Focus: mercado eleva projeção de crescimento do PIB em 2007 para 4,20%

As estimativas para a taxa de câmbio ao final do ano foram reduzidas, passando de R$ 2,00 para R$ 1,95

Por  Juliana Pall Farias -

SÃO PAULO – Pela segunda semana consecutiva, o mercado elevou suas projeções para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2007, passando de 4,16% para 4,20%.

O relatório Focus desta semana também mostrou a redução nas estimativas para a taxa de câmbio ao final deste ano. As perspectivas são de que a moeda norte-americana encerre 2007 cotada a R$ 1,95, ante projeção anterior de R$ 2,00. Para o mês de junho, as estimativas para a cotação do dólar frente ao real também foram revistas para baixo, passando de R$ 1,95 para R$ 1,93.

As projeções para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de maio foram elevadas em 0,01 ponto percentual, passando a 0,21%. Ao final do ano, as estimativas para a medida oficial da inflação doméstica foram mantidas em 3,50%.

O Focus

O relatório Focus é um informe que relata as projeções do mercado com base em consulta a aproximadamente cem instituições financeiras durante a semana anterior.

As projeções referem-se às principais variáveis macroeconômicas brasileiras esperadas para os meses de maio e junho deste ano, além dos dados projetados para os períodos de 2007 e 2008.

Confira as projeções da última semana:






































































































Maio/200720072008
25/05Atual25/05Atual25/05Atual
IPCA0,20%0,21%3,50%3,50%4,00%4,00%
IGP-DI0,10%0,10%3,42%3,42%4,00%4,00%
IGP-M0,10%3,53%3,44%4,00%4,00%
IPC-FIPE0,22%0,25%3,66%3,68%3,75%3,80%
PIB4,16%4,20%4,00%4,00%
Balança Com.US$ 42,00 biUS$ 42,00 biUS$ 36,10 biUS$ 36,44 bi
Saldo em Conta CorrenteUS$ 9,10 biUS$ 9,50 biUS$ 5,00 biUS$ 5,00 bi
Invest. Estr.US$ 20,00 biUS$ 20,00 biUS$ 20,00 biUS$ 20,00 bi
Taxa de CâmbioR$ 1,96R$ 2,00R$ 1,95R$ 2,05R$ 2,05
Selic Meta10,75%10,75%10,00%10,00%
Dívida Líquida Setor Público (% PIB)43,90%43,86%42,00%41,90%

Fonte: Banco Central

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe