampliam a carga tributária no setor de óleo e gás, com cobrança de ICMS e taxas de fiscalização. A estatal argumenta que as leis não têm sustentação jurídica. Outras seis petroleiras multinacionais conseguiram, na última segunda-feira, liminares na Justiça do Rio suspendendo as cobranças.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 USIM5 USIMINAS PNA ES1,83-4,69
 RUMO3 RUMO LOG ON3,29-4,64
 BBAS3 BRASIL ON EJ19,79-2,99
 CPLE6 COPEL PNB28,79-2,90
 SMLE3 SMILES ON37,79-2,85

 

 

Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes caem, prejudicados pelo cenário político, que diminui a probabilidade de uma troca de governo que significasse uma mudança na condução da política econômica rumo à ortodoxia. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 31,81, -1,67%), Bradesco (BBDC3, R$ 30,58, -2,05%; BBDC4, R$ 27,17, -1,74%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 19,74, -3,24%) recuam. Juntas, as quatro ações respondem por pouco mais de 20% da participação na carteira teórica do nosso benchmark.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 JBSS3JBS ON11,33+1,61-8,261,92M
 SUZB5SUZANO PAPELPNA14,06+0,86-24,772,77M
 FIBR3FIBRIA ON34,45+0,44-33,612,70M
 KLBN11KLABIN S/A UNT N221,75+0,09-7,25468,52K

PUBLICIDADE

 

Já a Vale (VALE3, R$ 15,18, -1,62%; VALE5, R$ 11,13, -1,50%) vai na mesma direção do minério de ferro. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve queda de 0,84% a US$ 57,87.

Delcídio (não) fala no Senado
O evento que estava programado das declarações do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) no Conselho de Ética do Senado, foi cancelado após Amaral estender seu período de licença.

Odebrecht decide fazer delação premiada
A empreiteira Odebrecht, investigada na Operação Lava Jato, informou ontem (22) que decidiu colaborar de forma “definitiva” com a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF), que cuida das investigações. Os executivos da empresa deverão fazer acordos de delação premiada, incluindo o presidente afastado Marcelo Odebrecht. 

Decisão de Teori
O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no STF, determinou ontem que o juiz da 13ª Vara de Federal de Curitiba, Sérgio Moro, responsável pelos inquéritos da operação na primeira instância, envie ao STF, imediatamente, todas as investigações que envolvam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Armínio e Meirelles?
Se a presidente Dilma Rousseff sofrer o impeachment e o vice Michel Temer assumir o governo, os nomes preferidos para o Ministério da Fazenda são de Armínio Fraga e Henrique Meirelles, segundo informações da Folha de S. Paulo. De acordo com o jornal, apesar de negar publicamente, o grupo de aliados de Temer avalia os nomes para ocupar a área econômica, sensível no atual quadro de recessão. Temer e aliados estariam estudando a ideia de ter na Fazenda um nome com prestígio entre investidores do mercado financeiro e empresários, sendo capaz de ajudar o governo de transição a vender-se como produto de consenso de vários partidos. A ressalva é que o futuro ministro não possa ser ninguém com pretensões de ser candidato em 2018.

IPCA-15
Saindo às 9h desta quarta, o dado de inflação oficial medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) teve um avanço de 0,43%, contra 0,58% de alta esperado para março, segundo a mediana das expectativas dos economistas pesquisados pela LCA Consultores. No período imediatamente anterior, o avanço foi de 1,42%.

PME
Também hoje às 9h, saiu a PME (Pesquisa Mensal do Emprego) de fevereiro apurada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostrando um aumento do desemprego para 8,2%. A estimativa da LCA Consultores, é de que o desemprego subisse de 7,6% para 7,9%.

Especiais InfoMoney:

PUBLICIDADE

As novidades na Carteira InfoMoney para março

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa