GPA (PCAR3): “recado” da empresa pode fomentar novas investidas pelo Éxito? No que ficar de olho em meio à volatilidade da ação

Mais uma vez, GPA recusou a oferta de magnata colombiano pela sua subsidiária, evidenciando condições para que uma futura oferta fosse aceita

Lara Rizério

Publicidade

Novamente, a oferta feita pelo magnata colombiano Jaime Gilinski pelo Éxito não convenceu o GPA (PCAR3).

Na véspera, a varejista brasileira informou que seu seu Conselho de Administração recusou a segunda oferta feita por Jaime Gilinski em 18 de julho para adquirir uma participação de 51% no Éxito por US$ 586 milhões.

Cabe destacar que as ofertas têm contribuído para a volatilidade das ações: às vésperas da segunda proposta ser anunciada, na terça-feira, os ativos PCAR3 saltaram na reta final do pregão (+4,80%), para caírem forte na sessão seguinte (-4,62%) e registrarem uma leve recuperação na quarta. Já nesta sexta, o dia é de ganhos de cerca de 1% para os papéis, também seguindo o dia positivo do mercado em geral.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A decisão do conselho de recusar a proposta foi unânime, com base no fato de que o valor proposto não atendia aos parâmetros financeiros adequados e, portanto, não era do melhor interesse do GPA e de seus acionistas. A lista inicial era semelhante aos motivos apresentados para a recusa da primeira oferta feita em 28 de junho.

Além disso, a empresa listou oito requisitos mínimos necessários para que o conselho do GPA considere futuras ofertas, uma vez que o processo de cisão está em andamento.

São elas: (i) pagamento de prêmio de controle; (ii) acordo que inclua não solicitação de quaisquer obrigações de indenização a acionistas do Éxito não exigidas legalmente; (iii) taxa de desmembramento, que será depositada em uma conta de custódia; (iv) comprovação de evidências para o financiamento da aquisição; (v) um cronograma claro e detalhado para a execução da transação;(vi) estudo prévio sobre o processo de análise antitruste;(vii) plano de negócios para o Éxito após a transação; (viii) compromisso de apoiar as decisões futuras do GPA em relação à sua participação remanescente no Éxito, incluindo possíveis mudanças nos termos atuais da cisão ou outras alternativas para monetizar a participação remanescente do GPA no Éxito.

Continua depois da publicidade

De acordo com o fato relevante, o processo de cisão continuará a evoluir conforme previamente anunciado ao mercado; dessa forma, a segregação do Éxito deverá ser concluída nas próximas semanas.

O Bradesco BBI, à primeira vista, apontou, contudo, ter tido uma visão positiva sobre a segunda oferta de Jaime Gilinski.

Em nota anterior, os analistas do banco mencionaram que o GPA Brasil tem uma estrutura de capital desequilibrada e, embora a margem bruta esteja se recuperando lentamente, a empresa ainda tem um lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) negativo em 12 meses.

“No entanto, o GPA decidiu detalhar as oito exigências listadas, o que nos esclareceu sobre as negociações em andamento. Dada a disputa histórica entre Gilinski e a GEA pelo Grupo Nutresa durante 2021-2023, vemos alguns dos termos como requisitos mínimos razoáveis para uma M&A [fusão e aquisição] de US$ 600 milhões”, avaliam os analistas do BBI.

De modo geral, aponta, a segunda oferta de Gilinski mostra uma forte disposição desse investidor estratégico em adquirir o Grupo Éxito.

“Em nossa opinião, é provável que o processo de licitação continue nas próximas semanas até que o spin-off seja concluído”, avaliam os analistas do banco.

Em suma, o BBI mantém a opinião de que a segregação das operações do GPA Brasil e do Grupo Éxito poderia gerar valor, uma vez que ambos os ativos combinados são negociados a 3,2 vezes o EV/Ebitda (soma do valor de mercado das ações com a dívida líquida/Ebitda) estimado para 2024, um desconto de 45% em relação às empresas brasileiras de varejo de alimentos sob a sua cobertura.

Já para a Guide Investimentos, o impacto é visto como positivo. A visão da casa é de que a oferta não refletia um preço adequado para a aquisição do controle da operação do Éxito, logo, vê a recusa da oferta como positiva.

“Além disso, acreditamos que a especificação das condições necessárias para o cancelamento do spin-off e aquisição do controle do Éxito pode fomentar a demanda pelo ativo por outros investidores estratégicos (Cencosud, InRetail e Callejas), o que seria benéfico para a companhia”, aponta a casa de research.

O Goldman Sachs, por sua vez, reforça que a cisão do Éxito do GPA prossegue, mantendo recomendação neutra para os ativos PCAR3, com preço-alvo de R$ 20.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.