Bolsa

Ibovespa cai 0,6% com exterior ofuscando impeachment após série de “viradas”

Mercado reflete decisão no Senado, especulações sobre equipe ministerial de Temer e pessimismo internacional

Painel de vendas de ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira (11), dia de extrema e absoluta volatilidade. Após abrir em alta e chegar a subir 1,7%, a Bolsa virou para queda, caindo 900 pontos em poucos minutos até cair 0,14%. Das 11h10 (horário de Brasília) às 11h40, o índice voltou a subir, avançando até 0,7%, só para depois amenizar novamente e virar para queda. No cenário macro, o mercado acompanha nervosamente a votação do impeachment no Senado, mas também se preocupa com a queda das bolsas nos Estados Unidos. Os índices Dow Jones e S&P 500 caíram respectivamente 1,21% e 0,96%.  

Falando no doméstico, o economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, é quase certo como presidente do Banco Central em um eventual governo do vice-presidente Michel Temer, segundo diversos jornais, o que acabou mexendo principalmente nos futuros futuros. 

O benchmark da bolsa brasileira teve queda de 0,58%, a 52.764 pontos. O volume financeiro negociado foi de R$ 9,631 bilhões. Já o dólar comercial recuou 0,61% a R$ 3,4450 na compra e a R$ 3,4456 na venda, enquanto o dólar futuro para junho tem queda de 0,81% a R$ 3,471. No câmbio, o BC fez 3 leilões de 20.000 contratos swap reverso, mas mesmo assim não conseguiu fazer o dólar parar de cair. 

Confira a cobertura ao vivo do impeachment.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 cai 4 pontos-base a 13,59%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 recua 16 pontos-base a 12,24%. Os DIs refletem a chance maior de Goldfajn, considerado mais “dovish” (moderado, no sentido de cortar juros), assumir o BC. 

Segundo João Pedro Brugger, economista da Leme Investimentos, o mercado hoje esteve volátil não só pelo cenário interno, mas pelo desempenho também das bolsas internacionais. “O mercado ficou nervoso com o impeachment e até com o STF, fora o desempenho errático das bolsas lá fora”, afirma.

Votação do impeachment
Nesta quarta às 9h, o plenário do Senado começou a sessão em que votará se admite ou não o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Se houver aprovação, a presidente ficará imediatamente afastada por um período de 180 dias. Até agora já falaram 18 senadores. O placar até agora está de 16 a 2 a favor do impedimento. 

Teori nega pedido para barrar impeachment
O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Teori Zavascki, negou nesta quarta-feira o pedido de liminar da AGU (Advocacia Geral da União) para que seja suspensa a validade da autorização concedida pela Câmara dos Deputados para abertura de processo de impeachment por crime de responsabilidade contra a presidente Dilma Rousseff.

Na decisão, Teori Zavascki destacou que a alegação do governo de desvio de poder por parte de Cunha implica uma análise subjetiva, o que é inviável no exame de um mandado de segurança, no qual não há produção de provas e são avaliados somente os argumentos apresentados pelo autor da ação. O magistrado destacou ainda que a votação do processo de afastamento na Câmara obteve o aval de 370 deputados no plenário da Casa. 

PUBLICIDADE

Odebrecht deve detalhar conversas com Dilma
A Odebrecht pode pesar a mão contra Dilma Rousseff na delação premiada que negocia com o MPF (Ministério Público Federal). Marcelo Odebrecht poderia detalhar inclusive encontros e conversas que teve com a presidente da República. Vale ressaltar que, no final de semana, foi divulgado que, na negociação da delação, o empresário informou que a presidente atuou para soltá-lo da prisão com a nomeação do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Marcelo Navarro. 

Já sobre o ex-presidente Lula, a empresa tem falado pouco, até agora, nas negociações com as autoridades, afirma a colunista. As reformas no sítio frequentado pelo ex-presidente, bancadas em parte pela empreiteira, já estão no pacote. Os procuradores aguardam explicações sobre o esquema de financiamento de projetos no exterior para fechar o acordo de delação premiada e esperam informações sobre a atuação do ex-presidente em negócios de empreiteiras na América Latina e na África.

