Radar da bolsa

Gol dispara mais de 3%; Suzano e Petrobras caem; adiamento em obras penaliza LLX

Ainda entre os destaques, siderúrgicas têm sessão de recuperação na bolsa; acionista minoritário da TIM cobra explicações sobre alguns contratos

SÃO PAULO – Em dia instável, o Ibovespa registra queda de 0,04% às 13h21 (horário de Brasília), aos 60.003 pontos, pressionado pela desvalorização da Petrobras (PETR3, -2,40%, R$ 19,13; PETR4, -2,37%, R$ 18,91) – cujas ações ordinárias representam o segundo maior peso na carteira teórica do índice.

Os investidores aguardam por novidades no noticiário norte-americano. O Fomc (Federal Open Market Committee) dá início hoje à primeira reunião do ano que avaliará os atuais programas bilionários de compra de ativos do país para ajudar na recuperação da economia dos Estados Unidos.

Já entre os destaques corporativos, as ações das siderúrgicas chamam atenção depois de forte queda no começo de 2013. As ações ordinárias da Usiminas (USIM3; USIM5) disparam 3,56%, sendo cotadas a R$ 11,35, seguidas pelas preferenciais, com valorização de 3,29%, aos R$ 10,69. Na sequência, aparecem os papéis da CSN (CSNA3), que avançam 3,17%, aos R$ 11,38.

Além do movimento de recuperação, os ativos da CSN têm outro motivo para subir. O mercado reflete o possível aporte do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) de US$ 4 bilhões para apoiar a CSN em seu plano de aquisição dos ativos de aço do grupo alemão ThyssenKrupp no Brasil, a CSA (Companhia Siderúrgica do Atlântico), e nos Estados Unidos, a Calvert Steel, do Alabama.

O apoio do banco é fundamental para evitar que o negócio comprometa o perfil financeiro da CSN. “O valor do aporte é grande e mostra um entendimento de que o BNDES está disposto a ajudar na conclusão da aquisição pela CSN e confiante no crescimento do projeto”, disse o analista Rafael Veigas, do Banco Geração Futuro.

Gol salta diante de possibilidade de aumento de preços nas passagens
Ainda entre as maiores altas, as ações da Gol (GOLL4) sobem 4,24%, sendo cotadas a R$ 14,99. Os papéis refletem um possível aumento de preços das passagens aéreas, em função da redução da oferta de voos feita desde o ano passado pelas companhias aéreas.

Segundo a equipe de análise da XP Investimentos, a notícia é positiva, uma vez que o aumento de preços é considerado como a única maneira das companhias aéreas brasileiras se tornarem rentáveis. “Se isso ocorrer em larga escala, poderemos ver maior rentabilidade no setor, embora provalmente ainda menor do que as companhias aéreas de outros países, por causa dos custos mais elevados no Brasil, a concorrência internacional e o load factors que ainda estão muito baixos”, disse.

MPF pede adiamento de operação do Porto do Aço, da LLX; ações caem
Do lado oposto, as ações da LLX Logística (LLXL3) recuam 1,25%, aos R$ 2,37. O movimento reflete a notícia de que o Ministério Público Federal em Campos (RJ) propôs na véspera ação civil pública contra o grupo EBX, do empresário Eike Batista, pedindo a interrupção da dragagem do canal e o adiamento do início da operação do porto do Açu, que tem a LLX como responsável pelo empreendimento.

Segundo o estudo, a areia dragada carreou grande volume de água salgada, “contaminando” a água doce. De acordo com os pesquisadores, o sistema de drenagem não funcionou de maneira adequada.

PUBLICIDADE

Acionista minoritário da TIM cobra explicações sobre alguns contratos
A JVCO, acionista minoritária da TIM Participações (TIMP3) controlada pelo empresário Nelson Tanure, divulgou nesta terça-feira pedido de explicações sobre contratos acertados pela operadora de telefonia com três empresas de consultoria e de fornecimento de modems e celulares entre 2009 e 2012.

Segundo o comunicado, a JVCO pediu à empresa de auditoria da TIM, a Pricewaterhousecoopers, “informações acerca dos processos licitatórios e dos contratos firmados pela operadora italiana com as empresas ValuePartners Management Consulting, Between S.p.A. e Onda Communication”.

O pedido envolve a gestão do ex-presidente da TIM, Luca Luciani, afastado da operadora em 2012 “devido às acusações de fraude feitas pelo Ministério Público de Milão”.

Vale deve pagar US$ 4 bi em dividendos
Já a diretoria executiva da Vale (VALE3; VALE5) aprovou na noite da véspera a proposta para pagamento de remuneração mínima aos acionistas para 2013 no valor de US$ 4 bilhões. A proposta ainda será submetida à deliberação do Conselho de Administração. Este valor é bem abaixo do pago no ano passado, totalizando US$ 6 bilhões. 

