Gol diz que não iniciou negociações de possível acordo para saída de RJ nos EUA

A Gol observou que já havia anunciado que o Grupo Abra estava em discussões com a Azul para explorar "potenciais oportunidades" relacionadas à companhia

Reuters

Publicidade

A companhia aérea Gol (GOLL4) disse nesta terça-feira que não iniciou ainda negociações para um possível acordo para financiar a sua saída da recuperação judicial nos Estados Unidos (Chapter 11).

Em comunicado ao mercado, a empresa prestou esclarecimentos sobre notícia publicada pelo jornal Valor Econômico, segundo a qual uma proposta de combinação de negócios entre Azul (AZUL4) e Gol poderia ser apresentada em até três meses a uma corte de Nova York.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita 

Continua depois da publicidade

A Gol observou que já havia anunciado que o Grupo Abra estava em discussões com a Azul para explorar “potenciais oportunidades” relacionadas à companhia, e que iria conduzir com assessores um processo competitivo por meio do qual avaliaria propostas de financiamento de saída do Chapter 11 ou “transações alternativas viáveis e competitivas”.

“A companhia esclarece ainda que o processo competitivo acima mencionado ainda não foi iniciado, e nenhuma negociação com a intenção de concluir uma transação foi iniciada pela companhia, com qualquer terceiro”, disse a Gol.

Também nesta terça-feira, a Azul afirmou que segue conversando com o Grupo Abra e que, até o presente momento, “não houve qualquer definição a respeito da implementação de qualquer negócio, tampouco estrutura”.

Continua depois da publicidade

“Do mesmo modo, não foi celebrado ou formalizado, até o presente momento, qualquer acordo, vinculante ou não, de qualquer natureza, sobre operação de parceria ou combinação de negócios junto à Gol ou seus acionistas controladores além do acordo de codeshare já devidamente divulgado”, acrescentou a Azul, se referindo a um acordo de cooperação comercial anunciado em maio.