Embraer: S&P eleva rating para grau de investimento e JPMorgan reforça otimismo com ação

A agência ressaltou foco contínuo da Embraer em operações mais eficientes, combinado com sua robusta carteira de pedidos (backlog), deverá sustentar fluxos de caixa sólidos nos próximos anos

Equipe InfoMoney

Publicidade

Na última quarta-feira (7), a agência de classificação de risco S&P Global Ratings elevou o rating da Embraer (EMBR3) de “BB+” para “BBB-”, para grau de investimento, e manteve perspectiva estável.

De acordo com a S&P, a forte geração de caixa da Embraer aliada ao aumento nas entregas de aeronaves, redução de custos e medidas de eficiência levaram a um fluxo de caixa livre em 2023 que foi consideravelmente mais forte do que as projeções da empresa para o mercado.

A agência ressaltou foco contínuo da Embraer em operações mais eficientes, combinado com sua robusta carteira de pedidos (backlog), deverá sustentar fluxos de caixa sólidos nos próximos anos. A perspectiva estável considera que a Embraer continuará assinando novos contratos em todos os segmentos de negócios, apoiando sua sólida carteira de pedidos e fluxos de caixa, ao mesmo tempo em que manterá sua baixa alavancagem financeira nos próximos anos.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A avaliação da S&P é um importante reconhecimento do foco e da disciplina com que a gestão financeira da empresa tem sido realizada nos últimos anos. A recuperação do nosso negócio está concluída e estamos no caminho certo para entregar um crescimento mais sustentável e com maior rentabilidade financeira daqui para frente”, disse Antonio Carlos Garcia, CFO da Embraer, em comunicado.

No documento, a Embraer também citou que outras duas principais agências de rating do mercado financeiro também revisaram suas projeções para a empresa de forma positiva, melhorando suas notas de rating. A Fitch Ratings revisou o BB+ da empresa com perspectiva positiva, enquanto a Moody’s elevou para Ba1 o rating e manteve perspectiva estável.

Após a notícia, o JPMorgan reiterou a visão positiva para a ação, com recomendação overweight (exposição acima da média, equivalente à compra) e preço-alvo de R$ 28, ou um potencial de alta de 29% frente o fechamento da véspera.

Continua depois da publicidade

“Em nossa opinião, o racional da S&P para o grau de investimento corrobora com nossa tese positiva sobre o nome, já que a agência de classificação destacou no comunicado as medidas que levaram a um fluxo de caixa livre em 2023 consideravelmente mais forte do que o guidance”, apontou o JPMorgan, que vê uma série de catalisadores positivos para a companhia se materializando em 2024.