Perspectiva

Direto ao ponto: Ibovespa deve seguir volátil, em dia de eleição nos EUA

Apesar de indefinição, analista aponta que se índice ultrapassar os 58.400 pontos deverá abrir caminho para acumular ganhos no curto prazo

SÃO PAULO – No retorno do feriado do Dia de Finados, o Ibovespa anulou parte dos ganhos da semana passada e fechou o pregão da última segunda-feira (5) em queda de 0,30% aos 58.209 pontos.

O índice permaneceu durante toda a sessão no campo negativo, refletindo o humor do mercado europeu, que também seguiu em queda. As bolsas norte-americanas, por sua vez, conseguiram sustentar ligeiros ganhos, diante da expectativa com a eleição presidencial dos Estados Unidos, marcada para esta terça-feira, quando a população decide se dá mais quatro anos de mandato ao atual presidente Barack Obama ou se muda de rumo com o republicado Mitt Romney. Conforme pesquisas da CNN, Washington Post e Wall Street Journal, os candidatos estão empatados com cerca de 49% das intenções de voto.

De acordo com uma pesquisa da gestora BlackRock, caso Barack Obama perca a eleição, os norte-americanos devem aumentar sua exposição ao mercado acionário. 33% dos pesquisados acreditam que os ganhos das ações deve ser superior caso o candidato de oposição, Mitt Romney, ganhe a eleição.

Ibovespa segue indefinido no curto prazo
Com o foco nos Estados Unidos, o Ibovespa promete mais uma sessão sem rumo definido, após esse início de semana baixista, com o índice ajustando sua movimentação com o mercado externo.   

“Os investidores devem ficar de olho nos 58.400 pontos, sendo a máxima atingida pelo índice na última quinta, pois caso rompa essa região deverá abrir caminho para acumular ganhos no curto prazo”, disse o analista da Trader Brasil, Alan Soares. Outro patamar que deve ser monitorado com cautela é o suporte dos 57.500 pontos, pois se ultrapassar deverá seguir devolvendo a alta da semana passada, ponderou. 

É importante ficar atento também ao término do horário de verão nos Estados Unidos, o que deixa a bolsa brasileira com duas horas e trinta minutos de diferença dos principais índices norte-americanos. “O pregão não teve o horário alterado, como normalmente acontecia, e isso  gera menos liquidez para o mercado brasileiro”, enfatiza o analista. 

Agenda econômicas
Com exceção da eleição presidencial nos Estados Unidos, que deve mexer com o humor do mercado na próxima sessão, a agenda norte-americana perde um pouco de força e o olhar deve se voltar para os indicadores nacionais, com destaque para os dados de sondagem industrial e vendas e produção de veículos referentes ao mês de outubro.

A temporada de balanços corporativos também ganhará força, quando estão programados para ser divulgados os números do terceiro trimestre da: Anhanguera (AEDU3), BMFBovespa (BVMF3), BR Properties (BRPR3), BTG Pactual (BBTG11), Copasa (CSMG3), Ecorodovias (ECOR3), Eletropaulo (ELPL4), Eucatex (EUCA4), Telefônica Brasil (VIVT4) e Log-In (LOGN3). Confira demais resultados na agenda do portal InfoMoney.

Já na Europa, a principal referência fica com o leilão de títulos públicos da Grécia, além do PMI (Índice Gerente de Compras, na sigla em inglês) de serviços da zona do euro e encomendas industriais da Alemanha.

PUBLICIDADE