Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa cai 1,08% e fecha abaixo dos 127 mil pontos, em dia de realização e recuo das commodities

Segundo especialistas, mercado aguarda a publicação do Payroll, marcada para a próxima sexta-feira

Vitor Azevedo

Publicidade

O Ibovespa fechou em queda de 1,08% nesta segunda-feira (4), aos 126.802 pontos, seguindo a movimentação das Bolsas no exterior, em um dia marcado pela realização de lucros.

“Com a agenda fraca no dia de hoje, mercados aproveitaram para realizar um pouco dos lucros acumulados nas últimas semanas”, fala Leandro Petrokas, diretor de research, mestre em finanças e sócio da Quantzed. “Agora, investidores ficarão na expectativa dos dados de emprego nos EUA, que serão divulgados na sexta-feira, bem como o mercado local acompanhará os dados do PIB (terça-feira) e dados fiscais (superávit orçamentário e relação dívida/PIB na quarta-feira)”, acrescenta.

Em Nova York, Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq caíram, respectivamente, 0,11%, 0,54% e 0,84%. Por lá, os treasuries yields também tiveram um leve repique para cima, com mais 3,5 pontos-base, a 4,259%.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Petrokas destaca ainda que o dia, além de realização, foi marcado por um movimento de risk off no exterior, o que puxou os juros, tanto lá fora quanto aqui para cima. Os DIs para 2025 ganharam 2,5 pontos-base, a 10,32%, e os para 2027, oito pontos, a 10,14%. As taxas dos contratos para 2029 subiram seis pontos, a 10,58%, e os para 2031, nove pontos, a 10,84%.

O dólar, por conta disso, também se valorizou. Frente ao real, a alta foi de 1,39%, a R$ 4,948 na compra e a R$ 4,949 na venda.

“Após o rali das últimas semanas, o Ibovespa realizou os ganhos recentes sob o pano de fundo de maior aversão ao risco a partir do repique dos yields dos Treasuries, além da queda das commodities, que pressiona o índice diante do grande peso das companhias ligadas ao setor”, explica Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos.

As ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3;PETR4) perderam, respectivamente, 1,96% e 2,13%. Já as ordinárias da Vale (VALE3), 2,43%.

“Petrobras e Vale acompanharam a queda das suas commodities de referências, refletindo o ceticismo do efeito dos cortes da Opep+ sobre o preço do petróleo, enquanto o minério de ferro caiu com o aumento dos estoques antes do inverno na China”, fala Nishimura. O barril de petróleo Brent caiu 0,81%, a US$ 78,24, e a tonelada de minério de ferro, em Dalian, recuou 1,22%, a US$ 135,34.

Dentre as poucas altas, o especialista destaca as ações da Embraer (EMBR3), que ganharam mais 0,70%. Elas, segundo ele, reagiram positivamente ao pedido da canadense Porter Airlines de 25 jatos E195-E2, feito na semana passada, e a vitória da companhia no processo de licitação na Coreia do Sul para fornecer C-390 Millenium.

“Já entre as principais altas, temos papeis como o da Marfrig. Temos a virada de ciclo do boi como principal driver macro para o setor, o que vem favorecendo nomes como o dela e o da JBS (JBSS3) nas últimas semanas”, acrescenta Petrokas.