Em pregão instável, dólar à vista sobe 0,13% com ajustes e remessas

Operadores atribuíram escorregão do real a ajustes técnicos e a fluxo de remessas ao exterior.

Estadão Conteúdo

Publicidade

Com troca de sinais ao longo do pregão, o dólar à vista encerrou o dia em alta de 0,13%, cotado a R$ 4,9090, na contramão do sinal predominante de baixa da moeda americana no exterior.

Apesar da instabilidade, as oscilações foram contidas – de pouco de mais de três centavos entre mínima (R$ 4,8799) e máxima (R$ 4,9147), ambas pela manhã.

Operadores atribuíram o escorregão do real a ajustes técnicos e a fluxo de remessas ao exterior.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Além disso, teria pesado contra a moeda brasileira a queda de cerca de 1% do peso mexicano, após leitura benigna da inflação no país estimular as apostas de que o banco central do México (Banxico) dará início a um ciclo de corte de juros.

Lá fora, o índice DXY – termômetro do comportamento do dólar em relação a uma cesta de seis divisas fortes – operou em queda firme, na linha dos 103,500 pontos, em razão, sobretudo, da valorização de cerca de 2,5% do iene em relação à moeda americana.

Investidores interpretaram declaração do presidente do Banco do Japão (BoJ), Kazuo Ueda, de que a gestão da política monetária se tornará mais “desafiadora” como um sinal de que o BC japonês está se parando para encerrar a prática de taxa de juros negativa.

Continua depois da publicidade

“A questão do iene acabou influenciando o comportamento de outras moedas fortes em relação ao dólar, que já vinha se enfraquecendo com o sentimento de perda de força da economia americana e a perspectiva de que os juros comecem a cair mais cedo nos Estados Unidos”, afirma o sócio e head de câmbio da Nexgen Capital, Felipe Izac, acrescendo que indicadores recentes dos EUA mostram desaceleração da atividade.

Após dados abaixo do esperado do mercado de trabalho americano (relatório Jolts e ADP) nos últimos dias, os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA na semana encerrada em 2 de dezembro vieram em linha com o esperado.

As expectativas se voltam para a divulgação, amanhã, do relatório oficial de emprego (payroll) dos EUA referente a novembro, que pode mexer com as expectativas em relação à condução da política monetária americana.

Para Izac, da Nexgen, o quadro externo tem preponderado na formação da taxa de câmbio e, caso não haja um estresse no mercado internacional, há mais chances de o dólar voltar para níveis como R$ 4,80 ou até mesmo R$ 4,70 do que romper os R$ 5,00 e se aproximar de 5,10 no curto prazo.

“Apesar da nossa situação fiscal complicada, o viés ainda é de apreciação do real”, afirma Izac.

À tarde, o Banco Central informou que o fluxo cambial na semana passada (de 27 de novembro e 1º de dezembro) foi positivo em US$ 3,608 bilhões, graças sobretudo à entrada líquida de US$ 2,821 bilhões via comércio exterior.

Embora o fim de ano seja marcado por remessas de lucros e dividendos, o canal financeiro apresentou saldo positivo de US$ 787 milhões na semana passada, provavelmente em razão de investimentos em carteira, sobretudo para a bolsa doméstica.

Com o aumento de entrada de recursos nos últimos dias, o fluxo total em novembro, que vinha negativo até meados do mês, fechou positivo em US$ 296 milhões, resultado de entrada de US$ 999 milhões pelo lado comercial e saída de US$ 703 milhões pelo canal financeiro.

Tópicos relacionados