General Motors receberá em breve a quarta proposta para vender operações na Europa

Mídia norte-americana especula a possibilidade de concordata e o prazo final para reapresentação do plano de reestruturação

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A GM (General Motors) deverá receber a quarta oferta pelas operações da Opel e Vauxhall na Europa. A proposta será feita por uma fabricante de veículos da China.

A intenção de compra foi apresentada na quinta-feira (21) por fontes próximas ao assunto, que optaram por não identificar seus nomes e a companhia em que trabalham.

“Os riscos são grandes”, afirmou Yu Bing, analista da Ping Na Secutiries em Xangai, em declaração a agências internacionais. Ele ainda afirmou que “as fabricantes de veículos da China não possuem grande experiência e toda a tecnologia necessária para comprar algo como a Opel”.

Sigilo

Aprenda a investir na bolsa

A SAIC Motor, maior fabricante de veículos da China, negou que esteja envolvida na operação. O porta-voz da Chongqing Changan Automobile disse que a companhia não tem o interesse na Opel. Já a Chery Automobile optou por não comentar o assunto.

No vermelho

A GM está vendendo a maior parte de suas operações na Europa na tentativa de enfrentar uma possível concordata até o dia 1º de junho, data limite para realizar uma nova apresentação do seu plano de reestruturação ao governo norte-americano.

O grande desafio da GM é diminuir os gastos operacionais.

Alternativas

A administração de Obama não planeja colocar a GM em concordata e acredita que a reestruturação da montadora levará mais tempo do que a data limite, informou nesta sexta-feira (22) uma fonte oficial à Reuters.

Anteriormente, o jornal norte-americano Washington Post revelou que o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos tem a intenção de colocar a GM em concordata sob um plano de US$ 30 bilhões em novos empréstimos federais. No entanto, a informação não foi confirmada.

A fonte consultada pela Reuters afirmou que o Tesouro continua trabalhando com a GM no plano de reestruturação e enfatizou que não há pretensões para que a companhia entre em concordata.

PUBLICIDADE

“Em termos de previsão, não quero especular a questão de concordata. A administração Obama está comprometida em solucionar este caso, ficar ao lado da GM… E reconhece que o prazo estipulado para o novo plano de reestruturação ser apresentado não será cumprido”, disse a fonte.