O valor, correspondente a US$ 0,776190372 por ação ordinária ou preferencial em circulação, deverá ser distribuído aos acionistas em duas parcelas, nos dias 30 de abril e 31 de outubro de 2013. O Conselho de Administração da Vale apreciará a proposta da diretoria executiva referente à cada parcela nas reuniões agendadas para os dias 16 de abril e 17 de outubro de 2013.

Eletrobras pode criar holding para vender distribuidoras
A criação de uma holding para absorver as seis distribuidoras federalizadas das regiões Norte e Nordeste, subsidiárias do grupo Eletrobras (ELET3; ELET6), teria como objetivo vender as empresas, informou O Globo. 

Segundo uma alta fonte do setor, depois de criada essa holding para a distribuição, uma das alternativas em estudo mais avançado pela companhia como estratégia para reduzir os custos, seriam vendidos 51% dos ativos das empresas Amazonas Energia, Eletrobras Acre, Rondônia, Roraima, Piauí e Alagoas. Essas distribuidoras, com sérios problemas de gestão e prejuízos foram, ao longo dos últimos anos, passando para a gestão da Eletrobras. A companhia, contudo, nega planos para criação de holdings. 

Ainda sobre a elétrica, as controladoras da Eletrobras Chesf, Furnas, Eletrosul e Eletronorte receberam R$ 5,47 bilhões à vista como parte da indenização pela renovação antecipada de concessão de geração e transmissão de energia, informou na noita da última segunda-feira a estatal. As empresas também receberam no total uma primeira parcela de R$ 441,8 milhões, segundo o comunicado.

PUBLICIDADE

Cosan quer inaugurar teto para navios em Santos até abril de 2014
A Cosan (CSAN3), uma das maiores empresas de açúcar e etanol do mundo, pretende concluir até abril de 2014 a obra do teto de proteção para navios no porto de Santos, disse um executivo da empresa, projetando aumentar a capacidade de embarque em 40%.

Julio Fontana, presidente da Rumo Logística, braço de logística da Cosan, disse em email, que “o novo teto permitirá à Rumo operar em dias de chuva, que chegam a 100 por ano em média em Santos.”

O carregamento de açúcar e outras cargas brutas precisa ser interrompido durante dias chuvosos porque mesmo a menor quantidade de umidade pode estragar a carga. A companhia havia projetado inicialmente que a finalização do teto ocorreria em novembro de 2012.

BB nega compra de fatia do Brasil Plural
O Banco do Brasil (BBAS3), por sua vez, negou negociações para comprar participação acionária no Brasil Plural, um banco de investimentos. Em ofício enviado à BM&FBovespa, o banco estatal negou estar em tratativas para adquirir participação.

A coluna do jornalista Ancelmo Gois, no jornal O Globo, havia noticiado que o BB poderia estar interessado em adquirir 49% do banco de investimentos – para fortalecer seu braço nesse segmento.

Suzano inicia corte de eucalipto no MA no 2° trimestre
A Suzano Papel e Celulose (SUZB5) pretende iniciar o corte de eucalipto para formação dos estoques de madeira que abastecerão no segundo trimestre a fábrica de Imperatriz, localiza no Maranhão, o que reafirma o cronograma do projeto e a perspectiva de início de operação da unidade no fim deste ano. 

Em entrevista ao Valor, o diretor florestal da Suzano no Maranhão, Júlio Cesar Ohlson, a companhia já recebeu 11 colheitadeiras, de um total de 44 equipamentos que chegarão até julho, e dará início em fevereiro ao treinamento de 240 operadores.

As ações da companhia, contudo, caem 3,04% neste pregão, aos R$ 7,33.

PUBLICIDADE

Tarpon anuncia recompra de ações
A Tarpon Investimentos (TARP11) vai recomprar até 10% das ações em circulação no mercado, equivalente a 1.870.045 papéis. As aquisições serão feitas em até um ano, encerrando-se em 28 de janeiro de 2014.

A empresa informou ainda que, nesta data, o saldo de reservas de lucro ou de capital da companhia é insuficiente para aquisição da totalidade das ações objeto do Programa de Recompra. A Diretoria deverá observar o cumprimento de tal requisito em cada data de aquisição das ações pela Companhia. 

Totvs investirá até R$ 3,2 mi em participação na start-up
A Totvs (TOTS3) informou nesta segunda-feira que investirá até 3,2 milhões de reais por participação minoritária de 20% no capital social da empresa iniciante (start-up) uMov.me. A desenvolvedora de software também assumiu o compromisso de realizar investimentos futuros em participações adicionais na empresa até 2017. O negócio foi realizado por meio de sua subsidiária Totvs Ventures Participações, holding de investimentos em startups.

A uMov.me é fornecedora de tecnologia de mobilidade corporativa na “nuvem”- armazenamento de dados remotamente na Internet – na modalidade software como serviço, com suporte a múltiplas plataformas de smartphones e tablets, segundo o comunicado. A operação, entretanto, ainda será submetida à aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). 

No último dia útil da semana passada, a Totvs anunciou a aquisição da W&D Participações, dona das empresas PC Sistemas e PC Informática, por até R$ 95 milhões, de acordo com o fato relevante.