Dilma defende, mas...

Governo atrasa R$ 175 milhões em repasses ao Minha Casa, Minha Vida

O montante refere-se a quatro estados: Bahia, Ceará, Maranhão e Rio Grande do Norte; os atrasos variam de 20 a 75 dias, diz reportagem da Folha de S. Paulo

Por  Paula Barra

SÃO PAULO – Em meio aos ajustes fiscais propostos pelo governo, um dos programas que vem sendo defendidos à risca pela presidente Dilma Rousseff é o Minha Casa, Minha VidaA presidente tem enfatizado que os ajustes em despesas do governo não devem paralisar o programa habitacional, mas problemas já começam a aparecer. Uma reportagem da Folha de S. Paulo deste final de semana mostra que o governo federal atrasou pagamentos de R$ 175 milhões às construtoras e, por isso, ameaçam paralisar obras e ampliar demissões no setor.

O montante refere-se a quatro estados: Bahia, Ceará, Maranhão e Rio Grande do Norte, segundo disseram sindicatos locais de construção civil ao jornal. Os atrasos variam de 20 a 75 dias. De acordo com eles, o problema atinge principalmente as construtoras menores. Um levantamento da Folha aponta que, o nordeste (região que concentra o maior índice de obras em andamento – 34,37%) soma 439,1 mil unidades do MCMV em construção ou não iniciadas. 

Os repasses às construtoras são feitos pelo Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal e deveriam ser liberados 15 dias após a medição das obras. Procurado, no entanto, o Ministério das Cidades disse que “o cronograma de pagamentos segue o fluxo normal”. Já os bancos não quiseram comentar o caso. 

Compartilhe