Entrevista

Ele viu a fraude bancária da Islândia por dentro e agora está preocupado com as criptomoedas

“Acho que vivemos em um sistema financeiro de castelo de areia”, disse o ex-banqueiro e investigador de fraudes Jared Bibler

Por  CoinDesk -

*Por David Z. Morris

Jared Bibler estava na barriga da besta. Então ele fez a autópsia.

Bibler foi gerente de ativos no Landsvaki, um dos maiores bancos da Islândia, do início de 2007 ao final de 2008. Nessa época, ele já tinha visto fraudes o suficiente no banco para levá-lo a abandonar o navio. Menos de duas semanas depois, o banco faliu.

No centro da enorme fraude bancária da Islândia estava um esquema elaborado envolvendo recompra de ações e empresas de fachada, que vinha acontecendo desde o final da década de 1990. Muito rapidamente, toda a economia islandesa afundou. As retiradas de dinheiro foram congeladas, as pensões foram destruídas e o mercado de ações da pequena nação perdeu 90% de seu valor.

Em poucos meses, em uma reviravolta muito satisfatória, Bibler levou seu conhecimento interno para a Autoridade de Supervisão Financeira da Islândia, onde atuou como investigador, desempenhando um papel importante em descascar a cebola da fraude que levou ao colapso. Bibler relata seus dias como investigador e suas descobertas impressionantes no novo livro “Segredo da Islândia: A história não contada da maior trapaça do mundo”.

Bibler agora dirige uma empresa de consultoria privada focada em investigações financeiras, particularmente fraude “greenwashing” destinada a esconder má conduta ambiental corporativa. Conversamos sobre sua perspectiva sobre as finanças como alguém que cresceu na classe trabalhadora, o que deu errado na Islândia e as perspectivas de uma repetição de uma crise alimentada por fraudes da elite.

Conte-me sobre a experiência de viver durante a crise islandesa, quando o mercado de ações entrou em colapso e os bancos falidos tiveram que limitar os saques de dinheiro.

Você sabe quando tem aquela sensação: “Estou com fome, o que tem na geladeira?” Enquanto vivíamos a crise, em vez de nos perguntar “O que há na geladeira?” havia um novo sentimento de “quanta comida temos hoje?”.

Quanto temos em nossas carteiras? Quanto tempo isso vai durar? Quando os bancos abrirão novamente? Foi uma mentalidade de sobrevivência por pelo menos alguns meses. Foi um trauma que mudou minha maneira de ver o mundo. Você percebe que o dinheiro é apenas uma constructo – é uma conveniência, mas pode valer zero amanhã. Era uma maneira diferente de ver a vida. Esse era o tipo de peça visceral.

A segunda parte que espero que as pessoas levem à sério é estender essa ideia aos mercados – não há tanto lá quanto pensamos.

Você diz que mudou a maneira como você vê o mundo. Como exatamente?

Minha visão de mundo é que a grande maioria das pessoas é trabalhadora e honesta e vive de uma maneira bastante honesta. Então, era muito óbvio na Islândia, havia essa classe de elite muito pequena que buscava renda sobre as pessoas. Essa classe tem palavras diferentes para quando eles vão prejudicar alguém.

Eu venho de uma origem da classe trabalhadora. E as pessoas comuns são sempre as que pagam a conta no final. Pessoas como nós, que leem o livro, que conhecem os mercados, ficam chocadas. Mas a pessoa média, o cara da rua, ele já sabia que o sistema é corrupto. Eles ficam tipo, “Bem, é claro que esses caras são vigaristas”.

Na Islândia, o fardo caiu sobre as pessoas que não tinham nada e, então, tinham menos do que nada. A facilidade com que esses caras [do mercado financeiro] podiam ver além disso, ou não se incomodar com isso, foi realmente chocante para mim. Quando eu mencionava coisas como “E quanto a essas outras pessoas?”, a resposta era: “Por que você está criando problemas?”.

Como o livro foi recebido na Islândia? Como seu título indica, a história real não é bem conhecida.

As pessoas na Islândia estão chocadas. Eles não sabem até que ponto foram enganados com a manipulação do mercado de ações. Ninguém nunca saiu e disse, isso já estava acontecendo há 10 anos, e tudo sobre esse mercado e no que você investiu era mentira. A fala do banqueiro hoje é que eles não fizeram nada de errado […] A história é que as coisas estavam bem na Islândia até o Lehman [Brothers, cujo fracasso foi um fator importante na crise financeira de 2008] apareceu. [Na verdade, a fraude de ações no centro da crise islandesa começou 10 anos antes da crise financeira global.]

Quer aprender a investir em criptoativos de graça, de forma prática e inteligente? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir

E como a história nunca foi realmente contada, acho que as lições nunca foram aprendidas na Islândia. E isso foi um grande motivador para eu escrever o livro. Eu queria mostrar o interior dos bancos e como isso era péssimo. É assim que o sistema funciona.

Acho que estamos vivendo em um sistema financeiro de castelo de areia. Temo que a Islândia 2008 seja o resto de nós em 2030.

O que aconteceu com os reguladores da Islândia? Eles não deveriam estar olhando esse tipo de coisa?

