RADAR INFOMONEY Usiminas lucra R$ 1,2 bi: mas por que não empolga tanto? Confira no programa desta sexta

Usiminas lucra R$ 1,2 bi: mas por que não empolga tanto? Confira no programa desta sexta

Combustíveis

Distribuição de combustíveis está no limite, diz Sindicom

"É um crescimento chinês nas vendas de gasolina, o que tem levado a um esforço muito grande para manter o mercado abastecido", afirmou o presidente do Sindicom

RIO DE JANEIRO – O consumo de combustíveis no Brasil continua aquecido e o abastecimento do mercado nacional está no limite, disse nesta terça-feira a entidade que reúne as distribuidoras, com um crescimento de 6,3 por cento nas vendas neste ano em relação a 2011.

Para a gasolina, a projeção é de alta de 12,2 por cento no consumo em 2012, na comparação com o ano passado, informou o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom).

“É um crescimento chinês nas vendas de gasolina, índices que têm descolado do PIB, e isso tem levado a um esforço muito grande para manter o mercado abastecido”, afirmou Alísio Vaz, presidente do Sindicom, a jornalistas nesta terça-feira.

Com o aquecimento da demanda, não chegou a ocorrer desabastecimento de combustíveis no país, mas problemas pontuais de entrega do insumo para alguns postos chegaram a ser registrados, disse o executivo.

“Desabastecimento é uma palavra ruim, não é isso. Mas estamos muito próximos do limite”, disse Vaz, durante evento de balanço do ano.

Segundo ele, até o momento apenas no Amapá houve falta de combustíveis generalizada. “Nos demais Estados pode ter faltado em um posto ou outro, mas o consumidor sempre encontrava”, explicou. Para atender ao mercado estão sendo abertos mais postos, a frota de caminhões vem crescendo, disse Vaz, mas faltam obras estruturais como aumento dos portos, estradas e terminais.

“Temos gargalos na infraestrutura, como o recebimento de gasolina e diesel nos portos do Nordeste. As refinarias estão com a produção no limite e esses são os principais desafios dos investidores”, disse ele.

“Por trás disso está o fato de que estamos importando mais diesel e muita gasolina”, disse o executivo.

Vaz disse que as distribuidoras elevaram para 1 bilhão de reais os investimentos em infraestrutura de distribuição em 2012, contra 300 milhões de reais investidos em 2009, para atender ao crescimento vigoroso do setor.

PUBLICIDADE

“Está se discutindo se o PIB (Produto Interno Bruto) vai crescer 1,5 por cento, mas aqui a discussão é de um crescimento de demanda de 20 por cento da gasolina no Nordeste em 2012. É difícil manter o país abastecido com a mesma estrutura que se tinha há 20 anos”, disse o executivo.

Ele lembrou que em três anos o mercado cresceu 30 por cento. Enquanto o consumo de gasolina no país deverá crescer em média 12 por cento no ano, em alguns Estados a alta deve ser acima de 20 por cento, como Mato Grosso (24 por cento), Piauí (22 por cento) e Maranhão (20 por cento).

Já o mercado de óleo diesel deverá crescer 6,8 por ano este ano, ainda de acordo com a estimativa do Sindicom. A perspectiva é que as vendas do combustível, considerado um termômetro da economia, chegue a 55,8 bilhões de litros este ano. Desde 2009, a comercialização de óleo diesel cresceu 26 por cento.

Etanol
A média do consumo de combustíveis em 2012 não será maior porque houve queda no consumo de etanol hidratado, segundo o Sindicom.

A demanda de etanol hidratado deverá encerrar 2012 com uma retração de 10,4 por cento, de acordo com o Sindicom. Desde 2009 o consumo de etanol caiu 41 por cento, segundo a entidade.