Momento de incertezas

Fundos de investimento podem interromper alta dos preços do açúcar

Especialistas fazem avaliação durante evento para discutir o cenário para açúcar e etanol

Por  Datagro -

A participação dos fundos de investimentos nos contratos agrícolas está significativamente expressiva e a venda destes papéis pode interromper abruptamente o ciclo de alta de preços no mercado mundial do açúcar. Este foi o principal recado transmitido por consultores, traders, executivos, entre outros especialistas do setor sucroenergético, em painel realizado nesta segunda-feira (17), durante o primeiro dia da 16ª Conferência Internacional DATAGRO sobre Açúcar e Etanol, que acontece em São Paulo (SP).

“Arrisco a dizer que a participação dos fundos é histórica e a saída deles do mercado [liquidação dos contratos] pode acarretar em queda rápida das cotações do açúcar”, disse Michael McDougall, vice-presidente da Newedge. O dilema, especialmente para as usinas, assinalou o CEO da VA&E, Clóvis Junqueira, é que o movimento dos fundos é uma verdadeira incógnita. “Desta forma, neste momento, avalio que quem tiver condições de fixar preço, que o faça, já que o cenário está positivo para as cotações”, orientou Junqueira, acrescentando que o “o pior – caso ocorra um recuo agudo dos preços – é ficar com aquele sentimento de que se perdeu a oportunidade”.

O posicionamento do executivo da VA&E é corroborado por Arnaldo Correa, diretor da Archer Consulting, que ressaltou: “não quebra quem coloca dinheiro no bolso”. Segundo Correa, de fato, os preços do açúcar estão inflados artificialmente pela presença maciça dos fundos de investimentos nos contratos agrícolas.

Sob o ponto de vista dos fundamentos de oferta e demanda, Stuart Maron, trader da ADM do Brasil, avaliou que a produção não vem acompanhando o consumo mundial de açúcar, que vem crescendo a uma taxa de 2% ao ano. “Com base nesta lógica, de que há déficit de açúcar, acredito que o Brasil tem condições de surfar em uma onda de preços valorizados pelos próximos quatro, cinco anos.”

 

Compartilhe