[Agências regulatórias] contratam pessoas que eu chamaria de “viradores de páginas”. A pessoa que pode virar para alguma página e dizer: “Nós não fazemos isso aqui” e pegar seu cheque de pagamento e ir para casa. Essa cultura é generalizada. Eles não são agressivos. Eles não são pessoas como você e eu, que ficam entusiasmados com alguma fraude e querem persegui-la.

Algumas agências são melhores do que outras. A SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos EUA) traz muitos casos pequenos de insider [trading]. Mas eles não vão atrás de grandes [problemas] sistêmicos.

Ele não me deixa citá-lo, mas um economista vencedor do Nobel me disse que esta é a história de cada banco. Eles não estão todos lá comprando suas próprias ações. Mas qualquer coisa para impulsionar seus [resultados] trimestrais. Em uma instituição financeira é fácil fazer isso. Muito mais fácil do que em uma empresa de manufatura.

Estamos em meio a um grande debate sobre política monetária, principalmente nos EUA. Existe uma relação entre fraude e oferta de dinheiro?

O tipo de trapaça que os bancos fizeram não teria sido possível sem o dinheiro fácil. Nesse caso, o dinheiro fácil veio dos credores mais gastadores do mundo – os alemães. O Deutsche Bank nunca encontrou um empréstimo que não quisesse fazer. E o governo alemão os apoia.

Portanto, [os bancos islandeses] sempre tiveram dinheiro suficiente para fazer manipulações [das ações]. Isso possibilitou o que considero a fraude fundamental por trás do crescimento [dos bancos].

De forma mais geral, quando há muito dinheiro circulando, as pessoas na sociedade tomam decisões terríveis. Há muita fraude e muito consumo aparente. Eles venderam mais Range Rovers na Islândia do que na Noruega e na Suécia combinadas em 2007 e 2008. O trabalho de minha esposa [mais tarde] foi retomar a posse de todos aqueles carros.

Você teve um caminho bastante único para o setor bancário, como uma pessoa que cresceu não apenas na classe trabalhadora, mas rodeada pelo declínio econômico.

Eu cresci em Billerica, Massachusetts. É provavelmente bem Trump nos dias de hoje. Classe trabalhadora, sem esperança. Então eu fui um milagre. Eu era o primeiro da minha classe e entrei no MIT.

Porque eu vim da classe trabalhadora, as pessoas pensam que se você está no MIT sua vida está feita. Mas acontece que não é verdade, porque você tem que descobrir o que fazer da sua vida. Depois que me formei, me envolvi em uma pontocom que era uma grande fraude.

Eles estavam vendendo softwares que não existiam. Vaporware. No MIT, que é um lugar difícil de se estudar, tudo é muito objetivo e prático. Se você desenvolve uma máquina que não funciona, ela se desmancha na hora. Não dá para enganar a física. Mas esses caras faziam isso o tempo todo.

Eles tinham esses caras de vendas de alta pressão. Eles iriam para uma seguradora e diziam, nós podemos fornecer a você um sistema completo de gerenciamento de sinistros […] como a Enron, assim que eles fechavam o acordo de software, eles registravam essa receita. O Goldman Sachs os denunciou e eles tinham 12 ou 20 processos de clientes contra eles […] Os vendedores recebiam uma redução de 10%, fechavam alguns negócios e se mudavam para as Ilhas Cayman ou algo assim. Ética absolutamente zero.

Não foi uma ótima experiência enquanto estive lá, mas foi uma experiência de aprendizado. Seus maiores clientes eram Enron, HealthSouth e Global Crossing [algumas das fraudes mais notórias da bolha das pontocom]. Eles estavam apenas perdendo a WorldCom.

Depois disso, você conseguiu uma posição com uma operação mais honesta.

Comecei a desenvolver um software global de back-office para o Morgan Stanley. Foi um trabalho árduo, mas uma experiência de aprendizado muito boa, e no que entregamos eu posso acreditar. Esse é outro exemplo de algo que tem que funcionar – eles têm que liquidar suas negociações todos os dias.

Então eu fui para a Islândia e era só chiclete e palitos de dente.

Se a tendência do mundo financeiro é para a fraude, como as criptomoedas se encaixam?

Para dar um exemplo, alguém aqui na Suíça estava construindo um token imobiliário […] o que é uma ideia legal, tudo bem. Mas nenhuma das coisas em um fundo regulamentado está sendo feita. Era uma coisa ainda menos transparente, mas como estava empacotado em um token era tipo, uau, emocionante.

Parecia uma maneira de fazer o que todo administrador de fundos deseja – receber muito dinheiro, cobrar uma grande taxa e quem se importa com o que você faz com isso. Onde você investe esse dinheiro costuma ser secundário.

Tenho muitas preocupações sobre as criptomoedas serem [mal utilizadas] financeiramente. Há toda uma infraestrutura sendo construída, onde as pessoas empacotam as coisas de maneiras diferentes. Vejo muitos problemas no gerenciamento de ativos sendo replicados em cripto.

*David Z. Morris é colunista chefe da página Insights da CoinDesk. Ele possui Bitcoin, Ethereum, Solana e pequenas quantidades de outros ativos digitais.

Quer aprender a investir em criptoativos de graça, de forma prática e inteligente? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir

Compartilhe