Já o petróleo registra ganhos com a alta dos estoques indicada pela API (American Petroleum Institute) sendo ofuscada pela interrupção da produção da commodity na Nigéria. O barril do WTI (WestTexas Intermediate) tem alta de 0,56% a US$ 44,91, enquanto o barril do Brent avança 1,05% a US$ 46,00. 

Ações em destaque
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 12,91, +0,47%; PETR4, R$ 10,25, +0,39%), subiram, junto com o petróleo, que virou para forte alta após os estoques, que tiveram uma queda de 3,41 milhões de barris na semana passada. A commodity, pela manhã, operava entre perdas e ganhos, com a alta dos estoques indicada pela API (American Petroleum Institute) sendo ofuscada pela interrupção da produção da commodity na Nigéria. O barril do WTI (West Texas Intermediate) subiu 3,20% a US$ 46,09, enquanto o barril do Brent avançou 4,17% a US$ 47,42. 

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN47,00-4,95+12,31
 CSNA3 SID NACIONALON9,98-4,68+149,50
 BRFS3 BRF SA ON47,23-4,20-14,38
 BBAS3 BRASIL ON20,55-4,20+40,25
 KROT3 KROTON ON12,00-3,77+26,43

 

 

 

Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes caíram após passarem a maior parte da sessão em alta. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 32,47, -0,12%), Bradesco (BBDC3, R$ 28,50, -0,25%; BBDC4, R$ 26,80, +0,64%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 20,58, -4,06%) recuaram. Juntas, as quatro ações respondem por pouco mais de 20% da participação na carteira teórica do nosso benchmark.

Já a Vale (VALE3, R$ 15,94, +0,44%; VALE5, R$ 13,09, -0,30%) teve queda apesar do desempenho do minério de ferro. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve alta de 0,56% a US$ 55,57.

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 CYRE3CYRELA REALTON10,80+4,85+47,83
 BRML3BR MALLS PARON EB12,86+3,29+50,61
 LAME4LOJAS AMERICPN14,33+3,09-11,09
 BRAP4BRADESPAR PN7,75+2,38+55,31
 CCRO3CCR SA ON16,56+2,22+34,69

 

 

Entre as quedas estiveram as ações do Pão de Açúcar (PCAR4, R$ 47,00, -4,95%), que divulgou ontem o seu resultado referente ao primeiro trimestre de 2016. O Grupo Pão de Açúcar (GPA) registrou um prejuízo atribuído a sócios da empresa controladora de R$ 59 milhões no primeiro trimestre, revertendo lucro de R$ 192 milhões registrado em igual período de 2015. É o primeiro prejuízo atribuído a sócios desde pelo menos 1997 — até onde vai a base de dados no site da empresa.

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1
 PETR4PETROBRAS PN10,25+0,39762,19M
 VALE5VALE PNA13,08-0,38478,09M
 ITUB4ITAUUNIBANCOPN ED32,40-0,34439,61M
 BBAS3BRASIL ON20,55-4,20324,05M
 BBDC4BRADESCO PN EJ26,85+0,83315,37M
 BVMF3BMFBOVESPA ON17,49+0,06263,39M
 ABEV3AMBEV S/A ON18,86-1,20201,86M
 CIEL3CIELO ON34,61+0,35178,29M
 BBSE3BBSEGURIDADEON28,18-1,33170,00M
 ITSA4ITAUSA PN EB7,75-0,64142,33M

PUBLICIDADE

* – Lote de mil ações 
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)

Vendas no varejo
A Pesquisa Mensal do Comércio, com os dados das vendas do varejo de março mostrou uma retração de 0,9%, contra 0,6% esperados de acordo com a estimativa mediana do mercado e depois de subirem 1,2% em fevereiro. Na comparação anual, o recuo foi de 5,7%, ante estimativas de 4,5% de contração e contra 4,2% de retração no período anterior. As vendas do varejo saíram às 9h.

Já o petróleo registra ganhos com a alta dos estoques indicada pela API (American Petroleum Institute) sendo ofuscada pela interrupção da produção da commodity na Nigéria. O barril do WTI (WestTexas Intermediate) tem alta de 0,56% a US$ 44,91, enquanto o barril do Brent avança 1,05% a US$ 46,00. 

PUBLICIDADE