EUA: prévia de PIB deve confirmar crescimento, não a consistência da recuperação

Analistas apostam em aumento em torno de 5,5% para a taxa, mas ainda creditam dado às políticas fiscal e monetária extremas

Por  Livia Teixeira

SÃO PAULO – A aposta predominante é que a economia dos Estados Unidos deverá apresentar uma melhoria nos resultados do quarto trimestre de 2009, porém o crédito vai em grande parte para os incentivos governamentais implementados durante a crise econômica. Ou seja, para os analistas, os dados devem ser positivos, mas a consistência do ritmo de crescimento da economia do país ainda é duvidosa.

Segundo o Banco Schahin, a primeira estimativa do crescimento do PIB para o período, que será divulgada na próxima sexta-feira (29) pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos, deve apresentar um “bom ritmo anualizado na margem”, mas não deve gerar entusiasmo para os próximos trimestres.

Em linha com esta análise, a equipe do Banco Santander afirma que o resultado para o último trimestre deve representar crescimento de 5,3% em relação ao trimestre anterior, mas alerta que o mercado não deve se “iludir” com este número. De acordo com o Santander, grande parte da contribuição no PIB do país vem de “componentes ligados à recuperação dos piores momentos da crise”. A recuperação de estoques e o consumo das famílias foram comprimidos por bens duráveis de consumo – auxiliados por estímulos fiscais.

Ganhando força
“Com a gradual recuperação dos estoques e do fim dos estímulos, será difícil manter o mesmo ritmo de crescimento em vista dos fundamentos macroeconômicos ainda deteriorados (como a alta taxa de desemprego, diminuição na renda e retração do crédito são alguns exemplos) que não estimulam nem consumo das famílias, nem investimentos”, afirmam, destacando que este resultado é apenas um reflexo das medidas de política fiscal e monetária criadas no pior período da crise econômica.

Para os analistas da SulAmérica, a economia do país deverá mostrar um crescimento anualizado de 4,5% ante a expansão anualizada de 2,2% no terceiro trimestre de 2009. De acordo com a análise, “o número deverá reforçar a percepção de que a recuperação vem ganhando força”, afirmam.

Lento e constante
Os analistas do Wells Fargo estimam que o PIB dos EUA no quarto trimestre de 2009 apresentará um crescimento anualizado de 5,6% em relação ao ano anterior. Segundo eles, não é visto um aumento nos gastos do consumidor norte-americano, pois de nada adianta uma recuperação econômica se as empresas ainda não estão contratando e a taxa de desemprego permanece alta – aspectos considerados importantes pela instituição norte-americana, que aposta em uma recuperação lenta da economia do país, mas constante.

Compartilhe