Bolsa

Ibovespa cai 3% e perde os 80 mil pontos com tensão externa e política; dólar salta mais de 2% e supera R$ 5,57

Índice perde o nível dos 80 mil pontos acompanhando clima de maior tensão no exterior desde o fim da semana passada

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa opera em queda nesta segunda-feira (4) acompanhando o aumento da tensão entre Estados Unidos e China, que pesa para as bolsas no exterior, além do clima político nacional, que piorou nos últimos dias.

Além disso, o índice brasileiro tem sessão de ajuste pela forte queda dos mercados na sexta-feira passada, quando a B3 estava fechada. Na ocasião, o principais índice de ADRs brasileiros, o Dow Jones Brazil Titans 20, caiu mais de 4%.

O presidente americano Donald Trump acusou a China de esconder a epidemia do coronavírus para armazenar suprimentos médicos e equipamentos para combater a doença, enquanto o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou existirem “fortes evidências” de que a Covid-19 foi criado em um laboratório em Wuhan.

Aprenda a investir na bolsa

As declarações de Pompeo contrastam com informações da inteligência americana, que na semana passada afirmou que a Covid-19 é natural e não foi desenvolvida pela biotecnologia.

Às 12h30 o benchmark da bolsa tinha queda de 3,21%, aos 77.921 pontos, enquanto o dólar comercial sobe 2,51%, cotado a R$ 5,5728 na compra e R$ 5,5743 na venda. O dólar futuro para junho registrava alta de 1,64%, para R$ 5,585.

Já no mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 sobe 13 pontos-base em 3,75%, enquanto o DI para janeiro de 2023 tem alta de 18 pontos, para 4,99%. O contrato para janeiro de 2025 avança 19 pontos-base a 6,74%.

No exterior, os índices Dow Jones e S&P 500 têm queda entre 0,5% e 1%, ao passo que o Nasdaq tem leve alta.

Enquanto isso, as bolsas na Europa caem mais de 3% após ficarem fechadas com o feriado também. A exceção fica com o Reino Unido, que abriu na sexta e hoje a bolsa fica próxima da estabilidade. Já na Ásia, é feriado na China e Japão, mas Hong Kong fechou com queda de 4,18%.

Ainda em destaque, os investidores também estão avaliando os esforços dos países que estão começando a diminuir o isolamento em meio ao medo de uma segunda onda da pandemia do coronavírus.

PUBLICIDADE

Na Itália, 4,4 milhões de pessoas voltam hoje ao trabalho na chamada “fase 2” da reabertura da economia, das quais 2,8 milhões no Norte do país europeu.

Relatório Focus

O mercado financeiro voltou a rever suas projeções para a Selic. Segundo o relatório Focus divulgado hoje, é esperado um corte dos juros básicos de meio ponto percentual no Copom desta semana, levando a Selic dos atuais 3,75% para 3,25% ao ano.

Na próxima reunião, em junho, a expectativa é de novo corte, também de meio ponto percentual, que deve levar a taxa para 2,75% ao ano – permanecendo neste patamar até dezembro. Anteriormente, o levantamento mostrava uma expectativa de a Selic encerrar o ano em 3,00%.

A mediana das projeções para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro caiu pela 12ª vez consecutiva, englobando uma visão ainda mais pessimista neste ano. Agora, os economistas veem contração da economia brasileira de 3,76% em 2020, ante expectativa anterior de retração de 3,34%.

Já em 2021, o mercado espera que a atividade cresça 3,20%, acima da expectativa anterior, de expansão de 3,00%.

Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a projeção de alta ainda foi cortada pela oitava vez consecutiva, desta vez de 2,20% para 1,97%, em 2020. Também houve ajuste na projeção para a inflação de 2021, de 3,40% para 3,30%.

No que tange às previsões para o mercado cambial, o relatório Focus revelou que a estimativa para o dólar teve alta de R$ 4,80 para R$ 5,00 neste ano, enquanto a expectativa para 2021 teve alta de R$ 4,55 para R$ 4,75.

Política 

O presidente Jair Bolsonaro esteve ontem em uma manifestação em Brasília (DF), na qual alguns milhares de partidários de extrema direita voltaram a pedir o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF), do Congresso e até um golpe militar. Os manifestantes também criticaram o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, chamado no sábado de “Judas” por Bolsonaro.

PUBLICIDADE

Da rampa do Palácio do Planalto, Bolsonaro disse que chegou “ao limite” e não tolerará mais interferências dos outros dois poderes da República. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) rechaçou as declarações, bem como os ministros do STF, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Na manifestação, militantes de extrema-direita agrediram um jornalista e um motorista do jornal O Estado de S. Paulo. Segundo o jornal O Globo, a Procuradoria-geral da República investigará o caráter antidemocrático da manifestação.

Ainda no radar político, a Câmara dos Deputados deve votar nesta segunda, em sessão virtual marcada para as 11h, a proposta de auxílio financeiro a estados e municípios para combate aos efeitos da pandemia da covid-19. Ao todo, serão destinados R$ 125 bilhões, incluindo repasses diretos e suspensão de dívidas.

O Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/2020) foi aprovado na noite de sábado (2) pelo Senado, na forma de um substitutivo apresentado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Por ser um texto diferente do aprovado pelos deputados, a matéria retorna para nova análise. Se aprovada sem alterações, a primeira parcela do pagamento do auxílio emergencial aos estados, municípios e ao Distrito Federal está prevista para 15 de maio. Veja mais clicando aqui. 

Pandemia 

O Brasil tornou-se ontem o nono país a passar a marca dos 100 mil infectados pelo coronavírus, segundo dados do Ministério da Saúde, com 101.147 casos confirmados e 7.025 mortes pela doença. São Paulo é o estado mais atingido, com 31.772 casos confirmados e 2.627 mortes. O Rio de Janeiro tem 11.139 casos com 1.010 mortes. Apenas do sábado para domingo, foram confirmados 4.588 novos casos no Brasil e 275 mortes.

Noticiário corporativo 

O Itaú Unibanco, maior banco privado do país, e a Gol Linhas Aéreas, divulgam resultados do 1º trimestre nesta segunda-feira. A Enel São Paulo, maior distribuidora de energia elétrica do país, divulgou resultados do 1º trimestre e informou lucro líquido de R$ 115,2 milhões – um crescimento de 124,8% sobre igual período de 2019.

No geral, os resultados financeiros da distribuidora melhoraram, mas a quantidade de energia elétrica fornecida caiu, segundo a empresa, porque fez pouco calor no verão e a epidemia do coronavírus reduziu as compras da indústria e comércio em março. Em outra notícia, a operadora logística e de fretes marítimos Log-In informou que recebeu seu navio contêiner Endurance, que entrou em operação em 1º de maio.

(Com Agência Brasil)

Quer viver do mercado financeiro ou ter renda extra? Experimente de graça o curso do Wilson Neto, um dos melhores scalpers do Brasil

PUBLICIDADE