Comentário diário

Ibovespa cai 3% e perde os 57 mil pontos em dia de “pânico” nas commodities

Mercado registra queda em dia de forte baixa do petróleo e do minério de ferro, mas analistas veem oportunidade de compra

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou em queda nesta terça-feira (13), pressionado pelo recuo das commodities e das ações ligadas a elas no mundo todo. Um relatório da AIE (Agência Internacional de Energia) reduziu previsões de demanda global por petróleo em 2016 e 2017 por conta de uma demanda “cambaleante” da Ásia e começou a onda de quedas. Com essa baixa, a Bolsa devolveu todos os ganhos da sessão de ontem, na qual subiu impulsionada pelo discurso da diretora do Federal Reserve, Lael Brainard, que foi contra as falas recentes de alguns colegas na autoridade monetária e recomendou cautela antes de um aumento dos juros nos Estados Unidos.  

O benchmark da bolsa brasileira caiu 3,01%, a 56.821 pontos. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 8,126 bilhões. O desempenho do Ibovespa foi parecido com o dos índices norte-americanos. O Dow Jones fechou em queda de 1,41% a 18.067 pontos e o S&P 500 terminou a sessão com perdas da ordem de 1,48% a 2.127 pontos. 

Já o dólar comercial apresentou ganhos de 2,09% a R$ 3,3157 na compra e a R$ 3,3168 na venda, enquanto que o dólar futuro para outubro tem alta de 2,05% a R$ 3,330 no after-market. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2018 sobe 15 pontos-base a 12,68%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 registra ganhos de 26 pontos-base a 12,24%, também no after-market. 

Entre as commodities, o petróleo caiu 2,94% a US$ 44,93 o barril do WTI (West Texas Intermediate) e 2,52% a US$ 47,58 o contrato futuro para dezembro do barril do Brent. Já o minério de ferro spot com de pureza e entrega no porto de Qingdao caiu 2,92% a US$ 56,09 a tonelada seca. 

Reversão de tendência? Nada disso
Apesar das quedas recentes terem levado o Ibovespa a perder os 57 mil pontos, analistas dizem que não veem no cenário uma reversão da alta que levou o benchmark aos 60 mil pontos recentemente. 

Segundo Álvaro Bandeira, economista-chefe do home broker da Modalmais, não dá para falar que a forte queda da Bolsa hoje, conjugada ao recuo de 3,7% na sexta passada, sinalizem uma reversão de tendência. “É um momento de estresse. O que realmente derruba o mercado hoje é aquele relatório da AIE, que detonou o petróleo e derruba empresas do setor de Óleo e Gás, além de outros setores que estão expostos a ele”, explica o economista.

Além disso, na sua avaliação, o discurso de Lael Brainard foi bom para o mercado, mas não se deve esquecer que o tom mais ‘hawkish’ (agressivo no sentido de subir juros) do vice-presidente do Fed, Stanley Fischer e do presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, ainda permitem apostas em alta dos juros em setembro, sendo que agora começou o período de silêncio até a reunião de política monetária. “Sem os discursos de membros do Fed, a especulação agora virá toda em cima de indicadores de atividade dos EUA”, afirma o Bandeira. 

Indo na mesma linha, o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Plácido, disse que o momento atual é de estresse temporário puxado por ações ligadas a commodities. “É uma aversão a risco bem próxima da reunião do Fed. Acho que são muitas incertezas e em geral estamos mais impactados pelo cenário externo do que pelo interno”, explica. 

A importante consequência disso, segundo ele, é que alguns gestores já falam em comprar os ativos que caíram muito nos últimos dias para ganhar com a valorização quando toda a turbulência do Fed passar. “Não acreditamos em elevação das taxas por lá na próxima semana, então a Bolsa provavelmente vai retomar as altas após a decisão”, avalia Plácido. 

PUBLICIDADE

Ações em destaque
Na Câmara, a votação do projeto de lei que libera a Petrobras (PETR3, R$ 14,81, -7,61%; PETR4, R$ 13,01, -6,74%) da obrigatoriedade de participação em todos os consórcios que exploram petróleo no pré-sal foi adiada, o que contribuiu para a forte queda dos papéis da companhia. 

Ainda no noticiário da estatal, O Estado de S. Paulo destaca em matéria desta terça-feira que o CEO da Petrobras, Pedro Parente, mira na Ambev (ABEV3) para projetar o que será a estatal depois de virada a página da sua maior crise. O modelo de gestão da gigante multinacional de bebidas está na base das metas e planos de ação que a petroleira adotará nos próximos cinco anos. As diretrizes do novo plano de negócios serão discutidas pelo conselho de administração da petroleira na próxima segunda-feira, segundo comunicado da estatal divulgado na última segunda-feira, 12.

