Humor externo contagia o Ibovespa, que dispara com fôlego de Vale e Petrobras

Imobiliárias também amparam o índice por aqui, enquanto bancos e bons resultados animam lá fora; dólar em baixa

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Amparados por referências corporativas favoráveis e elevação no valor das commodities, os mercados vivem uma tarde de acentuados ganhos. Lá fora, o ânimo com o setor financeiro e bons resultados trimestrais dão fôlego aos índices acionários de Wall Street, enquanto o Ibovespa é guiado pela valorização no preço dos materiais básicos. Os papéis de Vale, Petrobras e varejistas dão suporte ao índice, que amplia seus ganhos pela tarde e se mantém acima dos 50 mil pontos.

Incluídos por analistas do Goldman Sachs em sua lista de “compra convicta”, os papéis do Bank of America disparam nesta tarde. Os progressos no aumento de capital e o “sólido” trimestre para empresas dos mercados hipotecários e de capitais foram citados pela equipe do Goldman. Visando elevar a liquidez de seu caixa, a AIG (+5,2%) planeja agilizar o IPO (Oferta Inicial de Ações) de sua subsidiária asiática em Hong Kong, a fim de levantar mais de US$ 4 bilhões no processo.

Na cena corporativa, as atenções se voltam para os resultados divulgados pela varejista Lowe’s, que mostrou lucro líquido de US$ 476 milhões, ou US$ 0,32 por ação, decréscimo de 22% frente ao revelado no mesmo período do ano passado, mas acima da expectativa dos analistas. Por sua vez, diante da percepção de melhora da demanda no setor tecnológico, os analistas do Morgan Stanley elevaram a recomendação para os papéis da fabricante de chips Broadcom, que sobem forte em resposta.

Aprenda a investir na bolsa

No mercado de commodities, chama atenção a expressiva valorização nos preços do petróleo. Uma ameaça de um grupo militante separatista da Nigéria e a explosão em uma refinaria da Sunoco nos EUA impulsionam as cotações do barril. Tal movimento influencia positivamente os papéis da Petrobras, assim como os de gigantes internacionais como Exxon Móbil e ConocoPhillips.

Petróleo, minério e imóveis

Depois do mau humor verificado no último pregão, o Ibovespa pega carona no ânimo externo e registra forte valorização nesta tarde. O vencimento de opções sobre ações, que ocorre sempre na terceira segunda-feira de cada mês, movimentou R$ 2,48 bilhões na bolsa.

No caso dos papéis da petrolífera, também merece atenção a viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China em busca de investimentos para o Brasil – em especial um crédito de US$ 10 bilhões para estatal. A notificação feita à ANP (Agência Nacional do Petróleo) sobre uma nova descoberta de indícios de hidrocarbonetos também parece agradar os investidores.

No setor de consumo e varejo, foco para a disparada dos papéis da B2W, que lideram com folga a ponta positiva do índice. De modo geral, o bom humor com os papéis se deve às especulações de que os menores custos para empréstimos irão estimular os gastos com consumo. Ainda no setor, destaque para a alta nos papéis da Lojas Renner.

Ibovespa sobe

O Ibovespa opera com alta próxima de 3,5%, contornando os 50.700 pontos. O volume financeiro do índice ultrapassa R$ 6 bilhões.

PUBLICIDADE

Já no destaque negativo do índice aparecem os papéis da Eletropaulo. Na última semana, a empresa divulgou queda de 2% em seus ganhos no primeiro trimestre, que terminaram em R$ 147,5 milhões.

Extremos

Entre os destaques de alta estavam os papéis
B2W Varejo ON (BTOW3, +6,89%),
Usiminas ON (USIM3, +6,23%),
Gerdau PN (GGBR4, +6,23%),
Lojas Renner ON (LREN3, +6,16%) e Cyrela Realty ON (CYRE3, +5,93%).
Por outro lado, as ações
Eletropaulo PNB N2 (ELPL6, -0,98%),
TAM PN N2 (TAMM4, -0,32%),
Gol PN N2 (GOLL4, -0,22%),
Nossa Caixa ON (BNCA3, -0,13%) e Cesp PNB (CESP6, +0,06%).
encerraram a manhã em queda.

Os maiores volumes ficaram com
Petrobras PN (PETR4, R$ 656,52 milhões), Vale Rio Doce PNA (VALE5, R$ 589,86 milhões), BMF Bovespa ON (BVMF3, R$ 139,40 milhões), Itau Unibanco PN (ITAU4, R$ 123,30 milhões) e Petrobras ON (PETR3, R$ 105,06 milhões).

Dólar cai

Após ter apresentado quatro altas na última semana, o dólar comercial opera nesta segunda-feira com queda próxima a 1,4%. Em sessão sem indicadores econômicos expressivos no âmbito externo, a agenda doméstica ganha destaque. Noticiário acerca dos setores financeiro e automobilístico também é analisado.

Como tem acontecido nas últimas sessões, o Banco Central anunciou leilão para compra de dólares no mercado à vista. A operação foi realizada entre às 15h14 e às 15h24 (horário de Brasília). De acordo com o Depin (Departamento de Operações de Reservas Internacionais), a taxa aceita ficou em R$ 2,0779.

A balança comercial registrou um saldo positivo de US$ 505 milhões na segunda semana de maio. Com o resultado, o saldo acumulado no ano avançou para US$ 7,774 bilhões.

Também no âmbito interno, foi divulgada a versão semanal atualizada do relatório Focus. Segundo o documento, o mercado prevê uma inflação mais amena, com leve queda nos índices de preços ao consumidor e nos índices gerais de preços.

PUBLICIDADE

O IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor – Semanal) da FGV de 15 de maio marcou inflação de 0,48%, taxa 0,09 ponto percentual inferior à registrada na medição anterior.