EUA: Wall St fecha em alta; Nasdaq e S&P 500 batem recordes com dados de trabalho

Ações de megacapitalização avançaram com dados que sinalizaram a fraqueza do mercado de trabalho dos EUA

Reuters

Operadores na bolsa de Nova York (REUTERS/Brendan McDermid/File Photo)
Operadores na bolsa de Nova York (REUTERS/Brendan McDermid/File Photo)

Publicidade

Os índices acionários de Wall Street fecharam em alta nesta sexta-feira, com os índices de tecnologia Nasdaq e o S&P 500 batendo recordes, conforme ações de megacapitalização avançaram com dados que sinalizaram a fraqueza do mercado de trabalho dos Estados Unidos e aumentaram as expectativas de cortes na taxa de juros já em setembro.

A alta foi impulsionada por ações de megacapitalização, como a Microsoft, que subiu quase 1,5%, atingindo um recorde.

A Meta também atingiu um recorde de fechamento, ganhando cerca de 5,9%, levando o setor de tecnologia da informação a um recorde.

Continua depois da publicidade

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP 

O setor de serviços de comunicação do S&P 500 foi o de melhor desempenho, atingindo seu nível mais alto desde 2000.

O Dow Jones subiu 0,17%, para 39.375,87 pontos. O S&P 500 ganhou 0,54%, para 5.567,19 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,90%, para 18.352,76 pontos.

Continua depois da publicidade

Na semana, o S&P 500 ganhou 1,95%, o Nasdaq subiu 3,5% e o Dow Jones avançou 0,66%.

Os dados do Departamento do Trabalho dos EUA mostraram que o crescimento do número de empregos desacelerou marginalmente em junho, e a taxa de desemprego subiu para um pico em mais de dois anos e meio, enquanto os ganhos salariais diminuíram.

Os investidores esperam que os dados possam estimular um debate mais ativo sobre cortes nos juros quando o Federal Reserve se reunir neste mês. As probabilidades de que o banco central dos EUA faça um afrouxamento em setembro subiram de 66%, antes dos dados, para 79%, segundo a ferramenta FedWatch da CME.

Continua depois da publicidade

“Se isso continuar no próximo mês, sem aumentos nos salários por hora, acho que veremos um corte na taxa básica em setembro e outro em dezembro”, disse Peter Cardillo, economista-chefe de mercado da Spartan Capital Securities.