Bolsa

Ibovespa abre em alta, puxado por China e Grécia

Por aqui, pregão regular de ações terá novo horário; destaque também para publicação da 1ª prévia da carteira teórica do Ibovespa

Atualizado às 10h15 (horário de Brasília). 

SÃO PAULO – Na cola do mercado externo, a bolsa brasileira abre o pregão desta segunda-feira (3) em campo positivo, com investidores otimistas com a indústria da China e a possível liberação da ajuda internacional à Grécia. Por volta de 10h15 (horário de Brasília), o Ibovespa subia 0,60%, aos 57.820 pontos. 

Por aqui, atenção para a primeria prévia da carteira teórica do Ibovespa e para o novo horário do pregão regular de ações. A partir desta segunda-feira, a BM&FBovespa vai prolongar a sessão até 17h30, na tentativa de reduzir a diferença com o período de funcionamento do mercado norte-americano. 

Dentre os papéis que são negociados nesta manhã, destaque para Suzano PNA (SUZB5, R$ 6,61, +4,09%),  Trans. Paulista PN (TRPL4, R$ 32,25, +3,20%),  JBS ON (JBSS3, R$ 5,55, +2,59%),  PDG Realty ON (PDGR3, R$ 3,08, +2,33%) e Eletrobras ON (ELET3, R$ 7,82, +2,22%).

O principal índice da bolsa paulista fechou o pregão de sexta-feira em baixa de 0,65%, atingindo 57.474 pontos e registrando uma alta acumulada no ano de 1,27%. O volume financeiro foi de R$ 14,18 bilhões. 

Indústria chinesa
Na Ásia, o PMI (índice de gerente de compras) da indústria chinesa subiu para 50,6 em novembro – a maior leitura em sete meses, de acordo com dados oficiais. A melhoria do setor industrial do país foi confirmada pelo PMI do HSBC, o qual saltou para 50,5 na leitura final do mês passado. 

Qualquer medição acima do patamar de 50 indica expansão da atividade. “Ainda é cedo para falar de um fim da desaceleração na China, mas os dados recentes foram certamente encorajadores”, afirma relatório do Danske Bank.

Recompra de dívida
No Velho Continente, a Grécia anunciou uma recompra de € 10 bilhões em títulos públicos, com objetivo de aliviar sua difícil situação financeira. O sucesso da operação é a chave para liberação da parcela de ajuda internacional congelada desde junho.

Atenas oferecerá aos detentores de dívida a aquisição de bônus, com vencimento entre 2023 e 2042, por um preço abaixo do nominal para conseguir reduzir a carga financeira do país em pelo menos € 20 bilhões. A oferta ocorrerá às 17h00 (horário de Londres) em 7 de dezembro. 

PUBLICIDADE

Em meio aos preparativos da oferta, os ministros de Finanças da zona do euro se reúnem nesta segunda-feira em Bruxelas. A chanceler alemã, Angela Merkel já admitiu, em entrevista ao jornal “Bild am Sonntag”, a possibilidade de um segundo perdão da dívida grega dentro de alguns anos, desde que o governo siga o roteiro de austeridade defendido pelos credores internacionais.

Outras referências
Na agenda europeia, o PMI do setor industrial da zona do euro subiu para 46,2 em novembro, de acordo com o instituto de pesquisas Markit. O número marca o patamar mais alto em oito meses, mas também o décimo sexto mês de deterioração da atividade – abaixo do nível de 50 pontos.

Por aqui, o Boletim Focus do Banco Central mostrou novos cortes nas projeções de crescimento econômico para 2012 e 2013. As estimativas para Selic e a inflação oficial foram mantidas em relação a semana passada. O calendário nacional ainda traz a balança comercial no período da tarde.

Nos Estados Unidos, a agenda reserva dois indicadores sobre a atividade industrial do país, bem como um relatório sobre despesas com a atividade de construção de imóveis.