Aviação

Governo estuda novos aeroportos em algumas capitais, diz ministro

Segundo Wagner Bittencourt, ministro da Secretaria de Aviação Civil, os investimentos previstos nesses novos aeroportos são de R$ 7 bilhões

RIO DE JANEIRO – O governo está estudando a construção de novos aeroportos em capitais brasileiras nos próximos anos, afirmou na última segunda-feira (28) o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt.

Em análise, segundo ele, estão um novo terminal em Porto Alegre e em capitais do Nordeste.

Os estudos apontam para essa necessidade em 10 ou 15 anos, tendo em vista questões como demanda, potencial turístico, melhoria da infraestrutura e outros aspectos.

“Vamos precisar olhar em pouco tempo… nos próximos 10 a 15 anos e vamos precisar desenvolver aeroportos em capitais do país, mesmo com investimento que vem sendo feito e com as concessões (de alguns terminais)”, afirmou Bittencourt.

“Tem discussões com o Estado do Rio Grande do Sul e já estamos avaliando aéreas para ver quais os potenciais… há capitais do Nordeste que se pode pensar em novos aeroportos também’, acrescentou, sem entrar em detalhes.

Rio de Janeiro e São Paulo estão fora desse planos de expansão de terminais, uma vez que os aeroportos de Viracopos e Guarulhos (SP) já foram concedidos à iniciativa privada, e o Galeão (RJ) entrará na próxima rodada de concessões.

Há ainda investimentos sendo feitos em Congonhas (SP) e Santos-Dumont (RJ).

“Não vemos necessidade de algo em São Paulo antes de 2030; Rio de Janeiro, só depois”, frisou o ministro.

O governo lançou recentemente um plano para desenvolver a aviação regional brasileira e mapeou 270 aeroportos com potencial turístico, social e econômico para serem desenvolvidos nos próximos anos.

PUBLICIDADE

Os investimentos previstos, segundo o ministro, são de 7 bilhões de reais.

Bittencourt rechaçou críticas de que alguns desse aeroportos estão geograficamente muito próximos e podem ser tornar ociosos e ineficientes economicamente. Isso, segundo ele, é uma “falácia”, acrescentando que aeroportos no país são vetores de crescimento regional.

Fiscalização
Autoridades do setor aéreo, entre elas Bittencourt, e o diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Guaranys, divulgaram nesta segunda-feira um balanço de uma fiscalização surpresa em 7 aeroportos e aeródromos do Estado do Rio de Janeiro desde sexta-feira.

A fiscalização concentrou-se em terminais de menor porte usados para vôos não regulares, também chamados de aviação geral.

A Anac detectou 25 infrações na “blitz” realizada de sexta até esta segunda-feira, enquanto o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Dcea) encontrou outras 17 irregularidades em aeronaves que fazem vôos não regulares, como helicópteros e táxis aéreos.

Segundo as autoridades, as ações vão se intensificar daqui para frente em todo país, com objetivo de aumentar a qualidade do serviço prestado e a segurança aérea no Brasil.