Comissão de Agronegócios

Empresários franceses criam comissão para avaliar investimentos no agronegócio brasileiro

Desafio do Brasil envolve combinar o embarque de commodities com uma exportação mais acentuada de produtos de maior valor agregado

Sob o guarda-chuva da Câmara de Comércio França-Brasil de São Paulo (CCFB-SP), empresários franceses criaram um grupo de trabalho, a fim de avaliar possíveis investimentos no agronegócio brasileiro. Batizada de “Comissão de Agronegócios”, a iniciativa foi lançada nesta semana, em evento, na cidade de São Paulo. Na ocasião, Regina Helena Couto Silva, economista do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depec), do banco Bradesco, fez uma apresentação na qual destacou as oportunidades e os desafios do agronegócio brasileiro, dando especial ênfase aos temas que podem destravar ou afugentar investimentos no setor.

Regina pontuou que como a demanda mundial por produtos agrícolas – não só alimentos, como também fibras, biocombustíveis, derivados de madeira – é crescente, o Brasil tem a oportunidade de efetivamente se consolidar como celeiro do mundo. Um dos nossos grandes desafios, disse a economista, é de o País combinar o embarque de commodities, com uma exportação mais acentuada de produtos de origem agrícola beneficiados, com maior valor agregado. Entretanto, de acordo com Regina, além de organizarmos melhor nossa oferta, precisamos quebrar o modelo vigente nas negociações internacionais. “Nossos compradores querem importar matéria-prima para eles beneficiarem.”

Segundo Regina, entraves relacionados à infraestrutura logística, bem como um ambiente regulatório difícil no que diz respeito, por exemplo, a licenciamento ambiental, capital estrangeiro em terras, complexidade fiscal e tributária são fatores preocupantes aos olhos dos investidores. “Há uma insegurança jurídica nestes temas que limita o ingresso de capital”, ressaltou.

Por outro lado, na avaliação da economista, o agronegócio é um segmento fértil em oportunidades de novos negócios, não apenas na parte da produção física nas propriedades rurais. “Há todo um leque de serviços que circunda o agronegócio, como finanças, transporte, distribuição, seguros, educação, tecnologia da informação que podem ser objeto de investimentos e bons negócios.” Para o presidente da CCFB-SP, Roland de Bonadona, a “Comissão de Agronegócios” nasce com o objetivo de incentivar parcerias, promover intercâmbio entre empresários franceses e brasileiros, a fim de estimular investimentos entre os setores produtivos dos dois países.