Gol (GOLL4): Fitch e S&P cortam nota de crédito para CCC- com riscos crescentes sobre reestruturação da dívida

Fitch afirma que redução na nota já incorpora o anúncio da Gol de contratação da Seabury para ajudar a empresa em "ampla revisão" de estrutura de capital

Felipe Moreira

Boeing 737 MAX da companhia aérea Gol se prepara para pousar no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre (Foto: REUTERS/Diego Vara)

Publicidade

A agência de classificação de risco Fitch reduziu a nota de crédito da companhia aérea Gol de “CCC+”para “CCC-“, e seu Long- Termo Escala Nacional para ‘CCC-(bra)’ de ‘CCC(bra)’. A Fitch também rebaixou os títulos sem garantia da GOL Finance de ‘CCC/RR5’ para ‘CC/RR5’.

“Os rebaixamentos refletem riscos crescentes de reestruturação da dívida da GOL como resultado de seus contínuos altos riscos de refinanciamento, pressão no fluxo de caixa operacional devido a pagamentos de arrendamentos correntes e diferidos e fraca posição de liquidez”, diz a agência, em relatório. A avaliação incorpora o recente anúncio da empresa de contratar um consultor financeiro para revisar sua estrutura de capital.

A Fitch afirmou que redução na nota já incorpora o anúncio da Gol na segunda-feira de contratação da consultoria Seabury Capital para ajudar a empresa em uma “ampla revisão” de sua estrutura de capital.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo a Fitch, a pressão recorrente do fluxo de caixa livre resultante das elevadas despesas de leasing e juros, apesar da melhoria do desempenho operacional, está a resultar num perfil de dívida insustentável.

Os vencimentos de curto prazo da GOL totalizavam R$ 2,9 bilhões em 30 de setembro de 2023, sendo compostos por R$ 1,1 bilhão de dívida financeira e R$ 1,8 bilhão de obrigações de arrendamento mercantil. O caixa prontamente disponível, pelos critérios da Fitch, foi de R$ 905 milhões. No mesmo período, a GOL tinha cerca de US$ 200 milhões (de um total de US$ 450 milhões) em linha de crédito disponível com seu acionista Abra Group Limited (Abra). Esta transação com a Abra é resultado de outra operação de reestruturação de dívida que a GOL anunciou no início do ano (março de 2023), que também incluiu uma linha de crédito de cerca de USD 450 milhões.

Em termos operacionais, a Fitch destaca que o cenário de fortes níveis de tráfego de passageiros no Brasil, fortes rendimentos, eliminação de impostos PIS/Confins, preços mais baixos de combustíveis e melhorias na estrutura de custos, incluindo alguma otimização da frota, estão levando a melhorias na geração de fluxo de caixa operacional da GOL.

Continua depois da publicidade

A agência espera que o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da GOL atinja R$ 4,4 bilhões em 2023, em comparação com R$ 2,9 bilhões em 2022, e cerca de R$ 4,8 bilhões em 2024, com margens Ebitda ajustadas de 24% a 25%. A demanda do mercado interno brasileiro se recuperou fortemente, com o tráfego de passageiros crescendo 5% nos primeiros 10 meses do ano em comparação com o mesmo período de 2019 (nível pré-pandemia).

Por fim, a Fitch afirmou que espera que a alavancagem líquida da Gol nos critérios da agência fique em 5,7 vezes em 2023 e 5,6 vezes em 2024.

O S&P também cortou o rating da Gol de ‘CCC+’ para “CCC-“, com perspectiva negativa, e seu rating de crédito de emissor em escala nacional para ‘brCCC-‘, de ‘brBB+’, apesar de mencionar que espera que a companhia aérea mantenha “boa performance operacional em meio a uma demanda saudável e um mercado brasileiro com oferta bastante racional”.

Ao mesmo tempo, a agência ainda reduziu rating de emissão para ‘CC’, de ‘CCC’, nas notas seniores sem garantia da empresa e mantivemos inalterado o rating de recuperação ‘5’, refletindo a expectativa de perspectivas de recuperação médias (20%; estimativa arredondada) em caso de inadimplência no pagamento.

“A perspetiva negativa reflete uma potencial queda adicional da classificação caso a empresa anuncie uma reestruturação da dívida que consideraríamos como difícil e equivalente a um incumprimento”, diz S&P.