Embraer (EMBR3): entrega de jatos supera expectativas e analistas reforçam visão positiva para companhia

Empresa anunciou suas entregas e números de carteira de pedidos para o segundo trimestre de 2023

Felipe Moreira

Reprodução / OGMA

Publicidade

A Embraer (EMBR3) anunciou na última quinta-feira (4), após o fechamento do mercado, suas entregas e números de carteira de pedidos para o segundo trimestre de 2023 (2T23).

A companhia entregou 47 jatos no segundo trimestre de 2023, sendo 17 comerciais e 30 executivos (19 jatos leves e 11 jatos médios), superando as expectativas do JPMorgan de 40 aeronaves para o período.

Segundo cálculos do JPMorgan, a Embraer entregou cerca de 32% do ponto médio de sua orientação para o ano fiscal de 2023, que varia de 185 a 200 aeronaves (36% de comerciais / 30% de jatos executivos).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O banco estima que as entregas tragam um viés positivo de cerca de 11% para a receita no 2º trimestre de 2023, que é de US$ 1,23 bilhão, e um viés positivo de cerca de 34% em relação às estimativas do consenso de US$ 1,12 bilhão. Além disso, o JPMorgan acredita que o forte nível de entregas (+18% em relação ao JPM) traga um risco positivo para o Fluxo de Caixa Livre (FCF).

Em relação à carteira de pedidos, ela totalizou US$ 17,3 bilhões, praticamente estável em relação ao ano anterior e ao trimestre anterior, representando 3,5 vezes a receita dos últimos 12 meses (LTM).

O JPMorgan vê a Embraer sendo negociada a um múltiplo de 4,5 vezes Valor da firma (EV)/Ebitda para 2024, bem abaixo dos seus pares.

Continua depois da publicidade

As entregas de aeronaves comerciais e executivas da Embraer no 2T23 também superaram as estimativas do BBI de 13 e 27 aeronaves, respectivamente. Na avaliação do banco, a orientação de entrega de aeronaves de 65-70 aeronaves comerciais e 120-130 jatos executivos para 2023 ainda está no caminho certo.

Segundo o BBI, a Embraer deve aumentar as entregas de jatos comerciais e executivos no 2S23 em 8% (+3 unidades) e 19% (+14 unidades) na comparação anual, respectivamente, o que parece factível dado que: 1) pré-pandemia (2017-19), a Embraer costumava entregar 49 aeronaves comerciais no 2 semestre, acima das 41 unidades esperadas no 2S23; 2) são pedidos firmes; e 3) as encomendas da American Airlines e Jordanian Airlines começarão a ser entregues no 4T23. “Portanto, o risco é a cadeia de suprimentos e não a demanda”, destacam analistas.

Para BBA, os resultados foram bons de forma geral, mostrando uma melhora significativa em relação ao 1T23 sazonalmente mais fraco, com um aumento respectivo de 55% e 43% na base anual nas divisões comercial e executiva, colocando a empresa no caminho para cumprir sua orientação para 2023.

O Itaú BBA ainda destaca que apesar da aceleração de entregas trimestral e anual, a Embraer manteve sua carteira de pedidos em níveis estáveis, sugerindo um bom fluxo de pedidos.

A XP Investimentos comenta que a Embraer apresentou números operacionais melhores no 2T23, com melhoras tanto na comparação trimestral (alinhado à sazonalidade esperada) quanto na base anual como positivas, e prevê uma recuperação contínua ao longo do segundo trimestre de 2023.

Quanto à carteira de pedidos, a XP vê uma mensagem não tão positiva – “vimos o mercado decepcionado com os poucos anúncios de novas ordens no Paris Air Show deste ano, levando a uma adição líquida de 7 pedidos no 2T23, implicando um nível book-to-bill baixo de 0,4 vez para a divisão comercial”.

Em resumo, a XP acredita que os números operacionais dão um tom melhor para o resultado financeiro (que será divulgado dia 14 de agosto) e reitera visão de que a Embraer deve ser um destaque positivo entre as empresas de sua cobertura no 2T23.

O Itaú BBA e BBI mantiveram recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado, equivalente à compra) para os ADRs (recibo de ações, ou papéis negociados na Bolsa americana) da Embraer, com preço-alvo de, respectivamente, US$ 21 e US$ 25. O JPMorgan também reiterou avaliação equivalente à compra, com preço-alvo de US$ 28.