Titulos públicos

Dívida da Espanha tem juro menor, após bem sucedido teste de estresse

Já os papéis das maiores economias da região do euro, França e Alemanha, têm rendimento mais alto com a notícia que a produção na indústria desses países caiu abaixo do aguardado

SÃO PAULO – Os títulos da Espanha sobem pela terceira sessão seguida, ancorados na divulgação do resultado positivo sobre o  teste de estresse para os bancos, relatado na sexta-feira (28), com os mercados já fechados. De acordo com o teste, as instituições financeiras precisam de € 59,3 bilhões, próximo ao esperado pelo mercado.

Já na Alemanha, os yields avançam após o país ter informado contração na produção da indústria. O setor industrial da Alemanha encolheu pelo sétimo mês seguido em setembro, conforme a maior economia da Europa sente o impacto da crise de dívida na região, mostrou nesta segunda-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compra (PMI).

O PMI do instituto Markit para a Alemanha subiu para 47,4 em setembro, maior leitura desde março mas ainda abaixo da marca de 50 que divide crescimento de contração. Em agosto, o índice havia atingido 44,7.

PUBLICIDADE

A segunda maior economia da zona do euro, a França, também relatou queda maior que o previsto na atividade industrial, o que contribuiu para impulsionar a alta de 0,96% de seus yields de papéis com maturação para uma década.

PaísRendimentoVariaçãoSpread vs. Bund*
Grécia19,32%-0,91%+18,10
Portugal8,93%-0,81%+7,57
Itália5,05%-0,53%+3,69
Espanha5,86%-1,28%+4,52
França2,20%+0,96%+0,74
Alemanha1,48%+2,57%

* Diferença calculada em pontos percentuais. Fonte: Bloomberg

Entenda: quanto maior, pior
Os títulos públicos são uma das maneiras que os governos possuem para se financiar, enquanto a variação diária dos rendimentos decorre das negociações no mercado secundário. O juro pago pelo governo e o valor do papel são definidos no momento da emissão dos títulos, mas este último sofre variação no mercado secundário.

Assim, quanto mais arriscado um investimento, maior será o prêmio demandado pelos investidores no mercado secundário. Portanto, o valor do título recua e, consequentemente, o rendimento no mercado secundário aumenta. Tal variação positiva é uma indicação de que caso o governo opte por emitir novos papéis o custo para se financiar deverá ser maior.