Análise

Estrangeiro retirou R$ 21 bi da bolsa brasileira apesar de ânimo com reformas: O que aconteceu?

Enquanto os últimos meses foram muito positivos para o cenário brasileiro, o pânico se instaurou no exterior, com eventos como a guerra comercial e crise na Argentina

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – No início do ano, com a chegada do governo Jair Bolsonaro, o Ibovespa engatou um movimento de alta, que chega a mais de 10% de ganhos até agora. Porém, o investidor estrangeiro se manteve – e ainda se mantém – fora da bolsa brasileira nestes oito meses. Até o momento o saldo do “gringo” no País está negativo em mais de R$ 21 bilhões, próximo de bater o recorde da série histórica iniciada em 1996.

Gestores e analistas apontam desde janeiro que, para o investidor estrangeiro, faltavam eventos concretos positivos no Brasil, como a aprovação da reforma da Previdência, para levar a uma volta dos investimentos. Mas o texto andou, já é dado como praticamente aprovado no Congresso uma vez que, após aprovado pela Câmara, a expectativa é de uma tramitação mais tranquila pelo Senado.

Porém, nos últimos dois meses, o desempenho do Ibovespa é bastante decepcionante, tendo ganhos de apenas 0,84% e acumulando baixa de 4% em agosto até a sessão da última sexta-feira (28), enquanto o dólar atingiu a máxima desde a eleição na última sessão, alcançando os R$ 4,15. Por que este movimento está ocorrendo?

PUBLICIDADE

Basicamente, a “culpa” é do cenário externo. Enquanto os últimos meses foram muito positivos para o cenário brasileiro com o andamento das reformas e a expectativa por uma evolução da economia, o pânico se instaurou no exterior, com eventos como a guerra comercial entre EUA e China, a inversão da curva de juros nos EUA indicando uma recessão e crise na Argentina.

Diante disso, o que se tem visto é uma fuga global para ativos mais seguros, como o dólar. A alta do ouro e títulos do Tesouro americano também é um indicativo desta mudança de alocação dos investidores no mundo todo.

Por aqui, o estrangeiro, que hoje representa cerca de 44% do mercado, já tirou R$ 21,4 bilhões do mercado brasileiro este ano, sendo que metade, ou R$ 10,9 bilhões apenas em agosto até o dia 22. O resultado já supera o da crise de 2008, quando em oito meses saíram R$ 16,53 bilhões do Brasil via estrangeiros.

Para Carlos Takahashi, CEO da BlackRock Brasil, realmente havia uma expectativa de retorno do estrangeiro com a Previdência, movimento pequeno que chegou até a ser observado com a aprovação da matéria na Câmara.

“Atualmente, há que se considerar que boa parte dos investimentos estrangeiros em bolsa brasileira ocorre através de índices ou estratégias amplas focadas em mercados emergentes ou, em alguns casos América Latina e não especificamente em Brasil”, explica Takahashi citando que eventos como a guerra comercial e outros que impactam a aversão ao risco, levando a fuga para “moeda forte”, acabam impactando os países emergentes de uma forma geral e, por consequência, o Brasil.

Em junho, James Gulbrandsen, sócio da gestora NCH Capital, já havia apontado que os mercados internacionais estavam sendo “dominados” por ETF (sigla em inglês para Exchange Traded Funds), que são fundos que acompanham índices. Por isso, quando um investidor reduz sua posição em um ETF de mercados emergentes, está incluso no pacote o Brasil.

PUBLICIDADE

O Brasil representa cerca de 8% do maior ETF de ações emergentes, o iShares Code MSCI Emerging Markets ETF (IEMG). Esse fundo, junto com outros ETFs de países desenvolvidos, tem sofrido retiradas com a venda generalizada de ativos de risco. As saídas desse ETF totalizaram US$ 11,4 bilhões nas últimas seis semanas, reduzindo o saldo positivo no ano para US$ 1,02 bilhão.

É por conta deste movimento mais técnico, por exemplo, que o Brasil é bastante afetado pela crise pela qual passa a Argentina. Há duas semanas o país vizinho mergulhou no caos, com a bolsa local desabando, o dólar disparando e o CDS saltando para níveis na casa de 2 mil pontos após o atual presidente Mauricio Macri ser derrotado por 15 pontos contra a chapa formada por Alberto Fernández e Cristina Kirchner nas primárias do país.

Saindo por uma porta e entrando por outra
Apesar destes números de saída de estrangeiros da bolsa, um outro dado é bastante interessante e dá sinais positivos sobre o ânimo deles com o Brasil: trata-se da entrada de capital via ofertas de ações. Em sua última carta mensal, a JGP, uma das maiores gestoras de recursos independentes do Brasil, destacou que o saldo estrangeiro ficaria positivo em mais de R$ 15 bilhões até 31 de julho se contabilizar a participação em ofertas de ações.

Neste ano, as ofertas de ações de empresas brasileiras já levantaram cerca de R$ 57 bilhões, 131% a mais do que o mesmo período no ano passado, segundo dados compilados pela Bloomberg. “O estrangeiro tem participado das ofertas para tentar se alocar”, disse David Beker, estrategista de ações para América Latina do Bank of America Merrill Lynch, à Bloomberg. “Esse movimento está apenas começando”.

Takahashi, CEO da BlackRock, diz que este é um fato importante. “Tanto a questão dos IPOs quanto alguns fundos ativos, incluindo estrangeiros, que atuam olhando empresas especificas, setores e, sobretudo, embasados em fundamentos, têm encontrado boas oportunidades, o que justifica o importante fluxo de estrangeiros nos IPOs que ocorreram neste ano”, explica. Assim, apesar da saída dos estrangeiros da bolsa representar, à primeira vista, algo negativo, ela acaba apontando mais uma realocação do que exatamente uma saída dos investidores externos do País. 

Para que o ânimo prossiga, Takahashi destaca ser inegável que a aprovação da reforma da Previdência é essencial, não só como condição necessária para a gestão do déficit fiscal, mas também para a credibilidade e previsibilidade dos gastos públicos no longo prazo.

“Mas é imprescindível que tanto as demais reformas, como a tributária, e as privatizações também sejam implementadas, bem como as demais medidas que proporcionem a retomada consistente do crescimento econômico, para que o aguardado fluxo de investidores estrangeiros venha para o nosso País e não percamos esta oportunidade excepcional”, conclui.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos