Gol perde R$ 179,3 milhões após entrar em recuperação judicial nos EUA

Queda reflete as dúvidas dos investidores sobre o futuro da companhia

Estadão Conteúdo

Publicidade

As ações da Gol caíram 8,07% nesta sexta-feira (26), a R$ 5,92, após o anúncio do Chapter 11, equivalente à recuperação judicial nos EUA. O papel da companhia aérea teve a maior queda do Ibovespa, e essa desvalorização significou uma perda de R$ 179,31 milhões no valor de mercado da Gol. A empresa passou a valer R$ 1,99 bilhão, ficando abaixo de R$ 2 bilhões pela primeira vez desde março de 2023.

Apesar dos rumores de recuperação judicial circularem desde dezembro do ano passado, a queda desta sexta reflete as dúvidas dos investidores sobre o futuro da Gol.

Para o analista da Genial Ygor Araújo, o DIP Financing de US$ 950 milhões, uma modalidade de crédito específica para empresas em situação financeira difícil, é uma boa notícia. O financiamento foi prometido pelos bondholders (detentores de títulos de dívida) da Abra, controladora da Gol, como parte do processo de recuperação. Araújo destaca que esse dinheiro garante a continuidade da operação da companhia, “mas o cenário permanece incerto”.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

As agências de classificação de risco S&P e Fitch rebaixaram o rating da Gol para nível de default. A Fitch aponta que o Chapter 11 é um desdobramento da dificuldade da negociação com os arrendadores de aeronaves e dos atrasos na entrega de novos aviões. A agência estima a dívida com os lessores (arrendarores de aeronaves) de R$ 9,8 bilhões. Para a S&P, a Gol ainda enfrenta um “pesado fardo de dívida”.

O analista da Ajax Asset Rafael Passo também aponta o cronograma de entrega das novas aeronaves como um dos pontos a serem monitorados no processo de recuperação da Gol. Nos documentos apresentados à corte norte-americana ao pedir o Chapter 11, a Gol listou a demora na entrega dos aviões como uma das causas do desequilíbrio de caixa. Em conversa com jornalistas, o CEO da Gol, Celso Ferrer, afirmou que já está recebendo as aeronaves atrasadas “com rapidez”.

O Citi Bank avalia que ainda não está claro a recepção do anúncio da recuperação judicial pelos passageiros, mas o evento “pode causar algum impacto negativo na demanda”, diz relatório. Para os analistas do banco, o Chapter 11 reduz significativamente as chances da Abra, controladora da Gol, realizar um IPO. Essa hipótese vinha sendo aventada pelo mercado desde a formação da holding com a Avianca, em 2022.

Continua depois da publicidade

O pedido do Chapter 11 da Gol, que garante uma interrupção na execução das dívidas e impede a retomada de aeronaves, foi aceito na tarde desta sexta pela corte de falências de Nova York. A empresa agora aguarda a aprovação pela Justiça norte-americana do DIP Financing de US$ 950 milhões. Desse total, US$ 350 milhões já entrariam na companhia assim que o juiz americano autorize provisoriamente a transação. Outros US$ 150 milhões virão com a autorização final.

Segundo documentos apresentados pela Gol no processo do Chapter 11, há R$ 17,19 bilhões (US$ 3,5 bilhões) em ativos e R$ 40,77 bilhões (US$ 8,3 bilhões) em passivos. Desse passivo, R$ 20,6 bilhões (US$ 4,2 bilhões) são em financiamentos pendentes, sendo R$ 10,3 bilhões (US$ 2,1 bilhões) em dívidas garantidas por ativos da empresa.