Fundos: 12% dos gestores detêm mais de 80% do patrimônio líquido total

Diferença de PL entre as grandes também mostra alta diferença; renda fixa é o destino predileto do investimento dessas instituições

SÃO PAULO – Mesmo em meio a diversas de categorias existentes para se investir em fundos e com uma grande quantidade de gestores para controlarem os seus investimentos, o mercado brasileiro de fundos mostra uma forte concentração de capital na mão de poucos gestores.

Segundo dados da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) atualizados na última sexta-feira (19), as 10 principais gestoras de fundos do mercado doméstico são responsáveis pela administração de R$ 1,2 trilhão, o que representa 83,7% da soma do patrimônio líquido de todas as 81 instituições brasileiras do setor (R$ 1,433 bilhão).

Analisando apenas essas 10 gestoras, vemos ainda forte discrepância na participação delas no PL. As três principais instituições – BB Nossa Caixa, Itaú Unibanco e Bradesco – respondem por 47% (R$ 674,2 bilhões) do total de capital investido em todos os fundos de investimentos do País, enquanto as três últimas do top 10 – BNY Mellon, BTG Pactual e Intrag – possuem pouco mais de 8% de participação (R$ 160,8 bilhões).

PUBLICIDADE

Renda fixa é o investimento predileto das tops
Uma característica em comum nas maiores gestoras de fundo do País é a preferência por alocar seus investimentos em renda fixa. Dos R$ 308,6 bilhões presentes no PL da BB Nossa Caixa –
maior gestora do Brasil -, 30,8% são destinados para os fundos de renda fixa. Fundos de ações (16,1%), multimercados (14,1%) e referenciado DI (13,7%) são outras categorias que encabeçam as preferências do banco.

Em ordem de maior patrimônio líquido, Itaú Unibanco (21,8%), Bradesco (34,9%), Santander Brasil (31,2%) e Caixa (56,4%) também destinam a maior parcela do dinheiro de seus cotistas nessa categoria de investimento. Não por menos, os fundos de renda fixa respondem por um quarto do PL de todos os fundos de investimentos de capital doméstico, sempre de acordo com os dados da Anbima.