Inflexível

Fracasso em reunião na sexta: Obama não vai fazer nenhuma nova oferta

Isso é praticamente um ultimato para os republicanos: ou aceitam a proposta de Obama de que os cortes de impostos serão somente para quem recebe US$ 250 mil ou menos por ano, ou os efeitos do abismo serão sentidos

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O presidente norte-americano Barack Obama se reuniu com líderes do congresso nesta sexta-feira (28), em uma conversa que se mostrou um fracasso na opinião dos presentes. De acordo com fontes envolvidas, que contaram à mídia norte-americana, o presidente democrata não deve fazer nenhuma nova proposta para evitar o abismo.

Isso é praticamente um ultimato para os republicanos: ou aceitam a proposta de Obama de que os cortes de impostos serão somente para quem recebe US$ 250 mil ou menos por ano, ou os efeitos do abismo serão sentidos. O presidente também quer a extensão do seguro desemprego para 2 milhões de desemprego – e se mostrou otimista de que esse plano deve ser aprovado tanto na Câmara dos Deputados quanto no senato. 

Essa notícia fez com que as bolsas norte-americanas acelerassem as perdas: o Dow Jones fechou em queda de 1,21%, aos 12.938 pontos, enquanto o Nasdaq caiu 0,87%, aos 2.960 pontos. Por fim, o S&P 500 caiu 1,14% para 1.402 pontos. O abismo fiscal é a principal preocupação do mercado para a próxima semana – e seu resultado, seja um acordo para evita-lo ou não, deve mexer com a bolsa. 

Todavia, o abismo não é um evento “binário”, isto é: há a possibilidade de que as conversas se arrastem no início do ano, até março. Isso pode enfraquecer a bolsa temporariamente, até que um acordo definitivo, que venha a elevar a capacidade de endividamento dos EUA seja autorizado em algum período até março – data na qual os EUA provavelmente não mais poderão legalmente pagar suas dívidas.