Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa cai 0,35%, abaixo dos 128 mil pontos, pressionado por Treasuries e Petrobras

Benchmark da Bolsa chegou a superar os 129 mil pontos, mas fechou em queda com piora da petroleira e alta do rendimento dos títulos americanos

Equipe InfoMoney

Publicidade

O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira (24), com a alta nos rendimentos dos Treasuries e a piora das ações da Petrobras (PETR4) minando o viés mais positivo que prevaleceu na primeira etapa do dia, quando o benchmark da Bolsa chegou a recuperar brevemente o patamar dos 129 mil pontos.

O índice de referência do mercado acionário brasileiro fechou em queda de 0,35%, a 127.815,70 pontos. Na máxima do dia, chegou a 129.445,69 pontos e, na mínima, a 127.679,99 pontos. O volume financeiro somou R$ 20,3 bilhões, de uma média diária de R$ 23,3 bilhões no mês. Com o desempenho nesta quarta-feira, o Ibovespa agora acumula uma queda de 4,75% no mês.

Nos Estados Unidos, o S&P 500 e o Nasdaq fecharam no azul, mas distante das máximas, enquanto os rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano passaram a subir, com o de 10 anos marcando 4,1781% no final da tarde, de 4,142% na véspera e de 4,086% na mínima do dia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

De acordo com o diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos, a Bolsa brasileira continua bastante atrelada ao movimento dos Treasuries, que nesta sessão voltaram a subir após um leilão de títulos com vencimentos mais curtos.

Ele ressaltou que o avanço nos retornos dos Treasuries desde o começo do ano fragilizou os mercados e ainda não há evidências de alívio, dado o quadro de atividade ainda forte nos EUA e com a cautela sinalizada por autoridades do Federal Reserve quanto ao próximos passos de política monetária. Além disso, acrescentou, a eleição presidencial nos EUA também começa a entrar no radar, principalmente a movimentação envolvendo o ex-presidente Donald Trump.

Trump venceu a disputa presidencial republicana de New Hampshire na terça-feira, após uma vitória esmagadora em Iowa na semana passada, tornando-se o primeiro republicano a ganhar nos dois Estados norte-americanos desde 1976 e aproximando-se de uma revanche em novembro com o presidente democrata Joe Biden.

Para o estrategista de ações da Genial Investimentos Filipe Villegas, após a recente realização de lucros na bolsa brasileira, uma potencial janela de oportunidade foi aberta para entradas no mercado, conforme relatório enviado a clientes nesta quarta-feira.

“Essa percepção é sustentada pelo fato de que o nível de valuation das ações brasileiras ainda se mantém atrativo”, afirmou. “Adicionalmente, o desempenho do Ibovespa tem ficado bem abaixo de seus pares regionais e de outras bolsas de países emergentes, o que pode indicar uma margem para recuperação.”

Já no mercado de câmbio, o dólar emplacou nesta quarta a segunda sessão consecutiva de baixa ante o real, em sintonia com a queda da divisa dos EUA no exterior e ao avanço de commodities como o minério de ferro, após a China anunciar medidas para estimular sua economia. O dólar à vista fechou o dia cotado a R$ 4,9321 na venda, em baixa de 0,47%. Em dois dias, a moeda acumulou queda de 1,12%. Ainda assim, em janeiro o dólar acumula elevação de 1,66%.

DESTAQUES DO DIA

VALE ON VALE3 subiu 1,01%, a 69,90 reais, em mais um dia de recuperação, conforme os futuros do minério de ferro subiram na Ásia nesta quarta-feira, mas reduziu o fôlego após alcançar 70,83 reais no melhor momento. Agentes continuam monitorando os ruídos de que o governo busca emplacar o ex-ministro Guido Mantega na mineradora. No mês, o papel acumula queda de 9,5%, tendo fechado em alta em apenas três pregões.

PETROBRAS PN PETR4 recuou 0,76%, a 37,88 reais, revertendo a alta de parte do pregão quando chegou a reais na máxima. O enfraquecimento dos papéis ocorreu mesmo com a alta dos preços do petróleo no exterior, onde o barril de Brent fechou negociado com elevação de 0,62%. Para alguns operadores, o papel refletiu preocupações de interferência do governo na esteira dos ruídos envolvendo a mineradora Vale.

ITAÚ UNIBANCO PN ITUB4 encerrou com declínio de 0,46%, a 32,40 reais, e BRADESCO PN desvalorizou-se 0,39%, a 15,32 reais, também mudando o sinal durante a sessão, acompanhando a piora na bolsa.

NATURA&CO ON NTCO3 caiu 5,38%, a 16,35 reais, em meio ao declínio generalizado de papéis sensíveis à economia doméstica, com CASAS BAHIA ON perdendo 4,5% e YDUQS ON cedendo 3,72%.

IRB(RE) ON IRBR3 recuou 3,08%, a 40,55 reais, em dia de ajustes, após fechar com um salto de 10,6% na véspera na esteira de lucro em novembro. Na segunda-feira, a ação tinha tocado uma mínima intradia desde agosto de 2023, a 37,51 reais.

USIMINAS PNA USIM5 avançou 3,82%, a 8,97 reais, em dia positivo para siderúrgicas, com CSN ON CSNA3 subindo 2,3% e GERDAU PN GGBR4 fechando em alta de 2,31%. De acordo com dados do Inda, em dezembro, a venda de aços planos por dia útil pelos distribuidores foi de 13,2 mil toneladas, maior nível para o mês desde as 13,3 mil toneladas de 2019. Dezembro também mostrou forte crescimento das importações de aço plano, em um momento no qual siderúrgicas tentam convencer o governo a aumentar imposto de importação de aço para 25%.

(com Reuters)