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 GGBR4 GERDAU PN8,65-8,76+86,60
 GOAU4 GERDAU MET PN3,80-8,43+128,92
 USIM5 USIMINAS PNA3,59-7,71+131,61
 PETR3 PETROBRAS ON14,81-7,61+72,81
 CSNA3 SID NACIONALON8,14-7,39+103,50

 

 

 

Quem também caiu foi a mineradora Vale (VALE3, R$ 16,27, -6,98%; VALE5, R$ 13,82, -6,94%). Em entrevista realizada em Londres, o diretor de relações com investidores, Peter Poppinga, afirmou que a mineradora pretende reiniciar operações da Samarco até o fim de 2017; ele ainda destacou que a Vale pretende ter maior visão sobre dividendo até outubro. Para ele, o preço do minério de ferro ficará acima de US$ 50 a tonelada e será negociado entre US$ 50 e US$ 60 a tonelada métrica no próximo ano. O diretor de RI ainda ressaltou que o IPO da unidade de metais básicos segue fora de discussão.

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 FIBR3FIBRIA ON24,05+1,91-52,83
 EMBR3EMBRAER ON15,87+1,21-47,22
 JBSS3JBS ON11,72+0,86-0,65
 SUZB5SUZANO PAPELPNA10,64+0,66-41,83
 ENBR3ENERGIAS BR ON13,81+0,36+20,77

PUBLICIDADE

 

 

 

Entre as altas estiveram as exportadoras de papel e celulose. Fibria (FIBR3, R$ 24,04, +1,86%) e Suzano (SUZB5, R$ 10,64, +0,66%) fecharam com ganhos por conta do desempenho positivo do dólar. Por possuírem suas receitas na moeda norte-americana, essas empresas têm as suas rentabilidades aumentadas quando há valorização da divisa dos EUA ante o real.

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1
 PETR4PETROBRAS PN13,01-6,74851,24M
 ITUB4ITAUUNIBANCOPN ED35,00-1,99601,56M
 BBDC4BRADESCO PN EJ27,62-4,16454,18M
 VALE5VALE PNA13,82-6,94348,27M
 BVMF3BMFBOVESPA ON16,40-3,36302,62M
 ABEV3AMBEV S/A ON19,42-1,67284,08M
 ITSA4ITAUSA PN ED8,33-0,48241,21M
 GGBR4GERDAU PN8,65-8,76230,13M
 PETR3PETROBRAS ON14,81-7,61203,87M
 BBAS3BRASIL ON EJ22,01-3,64199,16M

* – Lote de mil ações 
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
 

Concessões
O governo Michel Temer realizou hoje a primeira reunião do PPI (Programa de Parceria de Investimentos) com o lançamento do projeto “Crescer – construindo um Brasil de oportunidades”. De acordo com documento distribuído antes da reunião entre ministros com Temer, o projeto busca reerguer a segurança jurídica e dar estabilidade regulatória, “além de modernizar a governança para criar o ambiente propício à concretização dos investimentos privados”.

Os primeiros projetos a sair do papel deverão ser as concessões dos aeroportos de Porto Alegre, Salvador, Florianópolis e Fortaleza, que terão edital publicado no quarto trimestre deste ano e leilão no primeiro trimestre do ano que vem. Também está previsto para este ano o edital para a concessão dos terminais de combustíveis de Santarém (PA) e do terminal de trigo do Rio de Janeiro. No total, O governo Michel Temer anunciou a concessão ou venda de 25 projetos nas áreas de energia, aeroportos, rodovias, portos, ferrovias e mineração.

PUBLICIDADE

Já para o ano que vem, devem ser lançados os editais de cinco trechos rodoviários, entre eles as BRs 364 e 365, entre Goiás e Minas Gerais; as BRs-101, 116, 290 e 386, no Rio Grande do Sul. Também estão na lista de concessões para o ano que vem a ferrovia Norte-Sul, que passará por São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Tocantins, a chamada Ferrogrão, que integrará o Mato Grosso e o Pará e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), na Bahia.

Vendas no Varejo
Também no Brasil, o IBGE divulgou as vendas no varejo relativas a julho, que caíram 0,3%, em linha com a mediana das expectativas dos economistas. Na comparação anual, a queda nas vendas no varejo foi de 5,3%, ante estimativas de recuo de 5%. 

Cassação de Cunha
Destaque ainda para Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que teve o mandato cassado por 450 votos a 10 na madrugada desta terça-feira. Em entrevista coletiva após a cassação, ele responsabilizou o governo do presidente Michel Temer pelo resultado da votação. O peemedebista negou ainda que tenha a intenção de fazer delação premiada, mas prometeu escrever um livro relatando todos os diálogos que teve durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Apesar do discurso oficial, notícias apuradas pelo Estado de S. Paulo dão conta de que Cunha disse a amigos que pode “derrubar o governo”, queixando-se de ter sido “abandonado”. Ele teria feito chegar ao Planalto que está disposto a envolver o ministro da Secretaria-Executiva o Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, em denúncias de irregularidades na Caixa. 

Dados da China
Também no radar ficam os dados da China. Ontem à noite, saíram os dados de produção industrial e de vendas no varejo na China relativos a agosto. O primeiro teve avanço de 6,3%, contra expectativas de alta de 6,2%. Já o segundo mostrou uma expansão de 10,6%, contra estimativas de alta de 10,2%.