“Há uma grande diferença entre socorro e assalto”, diz CEO da Azul sobre ajuda do governo

John Rodgerson e Alex Malfitani participaram de live do InfoMoney e falaram como negociaram com fornecedores para preservar o caixa da empresa

Anderson Figo

Publicidade

SÃO PAULO — Mesmo com um prejuízo de R$ 2,9 bilhões no segundo trimestre deste ano, o balanço da Azul (AZUL4) agradou analistas de mercado que cobrem a companhia na Bolsa. Segundo o CEO John Rodgerson, a demora na aprovação de uma linha de crédito por parte do BNDES forçou a empresa a “fazer a lição de casa” e negociar com fornecedores.

A empresa conseguiu postergar o pagamento de dívidas com 98% dos arrendadores e recompôs seu caixa para R$ 3 bilhões. “O fato que o BNDES atrasou, apesar de agora estar aprovado [o empréstimo] e nós podemos decidir se vamos pegar esse capital ou não, foi bom para nós. Nós tivemos que fazer a lição de casa primeiro”, disse em live do InfoMoney.

“O dinheiro, se nós pegarmos, vai ser usado para a retomada. É bem diferente. Em vez de pegar o dinheiro emprestado para pagar fornecedores, podemos pegar o dinheiro para investir”, completou o executivo. Ele afirmou ainda que uma ajuda financeira do governo “é diferente de um assalto”, já que o governo estaria emprestando recursos e não dando para as companhias.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A live faz parte da série Por dentro dos resultados, em que CEOs e CFOs de empresas abertas comentam os resultados do ano e respondem dúvidas de quem estiver assistindo. Nos próximos dias, haverá lives com Eletrobras, Via Varejo, B3 e outras companhias (veja a agenda completa e como participar).

Alex Malfitani, CFO da Azul e que também participou da live, comentou sobre o bom desempenho da Azul Cargo, o braço de logística do grupo, no trimestre, e da surpresa positiva com a recém criada Azul Conecta (antiga Two Flex). “Se fossem empresas separadas, estariam indo super bem.” Ele também ressaltou o bom desempenho do Tudo Azul, o programa de fidelidade da companhia aérea.

Os executivos voltaram a afirmar que a demanda por voos da companhia aérea já tem mostrado uma retomada. Rodgerson espera que ela esteja em 60% do nível pré-pandemia em dezembro deste ano. Uma ajuda foi o acordo de codeshare firmado com a concorrente Latam para que ambas as empresas possam compartilhar voos e pontos nos programas de fidelidade.

Continua depois da publicidade

O CEO da Azul também ressaltou que o fato de a companhia trabalhar com diferentes tipos de aeronaves, desde as mais pequenas até as maiores, é uma vantagem competitiva no atual cenário: “dependendo da quantidade de lugares vendidos, podemos decidir se enviamos um avião maior ou menor.”

Eles falaram ainda sobre a política de pagamento de dividendos da companhia aérea. Assista à live completa acima.

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!

Anderson Figo

Editor de Minhas Finanças do InfoMoney, cobre temas como consumo, tecnologia, negócios e investimentos.