Dólar sobe frente ao real antes de dados de inflação

Participantes do mercado veem uma chance de 57% de que o Fed comece a reduzir os juros em pelo menos 0,25 ponto percentual em março, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group

Reuters

Dólar e Real (Foto: Getty Images)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar subia frente ao real nesta terça-feira, com investidores à espera de dados de inflação de Brasil e Estados Unidos nesta semana para calibrar as expectativas para a política monetária.

Às 10:25 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,51%, a 4,8949 reais na venda.

Na B3, às 10:25 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,48%, a 4,9080 reais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O principal foco dos mercados é um dado de inflação norte-americano agendado para esta semana, disseram especialistas da XP em nota a clientes nesta terça-feira. Caso venha dentro ou abaixo do esperado, a leitura pode revigorar o otimismo dos mercados globais, mas, no caso de qualquer cifra mais forte, devem cair ainda mais as apostas num início iminente para o ciclo de afrouxamento dos juros nos EUA.

Participantes do mercado veem uma chance de 57% de que o Fed comece a reduzir os juros em pelo menos 0,25 ponto percentual em março, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group, abaixo dos quase 64% de segunda-feira, após sinais mistos de autoridades do Fed sobre o momento dos cortes.

O presidente do Federal Reserve de Atlanta, Raphael Bostic, por exemplo, disse na véspera que, com a inflação ainda acima da meta de 2% do banco central dos Estados Unidos, sua tendência é defender que a política monetária permaneça rígida. Por outro lado, a diretora Michelle Bowman sinalizou vontade de apoiar eventuais cortes de juros à medida que a inflação diminui.

Continua depois da publicidade

No Brasil, o mercado aguarda a leitura do IPCA de dezembro, com expectativas de que a inflação tenha encerrado o ano passado dentro da banda de tolerância da meta oficial. O centro do objetivo, medido pelo IPCA, é de 3,25% para 2023, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Enquanto isso, investidores nacionais ficam de olho nesta terça-feira em reunião do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), com líderes do Congresso para discutir a medida provisória que estabeleceu a reoneração gradual da folha de pagamento.

“Os primeiros sinais vindos do Congresso não são muito positivos para o governo, com pressões dos parlamentares para que o presidente do Congresso devolva a medida provisória para o Executivo…, ao mesmo tempo que o Ministério da Fazenda já indicou que, caso a MP não seja aprovada, irá recorrer ao STF”, disse José Márcio Camargo, economista-chefe da Genial Investimentos. “O conflito entre os Poderes vai se intensificar.”

Na véspera, o dólar à vista fechou o dia cotado a 4,8700 reais na venda, em baixa de 0,04%.

Tópicos relacionados