Construtoras populares

Destacando crescimento, XP recomenda compra de ações de Cury, Direcional e Plano&Plano; inflação de custos é risco

Analistas da XP iniciaram cobertura para as ações com visão positiva e destacando preferência por Cury; Tenda tem recomendação de compra e MRV é neutra

SÃO PAULO – A XP iniciou a cobertura para as ações das incorporadoras e construtoras voltadas aos segmentos mais populares Cury (CURY3), Direcional (DIRR3), Plano&Plano (PLPL3) com recomendação de compra. Os analistas também atualizaram as estimativas para Tenda (TEND3), com recomendação de compra, e para a MRV (MRVE3), com recomendação neutra.

O preço-alvo para a CURY3 é de R$ 15 por ação, de R$ 20,50 para DIRR3 e de R$ 10 para Plano&Plano, o que correspondem a altas respectivas de 53,53%, 41,37% e 61,29% em relação ao fechamento da última quinta-feira.

De acordo com os analistas Renan Manda, Lucas Hoon e Marcella Ungaretti, a demanda resiliente deve continuar alimentando o plano de crescimento das companhias. Apesar do espaço limitado de crescimento do programa habitacional Casa Verde e Amarela (CVA), eles avaliam que as grandes companhias e as mais líquidas estão bem-posicionadas para continuar crescendo e ganhando participação de mercado do programa.

Já os crescentes custos de construção devem continuar a ser o principal risco para o segmento neste ano e esperam pressão adicional nos materiais de construção nos próximos meses.

Dito isso, veem os esforços das companhias para atenuar os custos mais altos (por exemplo, por meio de compra antecipada de materiais, materiais alternativos e ganhos de eficiência), amenizando os impactos nas margens brutas, resultando em uma pequena compressão nas margens em 2021 (1,5 ponto percentual nas estimativas dos analistas, na média).

Eles ainda ressaltam que as diferentes estratégias adotadas pelas incorporadoras poderão resultar em crescimento adicional fora do programa Casa Verde e Amarelo.

As operações na média renda devem continuar ganhando tração para a Direcional (por meio da subsidiária Riva) e MRV, enquanto esperam que a Cury e a Plano&Plano comecem a explorar esse segmento neste ano. Enquanto isso, o desenvolvimento do modelo remoto (off-site) trará um crescimento mais robusto no segmento de baixa renda para a Tenda a partir de 2022. Já as demais subsidiárias da MRV (com destaque para AHS) possuem o potencial de contribuir cada vez mais nos resultados operacionais e financeiros da companhia.

A Cury é a preferência da XP no segmento popular, dada a combinação de: i) sólida execução e executivos experientes; ii) baixa alavancagem da companhia; iii) uma das maiores rentabilidades do mercado (retorno sobre patrimônio líquido esperado para 2022 de 59% para 2022 versus 32% da média dos pares) e iv) valuation atrativo, sendo negociado a 7,4 vezes o preço sobre o lucro para 2022.

“Apesar da nossa visão mais conservadora para a MRV, destacamos a sua liderança na frente ESG [melhores práticas de meio ambiente, social e governança corporativa], com sólidos compromissos nos pilares E e S. Em seguida, a Tenda se destaca na frente G, além do desenvolvimento de uma solução mais verde através da construção com placas de madeira (wood frame)”, ressaltam.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre a MRV, a XP reiterou recomendação neutra com preço-alvo em R$ 23, ou potencial de alta de 30,68% frente o fechamento da véspera e de compra para Tenda, elevando o preço-alvo em R$ 4,70, para R$ 38, ou potencial de alta de 47,98%.

Analista Wilson Neto apresenta os segredos das 5% das pessoas que são bem sucedidas no day trade. Inscreva-se no curso gratuito Desafio dos 5%.