Bolsas mundiais

Índices futuros americanos sobem e bolsas europeias ficam estáveis com Bitcoin e inflação no radar

Na semana passada, o índice S&P teve sua segunda semana consecutiva em território negativo, pela primeira vez desde fevereiro

Por  Equipe InfoMoney -

Os índices futuros americanos têm altas nesta segunda-feira (24), enquanto que as bolsas europeias se mantêm estáveis. As bolsas asiáticas fecharam em tendência de alta.

Na semana passada, o índice S&P teve sua segunda semana consecutiva em território negativo, pela primeira vez desde fevereiro. O índice Dow teve a quarta semana negativa dentre as cinco últimas. Já o índice Nasdaq rompeu com quatro semanas consecutivas de recuo e fechou em território positivo.

Apesar do balanço semanal positivo, o Nasdaq fechou a sessão de sexta-feira no vermelho.

Atenção para o Bitcoin: na quarta-feira, os preços da criptomoeda chegaram a marcar menos de US$ 30 mil, o menor nível desde o final de janeiro.

Na sexta-feira, o vice-premiê chinês Liu He e o Conselho de Estado da China afirmaram por meio de uma declaração que acreditam que é necessária maior regulação sobre a mineração e a comercialização de criptomoedas, para “evitar a transmissão de riscos individuais para o campo social”.

Apesar de certa recuperação nos preços desde quarta-feira, no domingo a venda de Bitcoin se manteve, fazendo com que o valor da moeda desabasse para menos de US$ 32 mil, um recuo de 16%. Nesta segunda pela manhã, a criptomoeda é cotada a 36.495,28.

Em sua reunião de abril, o Federal Reserve sinalizou que pode reconsiderar suas políticas monetárias caso a economia continue a apresentar sinais de rápida melhora.

Os Estados Unidos vêm registrando geração de empregos e aceleração da inflação. Até o dia 22 de maio, 48,58% da população do país havia sido vacinada, segundo dados oficiais compilados pelo site Our World in Data.

Nesta semana, empresas de varejos devem divulgar seus resultados trimestrais nos Estados Unidos, dentre elas Gap e Urban Outfitters. Empresas de tecnologia, incluindo Salesforce e Workday, também devem reportar.

As bolsas asiáticas fecharam em sua maioria em alta, mas investidores mantêm cautela com a ressurgência de casos de Covid em algumas partes da região, assim como pressões inflacionárias nos Estados Unidos.

Em Japão, o índice Nikkei 224 subiu 0,17%, enquanto que o Topix subiu 0,44%. Na China, o índice Shanghai composto subiu 0,31%, enquanto que o componente Shenzhen subiu 0,62%; o Kospi, da Coreia do Sul, recuou 0,38%; e o Hang Seng Index, de Hong Kong, recuou 0,26%.

Na Europa, as bolsas ficam estáveis na segunda-feira. Investidores se mantêm preocupados com a inflação no continente e com a queda acentuada do Bitcoin. O índice Eurostoxx, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, recua 0,02%.

Nesta segunda ocorrerá uma reunião especial do Conselho Europeu, que deverá discutir a pandemia de Covid, o meio ambiente e as relações entre Reino Unido e União Europeia.

Veja o desempenho dos principais índices às 6h40 (horário de Brasília):
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,46%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,46%
*Dow Jones Futuro (EUA), +0,41%
Europa
*Dax (Alemanha) – fechado
*FTSE 100 (Reino Unido), +0,25%
*CAC 40 (França), +0,17%
*FTSE MIB (Itália), -0,41%
Ásia
*Nikkei (Japão), +0,17% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -0,16% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -0,38% (fechado)
*Shanghai SE (China), +0,31% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +1,73%, a US$ 64,68 o barril
*Petróleo Brent, +1,82% a US$ 67,65 o barril
*Bitcoin +5,17%, a US$ 36.495,28
**Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 5,21%, cotados a 1064,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 165,47 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,43

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 176 mil pessoas que acompanham a plataforma.

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.

Compartilhe