Perspectiva

Direto ao ponto: Ibovespa deve seguir para 4° queda consecutiva

Com agenda de indicadores escassa, investidor deve acompanhar temporada de balanços, que tem como destaque números da Brasil Foods, Cyrela e Hypermarcas

SÃO PAULO – O discurso do presidente dos Estados Unidos não animou na última sexta-feira (9), levando o Ibovespa ao campo negativo uma hora antes do fechamento do pregão. Em uma sessão instável, o benchmark fechou com perdas de 0,29%, atingindo 57.357 pontos, pela terceira vez consecutiva.

O presidente reeleito, na última terça-feira (6), disse que vai convidar os líderes dos dois partidos dos EUA para ir à Casa Branca na próxima semana para negociar meios de evitar o abismo fiscal, ou “fiscal cliff”. O objetivo, segundo Obama, é “construir um consenso”, e as prioridades são “o emprego e o crescimento”.

Ibovespa deve seguir para 4ª queda
O comentário do Obama não animou muito o mercado brasileiro, embora tenha sustentado uma ligeira alta nos principais índices acionários norte-americanos. O cenário ainda é incerto, afetado principalmente pelo desafio do governo dos EUA em combater o fiscal cliff, o que abre caminho para a provável continuação do movimento de queda do índice nessa sessão, estima o analista Alan Soares, da Trader Brasil. 

“O Ibovespa pode não respeitar o suporte na região dos 57.000 pontos, e seguir em queda. O mercado, no geral, está fraco, e a questão macroeconômica não está contribuindo para essa retomada, embora os últimos meses do ano as bolsas normalmente busquem uma recuperação”, reforçou. 

Agenda de indicadores
Com feriado nos Estados Unidos, a agenda contará com poucos indicadores econômicos, com destaque para a divulgação do relatório Focus, que traz uma compilação das perspectivas econômicas para o Brasil e indicadores antecendentes, divulgado pela OCDE. 

A temporada de resultados do terceiro trimestre ganhará força, quando serão divulgados os números da Amil (AMIL3), BR Malls (BRML3), Brasil Foods (BRFS3), CCR (CCRO3), Cyrela (CYRE3), HRT (HRTP3) e Hypermarcas (HYPE3). Confira os demais resultados da agenda do portal InfoMoney.

Ministros das Finanças adiam empréstimo grego
Vale lembrar que os ministros das Finanças da zona do euro decidiram adiar a decisão sobre a próxima tranche de ajuda à Grécia, de 12 para 26 de novembro. O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou, que apesar do Parlamento grego ter já aprovado o pacote de austeridade exigido pela troika, ainda não estão reunidas as condições para desbloquear a tranche. 

Com escassa maioria, os deputados dos partidos que formam a coligação governamental da Grécia aprovaram na última noite um plano de austeridade que estipula cortes adicionais na ordem dos € 18,1 bilhões até 2016.

 Após a aprovação do plano de austeridade, o Parlamento grego vota no próximo domingo (11) o Orçamento para 2013. No dia seguinte, o Eurogrupo deverá dedicar-se a mais uma reunião ao dossie da Grécia. Os ministros das Finanças poderão então desbloquear uma parcela de € 31,2 bilhões do empréstimo grego, sem o qual o país ficará impossibilitado de pagar salários no fim do mês, e justamente o que vem sendo questinado pela autoridade do BCE.

PUBLICIDADE