Embraer (EMBR3): ação cai 4,65% com decepção após primeiros anúncios em evento em Paris – mas analistas mantêm visão positiva

Analistas do JPMorgan avaliam que novos pedidos possam ser anunciados nos próximos dias de evento; BBI vê companhia defendendo mercado

Lara Rizério

Publicidade

Teve início na última segunda-feira (19) o o altamente antecipado Paris Airshow, um dos maiores eventos da indústria da aviação. Analistas destacaram, inclusive, que este evento seria bastante importante para a Embraer (EMBR3), podendo ser um catalisador para os ativos, com a expectativa de novos pedidos a serem recebidos pela companhia.

Porém, os primeiros dias do evento não foram vistos como tão animadores para a fabricante de aeronaves. Na sessão desta terça-feira (20), as ações fecharam com queda de 4,65%, a R$ 19,26, e se destacaram como a maior queda do Ibovespa no dia. Até a véspera, o papel acumulava no mês elevação de mais de 6%.

Vários anúncios de novos negócios foram feitos no Le Bourget Air Show, conforme cita o Bradesco BBI: 1) 6 pedidos firmes para o E195-E2 da companhia aérea Binter, com entregas a partir do segundo semestre de 2024 (2S24) (US$ 504,7 milhões na lista de pedidos), e 2) 7 pedidos firmes do E175 para a American Airlines, com entregas a partir do 4T23 (US$ 403,4 milhões na lista).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A empresa também divulgou que: (i) a locadora Avolon irá arrendar 10 novos E195-E2s para a Porter Airlines, (ii)  a Azorra foi o cliente não revelado do pedido de 15 E195-E2s em janeiro de 2023, (iii) a Republic Airways juntou-se ao grupo de consultoria para desenvolver aeronaves da Família “Energia”  da Embraer, e (iv) a Embraer e a Recaro Aircraft Seating firmaram uma parceria para desenvolver assentos para E1s e E2s. O Le Bourget Air Show deve acontecer até 25 de junho.

Por fim, a Embraer divulgou a sua perspectiva para o mercado global em 20 anos, prevendo demanda por 11 mil novos jatos e turboélices com até 150 assentos até 2042 (80% jatos), ou US$ 650 bilhões, com base no retorno do tráfego aos níveis pré-pandêmicos até 2024 e uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de tráfego de passageiros de 3,2%, impulsionado principalmente pela Ásia-Pacífico (4,4%) e América Latina (4,1%).

“Até agora, os pedidos firmes da Embraer para aeronaves comerciais no Le Bourget Air Show foram mais fracos em comparação com 2022, quando a companhia garantiu 28 pedidos”, avaliam os analistas do BBI.

Continua depois da publicidade

No entanto, sinalizam que a empresa tem conseguido defender participação de mercado, apesar da concorrência mais agressiva com a Airbus. “Vemos também a expansão da Embraer em novos mercados com a sua aeronave E2, o que é uma notícia positiva para a empresa”, apontam.

O BBI mantém recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado, equivalente à compra), com preço-alvo de US$ 24 para o ADR (recibo de ações, ou ativos negociados na Bolsa de Nova York) ERJ, ou potencial de alta de 44% em relação ao fechamento da véspera.

O JPMorgan destacou também novos pedidos lentos, de 13 E-Jets, totalizando cerca de US$ 910 milhões em pedidos ante o esperado pelo banco de cerca de US$ 1,7 bilhão.

“Anúncios lentos até agora. Embora vejamos os novos pedidos de hoje como um início lento para a Embraer, acreditamos que novos pedidos adicionais possam ser anunciados nos próximos dias, já que no último Paris Air Show (edição de 2019) a Embraer dividiu seus anúncios em três dias (17, 18 e 19 de junho)”, apontam os analistas.

Os analistas do JP lembram que os anúncios de hoje representam apenas 13 novas aeronaves contra sua expectativa de pelo menos 30 e são todos representados por clientes existentes nos EUA e na Europa. O banco segue com recomendação overweight (exposição acima da média, equivalente à compra) para os ADRs da empresa.

O BTG Pactual aponta que, notavelmente, a Airbus fez um grande anúncio no setor de aviação comercial ao garantir um pedido recorde de 500 aeronaves da IndiGo, destacando o rápido crescimento do mercado indiano.

“Vale ressaltar que a Embraer participa ativamente de campanhas comerciais no país. Enquanto aguardamos novos grandes anúncios na aviação comercial, vemos o Paris Airshow como um evento positivo para a Embraer”, avalia o BTG, que tem recomendação de compra para o ativo EMBR3, com preço-alvo de R$ 24, ou potencial de alta de 19% em relação ao fechamento da véspera.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.